Chile prende três suspeitos de ligação com ataques em Santiago

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Indivíduos não tiveram as identidades reveladas e foram presos em suas casas na capital do país por equipes multidisciplinares

A polícia chilena deteve na madrugada desta quinta-feira (18) três pessoas supostamente vinculadas aos recentes ataques com bombas na capital do país, informou o ministro chileno do Interior, Rodrigo Peñailillo.

Dia 10: Nova explosão no Chile deixa mulher ferida

AP
Policial conduz curiosos para longe do local onde uma bomba explodiu perto de estação de metrô de Santiago, Chile (8/09)


Ataque: Ato terrorista deixa 14 feridos em metrô do Chile

Os indivíduos, cujas identidades não foram reveladas, foram detidos em suas residências em Santiago, por equipes multidisciplinares, lideradas pela Promotoria.

"Recebemos com satisfação a notícia da prisão de três supostos participantes dos atos terroristas que aconteceram nos últimos meses", disse Peñailillo em uma breve coletiva de imprensa.

2010: Bomba explode em porto chileno de Valparaíso

Uma bomba de fabricação caseira foi detonada em uma galeria comercial em uma estação de metrô de Santiago, no início do mês de setembro, deixando 14 pessoas feridas.

O promotor-chefe metropolitano do sul, Raúl Guzmán, detalhou que os detidos pertencem a "uma célula bastante compacta e hermética" e que as investigações são "complexas", acrescentando que continuam as buscas para determinar se ainda existem outras pessoas responsáveis pelos ataques.

As autoridades não deram detalhes de quando seriam apresentados os detidos perante a Justiça. Meios de comunicação reportaram que ao menos um dos detidos estaria envolvido na instalação da bomba na galeria do metrô de Santiago.

No último dia 9, um dia após uma explosão no metrô de Santiago, outra detonação de bomba reacendeu os temores de ataques terroristas no país, desta vez em Viña del Mar, no litoral.

A bomba explodiu em um supermercado da rede de comércio Totus Gómez Carreño da comuna litorânea que faz parte da província de Valparaíso, importante centro turístico chileno.

Veja fotos das explosões

Policial fotografa local da explosão em Santiago, no Chile (8/09). Foto: ReutersPoliciais percorrem área da explosão em Santiago, no Chile (8/09). Foto: ReutersPolicial deixa área onde ocorreu explosão em Santiago, no Chile (8/09). Foto: ReutersPoliciais impedem que pessoas se aproximem de área onde ocorreu uma explosão em Santiago, no Chile (8/09). Foto: ReutersPoliciais vigiam área onde ocorreu explosão em Santiago, no Chile (8/09). Foto: ReutersVisão do local onde ocorreu explosão em Santiago, no Chile (8/09). Foto: ReutersPolicial usa cão farejador para explorar área onde ocorreu uma explosão em Santiago, no Chile (8/09). Foto: Reuters

Segundo a polícia, a explosão deixou uma trabalhadora ferida, que foi identificada como Edith Mardones Gamboa, 43 anos. Ela é uma das responsáveis ​​pela limpeza do estabelecimento, que sofreu um dano no ouvido e outros ferimentos por causa da bomba.

Fontes afirmam que o dispositivo estaria em uma garrafa de plástico cheia de material explosivo, moedas e outros objetos de metal e ácido muriático, que explodiu quando o operador da máquina manipulava uma caçamba de lixo no estacionamento do local.

A mulher foi levada a um hospital, onde recebeu atendimento médico e teve alta algumas horas mais tarde.

Governo chileno

A presidente do Chile aumentou as medidas de segurança e ampliou os poderes para investigar a explosão no metrô da capital, o pior ataque desse tipo no país desde que a democracia retornou, em 1990.

Funcionários disseram que estão investigando se grupos anarquistas, responsáveis por uma onda de atentados em Santiago, estariam por trás do ataque de segunda em um restaurante fast-food ao lado de uma movimentada estação de metrô.

"Aqueles que realizam esses atos acham que vão nos assustar, mas nós não vamos deixar que um pequeno grupo terrorista e covarde assuste a grande maioria que quer um país pacífico", disse a presidente Michelle Bachelet após reunião.

"Eu instruí o ministro do Interior para reforçar a segurança no sistema de metrô e em locais onde muitas pessoas se reúnem", disse Michelle.

"A coordenação entre a polícia e os organismos de inteligência será a chave para a obtenção de resultados concretos nas investigações. Nossa mão não vai tremer com esses tipos de atos."

*Com AP, Reuters e La Nación

Leia tudo sobre: explosoes no chilechilesantiagosuspeitosprisoes

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas