Apoio à independência da Escócia sobe para 49%, mostra nova pesquisa

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Levantamento da emissora STV divulgado hoje mostra que 51% dos escoceses são favoráveis a permanência no Reino Unido

Reuters

O apoio à independência da Escócia subiu para 49%, mostrou pesquisa desta quarta-feira (17), véspera do referendo que pode dividir o Reino Unido.

Saiba mais: Conheça cinco contribuições da Escócia para o mundo

Reuters
Jovem ativista sorri ao apoiar o primeiro-ministro da Escócia, Alex Salmond, durante campanha pelo 'sim' em Largs, Ayrshire


Ontem: Independência da Escócia seria 'divórcio', diz premiê britânico

Segundo levantamento da emissora STV, 51% dos escoceses favorecem a manutenção do país no Reino Unido. O apoio à independência subiu 7 pontos percentuais desde uma pesquisa similar realizada em 5 de agosto, enquanto o apoio à manutenção da união caiu na mesma proporção.

Líderes e apoiadores de ambos os lados foram às ruas nesta quarta para o dia final de campanha na Escócia, em meio à emoção e esperança, mas também com uma pitada de medo e preocupação.

Os eleitores serão convocados para responder "Sim" ou "Não" à pergunta: "Deve a Escócia ser um país independente?". Um voto pelo "Sim" encerraria a união de 307 anos com a Inglaterra e levaria à separação do Reino Unido - assim como à incerteza econômica.

Rainha: Elizabeth 2ª pede para população 'pensar cuidadosamente' sobre voto

Três pesquisas - dos institutos ICM, Opinium e Survation - mostraram que o apoio pela independência estava em 49%, frente a 52% pela união. Eles constataram que 8 a 14 por cento dos 4,3 milhões de eleitores da Escócia ainda não haviam se decidido antes da votação de quinta-feira.

Líderes políticos britânicos prometeram dar maior autonomia à Escócia caso as pessoas decidam permanecer na união. Mas partidários da independência dizem que é hora de o país escolher seus próprios líderes e tomar suas próprias decisões, livres do governo de Londres.

Dia 11: Cai apoio à independência da Escócia uma semana antes de referendo

Paul Hackett/Reuters
Manifestantes pedem voto no 'sim' sobre a separação da Escócia do restante do Reino Unido (14/09)

Moeda: Libra desvaloriza após pesquisa apontar 'sim' à independência escocesa

O primeiro-ministro escocês, Alex Salmond, que tem liderado a campanha pela independência, pediu as escoceses: "Acordem na sexta-feira de manhã para o primeiro dia de um país melhor".

Em uma carta aberta a eleitores, Salmond disse que o futuro da Escócia estava em suas mãos. Invocando o economista Adman Smith, do século 18, e o maior poeta da Escócia, Robert Burns, ele disse: "Não deixem esta oportunidade escapar de seus dedos. Não nos deixem dizer que não podemos. Vamos fazer isso".

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, disse ao jornal The Times que sempre considerou que a votação seria apertada.

Dia 10: Em pânico, líderes britânicos lançam campanha contra independência

"Qualquer que seja o resultado, nós somos uma democracia. É preciso respeitar a expressão das pessoas nas urnas", disse ao jornal.

Cameron visitou a Escócia duas vezes na última semana para pedir que o país permaneça na "família de nações" do Reino Unido. Mas ele é impopular ao norte da fronteira da Inglaterra, e frequentemente considerado como o ponto máximo de uma esnobe classe alta inglesa.

A força conquistada pela campanha do "Sim" nas últimas semanas deixou o establishment britânico em pânico. Bancos, empresas e investidores passaram a tentar prever os maus agouros de uma separação da Escócia, incluindo perda de empregos, inflação e êxodo de capital.

Análise: Especialistas avaliam possível ruptura da Escócia com Reino Unido

Apoiadores da união destacaram os dados oficiais, na quarta-feira, que mostraram que o emprego na Escócia cresceu em 45 mil postos de trabalho no trimestre encerrado em julho, como exemplo dos benefícios do Reino Unido.

"Não votar, ou votar 'Sim' enviará o seu país para a estrada de alto risco de separação irreversível e desastre econômico", disse Danny Alexander, escocês e alto funcionário no Ministério das Finanças da Grã-Bretanha.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas