Frente Al-Nusra acusa Exército do Líbano de trabalhar com o Hezbollah, apoiador do presidente sírio, que quer derrubar

Reuters

A Frente Al-Nusra, afiliada da Al Qaeda na Síria, matou um dos soldados libaneses que era mantido em cativeiro, segundo fontes de segurança libanesas e uma declaração no Twitter, divulgada nesta sexta-feira (19).

Veja quais são os principais grupos terroristas da atualidade:

Os militantes sunitas e outros rebeldes na Síria acusam regularmente o Exército libanês de trabalhar com o Hezbollah, o movimento xiita libanês que enviou combatentes para ajudar as forças do presidente sírio, Bashar al-Assad, que a Al-Nusra tenta derrubar.

Leia mais:
Grupo rebelde na Síria promete lealdade à Al-Qaeda

Dois soldados libaneses também foram mortos por uma bomba nesta sexta-feira perto da cidade fronteiriça de Arsal, disseram fontes de segurança. Foi o primeiro ataque do tipo desde que militantes islâmicos sírios fizeram uma incursão à região no mês passado, o mais grave avanço até o momento da guerra civil síria até o Líbano.

Homens armados, incluindo combatentes filiados ao grupo Estado Islâmico, capturaram uma série de soldados libaneses durante a incursão. Militantes do EI já decapitaram dois desses soldados desde então.

O assassinato desta sexta foi o primeiro relatado a ter sido realizado pela Frente Nusra, que, assim como o Estado Islâmico, mantém mais de uma dezena de soldados libaneses em cativeiro.

A declaração no Twitter em uma conta afiliada à Frente Nusra disse que o soldado havia se tornado "a primeira vítima da intransigência do Exército libanês, que se tornou um joguete nas mãos do partido iraniano", referindo-se ao Hezbollah. 

Os militantes sunitas têm exigido a libertação de islamitas detidos em uma prisão libanesa.

Militantes da Al-Nusra, braço da Al Qaeda na Síria, ameaçam atirar em reféns em vídeo
Reprodução/Youtube
Militantes da Al-Nusra, braço da Al Qaeda na Síria, ameaçam atirar em reféns em vídeo

Feridos
Três soldados foram feridos nesta sexta por uma bomba que atingiu um veículo militar para transporte de pessoal. Após o bombardeio, militares invadiram casas na cidade em busca de rebeldes. Mais tarde, de acordo com a agência de notícias estatal, o Exército usou "armas pesadas" para atingir posições de militantes em torno de Arsal.

Leia também:
Bombardeios em região central da Síria deixam quase 50 mortos
Célula da Al-Qaeda na Síria alarma autoridades dos EUA
Estado Islâmico toma 16 aldeias curdas no norte da Síria; curdos pedem ajuda

A cidade muçulmana sunita tornou-se um refúgio para dezenas de milhares de sírios que fogem da guerra civil no país.

Dois foguetes caíram na região da cidade de al-Labwe, perto de Arsal, mas não foram registradas vítimas, disseram fontes de segurança. Pela manhã, soldados libaneses prenderam dois sírios na cidade de Baalbek, no Vale do Bekaa, que confessaram pertencer à Frente Nusra.

Análise: Ataque militar à Síria colocaria EUA e Al-Qaeda do mesmo lado em conflito

As forças de segurança também detiveram seis sírios na cidade predominantemente xiita de Nabatiyeh, no sul do Líbano, que confessaram ter participação em "grupos terroristas". Um deles portava cintos com explosivos.

    Leia tudo sobre: estado islâmico
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.