Braço da Al-Qaeda no sul da Ásia reivindica ataque a fragata no Paquistão

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

O ataque ocorreu no último dia 6; ação mostra que militantes são capazes de atacar área com um vasto aparato de segurança

Reuters

O braço da Al-Qaeda no sul da Ásia assumiu a responsabilidade pelo sequestro de um navio da Marinha paquistanesa e por tentar usá-lo para disparar foguetes contra embarcações dos EUA no mar da Arábia, na primeiro investida importante do grupo recém-criado.

Dia 3: Al-Qaeda anuncia formação de célula na Índia

Veja fotos de grupos terroristas ainda em atividade pelo mundo

Boko Haram: radicais islâmicos têm atacado a Nigéria com atentados, assassinatos e sequestros para derrubar o governo e criar Estado islâmico. Foto: APBoko Haram: traduzido, nome que designa o grupo significa 'a educação ocidental é pecado'. Há temores de que estejam ligados a grupos como a Al-Qaeda. Foto: APFrente al-Nusra: a Frente de Suporte para o Povo da Síria, em tradução livre, é uma milícia islâmica criada em 2012 que atua na guerra síria. Foto: Reprodução/YoutubeFrente al-Nusra: a milícia, descrita pelos próprios rebeldes como bem estruturada, luta contra o presidente sírio, Bashar al-Assad. Foto: Wikimedia CommonsEstado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL): grupo jihadista visa a formar emirado islâmico  em territórios no Iraque e na Síria. Foto: APEstado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL): os militantes foram considerados verdadeiras ameaças regionais pelos EUA após tomarem Mosul. Foto: APAl-Shabab: grupo somali tem ligações com a Al-Qaeda e promove ataques contra o Quênia desde 2011 em resposta ao envio de tropas do país à Somália. Foto: APAl-Shabab: grupo, cujo nome significa 'A Juventude', apareceu como ala radical da extinta União das Cortes Islâmicas da Somália em 2006. Foto: ReutersEmirado do Cáucaso: os rebeldes reivindicam a criação de um Estado islâmico independente na região russa que inclui a Chechênia. Foto: Reprodução/YoutubeAl-Qaeda na Península Arábica: braço do grupo terrorista no Iêmen querem, entre outros objetivos, atacar ocidentais e derrubar a família real saudita, aliada dos EUA. Foto: Reprodução/YoutubeTaleban: grupo integra o movimento islâmico nacionalista no Paquistão e Afeganistão e visa a expulsar invasores dos EUA e da Otan. Foto: APAl-Qaeda no Magreb Islâmico: com essa nomenclatura desde 2007, grupo atua na Argélia e em parceria com terroristas de países vizinhos. Ocidentais são alvos. Foto: Reprodução/YoutubeAl-Qaeda: rede criada por Osama bin Laden nos anos 1980 objetiva acabar com a influência ocidental em países muçulmanos. Foto: Reprodução/Youtube

Egito: Bombas atingem Cairo, grupo ligado à Al-Qaeda assume autoria

O serviço de monitoramento SITE citou o porta-voz do grupo, Osama Mahmoud, dizendo que um grupo de militantes havia conseguido assumir o controle da fragata paquistanesa PNS Zulfiqar e tentou usá-la para atacar vasos de guerra norte-americanos nas imediações.

"Esses mujahideen tinham assumido o controle do navio paquistanês, e foram avançando até a frota americana, quando o Exército os deteve", disse ele.

O SITE informou que a declaração de Mahmoud também incluiu uma foto e detalhes da PNS Zulfiqar. O setor de imprensa da Marinha e do Exército não estavam imediatamente disponíveis para comentar o assunto.

A área da Marinha na costa do Mar Arábico do Paquistão é uma instalação estratégica das operações de segurança antiterrorismo e cooperação contra o narcotráfico dos EUA-Paquistão.

O ataque frustrado ocorre em um momento em que potências regionais já estão preocupados com a estabilidade regional, já que as forças lideradas pelos Estados Unidos estão se retirando do vizinho Afeganistão, potencialmente criando um vazio na segurança que poderá ser explorado pelos insurgentes.

O ataque em 6 de setembro, que durou várias horas, também mostra o quanto os militantes islâmicos são capazes de atacar uma área central do vasto aparato de segurança do Paquistão e levanta questões sobre a capacidade da nação com armas nucleares de proteger suas instalações.

O Taliban paquistanês, aliado próximo da Al-Qaeda, já havia dito que o ataque foi realizado com a ajuda de pessoas infiltradas. O Paquistão depois prendeu alguns membros da Marinha, sob suspeita de colaborar com os atacantes.

Leia tudo sobre: paquistaoasiaal qaedatalibaneua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas