Atiradores invadem faculdade na Nigéria e matam 15 pessoas

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Nenhum grupo assumiu a autoria do atentado na maior cidade do Norte do país africano; no total, 35 pessoas ficaram feridas

Atiradores invadiram, nesta quarta-feira (17), uma faculdade no norte da Nigéria, dispararam contra estudantes em fuga e realizaram uma explosão, em ataque que matou 15 pessoas e feriu ao menos 35, informou a polícia local.

Veja fotos dos principais grupos terroristas do mundo:

Boko Haram: radicais islâmicos têm atacado a Nigéria com atentados, assassinatos e sequestros para derrubar o governo e criar Estado islâmico. Foto: APBoko Haram: traduzido, nome que designa o grupo significa 'a educação ocidental é pecado'. Há temores de que estejam ligados a grupos como a Al-Qaeda. Foto: APFrente al-Nusra: a Frente de Suporte para o Povo da Síria, em tradução livre, é uma milícia islâmica criada em 2012 que atua na guerra síria. Foto: Reprodução/YoutubeFrente al-Nusra: a milícia, descrita pelos próprios rebeldes como bem estruturada, luta contra o presidente sírio, Bashar al-Assad. Foto: Wikimedia CommonsEstado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL): grupo jihadista visa a formar emirado islâmico  em territórios no Iraque e na Síria. Foto: APEstado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL): os militantes foram considerados verdadeiras ameaças regionais pelos EUA após tomarem Mosul. Foto: APAl-Shabab: grupo somali tem ligações com a Al-Qaeda e promove ataques contra o Quênia desde 2011 em resposta ao envio de tropas do país à Somália. Foto: APAl-Shabab: grupo, cujo nome significa 'A Juventude', apareceu como ala radical da extinta União das Cortes Islâmicas da Somália em 2006. Foto: ReutersEmirado do Cáucaso: os rebeldes reivindicam a criação de um Estado islâmico independente na região russa que inclui a Chechênia. Foto: Reprodução/YoutubeAl-Qaeda na Península Arábica: braço do grupo terrorista no Iêmen querem, entre outros objetivos, atacar ocidentais e derrubar a família real saudita, aliada dos EUA. Foto: Reprodução/YoutubeTaleban: grupo integra o movimento islâmico nacionalista no Paquistão e Afeganistão e visa a expulsar invasores dos EUA e da Otan. Foto: APAl-Qaeda no Magreb Islâmico: com essa nomenclatura desde 2007, grupo atua na Argélia e em parceria com terroristas de países vizinhos. Ocidentais são alvos. Foto: Reprodução/YoutubeAl-Qaeda: rede criada por Osama bin Laden nos anos 1980 objetiva acabar com a influência ocidental em países muçulmanos. Foto: Reprodução/Youtube

Nenhum grupo assumiu de imediato a autoria do atentado em Kano, maior cidade da região, mas os militantes radicais islâmicos do Boko Haram, que tem atacado civis no norte frequentemente, deve se tornar um dos principais suspeitos. Um porta-voz da polícia acrescentou que os agentes chegaram à cena do crime e mataram dois dos atiradores.

Leia também:
Boko Haram invade cidade na Nigéria; dezenas morrem e milhares fogem
Boko Haram sequestra dezenas de garotos no nordeste da Nigéria
Boko Haram sequestra esposa de vice-primeiro-ministro de Camarões

“Ouvimos vários disparos da área do portão e depois de alguns minutos, uma explosão no auditório”, disse Sanusi Umar, que leciona inglês na faculdade federal e testemunhou o ataque de um edifício vizinho. “Os atiradores vestiam ternos e corriam e atiravam para todo lado."

Os insurgentes do Boko Haram, cujo nome significa “a educação ocidental é proibida”, lutam para criar um Estado islâmico na Nigéria. Escolas de estilo ocidental são um alvo preferencial de seus atentados, que incluem vários massacres em instituições de ensino secundárias e o sequestro de 200 alunas do vilarejo de Chibok, realizado em abril. Em contrapartida, escolas que ensinam doutrinas islâmicas têm sido deixadas de lado. 

O governo do presidente nigeriano, Goodluck Jonathan, e as forças armadas têm sido cada vez mais criticados por estarem fracassando no contra-ataque ao Boko Haram.

Em um comunicado, Jonathan afirmou que “o governo continua a fazer tudo em seu poder para reforçar a capacidade das agências de segurança de levar a guerra contra o terrorismo a uma conclusão bem sucedida e proporcionar maior segurança em todo o país”.

Leia tudo sobre: nigériagoodluck jonathanboko haram

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas