Impasse sobre fronteira ofusca visita de presidente chinês à Índia

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

'Levantei sérias preocupações sobre os repetidos incidentes na fronteira', disse premiê indiano sobre conversa com Xi Jinping

Reuters

Um impasse entre soldados indianos e chineses ofuscou uma visita do presidente da China, Xi Jinping, a Nova Délhi nesta quinta-feira (18), com um compromisso de investimento de 20 bilhões de dólares deixado em segundo plano após os comentários do primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, sobre a disputa territorial.

Dia 7: Sobe para 300 número de mortos após chuvas no Paquistão e na Índia

Reuters
Exilados tibetanos são detidos durante protesto em frente à sede onde acontece reunião entre o presidente chinês, Xi Jinping, e o premiê indiano Narendra Modi, na Índia


Vídeo: Indiana é libertada após marido deixá-la presa por três anos em banheiro

Modi e Xi saíram de uma longa reunião para falar brevemente em uma coletiva de imprensa, após autoridades terem confirmado que soldados haviam deixado suas posições em uma área árida do platô de Ladakh, no oeste dos Himalaias, reivindicada pelos dois países.

"Eu levantei sérias preocupações sobre os repetidos incidentes na fronteira", disse Modi, um nacionalista eleito em maio parcialmente por suas promessas de construir uma Índia mais assertiva.

"Deve haver paz em nossas relações e fronteiras. Se isso acontecer, podemos cumprir o verdadeiro potencial de nossas relações", disse o premiê, com Xi bem a seu lado.

Assista: Indianos improvisam nas ruas para driblar falta de 5 milhões de banheiros

Dezenas de soldados de ambos os lados se defrontaram no platô de Ladakh durante uma semana em uma disputa sobre trabalhos de infraestrutura perto da fronteira, onde os dois países travaram uma breve guerra em 1962.

Aumentando as esperanças por um novo esforço para resolver diferenças territoriais, Modi pediu por um acordo de fronteira com a China.

Os dois lados já realizaram 17 conversas sobre o assunto desde o começo dos anos 1990, mas não houve progresso substancial. Modi ainda não designou um enviado especial para recomeçar as conversas desde que assumiu o cargo, em maio.

"Temos que tratar da questão fronteiriça em breve", disse Modi, pedindo uma "clarificação" da Linha de Controle Real - a linha de frente onde as lutas foram encerradas na guerra de 1962.

Em seu discurso no mesmo evento, Xi minimizou as tensões e concordou com Modi que ambos devem trabalhar para tratar dessa questão logo, reiterando a linguagem que a China tem usado no passado.

"Às vezes pode haver certos incidentes, mas os dois lados são totalmente capazes de agir prontamente para efetivamente lidar com a situação", disse.

Apesar da tensão, os dois lados foram capazes de concordar sobre investimentos que buscam aumentar significativamente seu relacionamento comercial, com a China se comprometendo com 20 bilhões de dólares para parques industriais e infraestrutura, incluindo tecnologia ferroviária.

Eles concordaram em começar as conversas sobre cooperação no setor de energia nuclear, e Xi disse que a China apoiaria a Índia para se tornar membro da Organização de Cooperação de Xangai - um órgão regional de segurança cujos maiores membros são China e Rússia.

Modi é favorável ao investimento chinês para ajudar a equilibrar os 65 bilhões de dólares em comercial anual, cujo montante pende favoravelmente à China. Xi prometeu mais acesso aos produtos farmacêuticos, agrícolas e de combustível da Índia a seu mercado.

Leia tudo sobre: indiamodichinaxilinha de controle realxangai

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas