Ação contra Estado Islâmico pode evitar genocídio, segundo a Otan

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Secretário-geral da Aliança diz que terror do Estado Islâmico requer 'resposta militar para degradar a organização terrorista'

Reuters

Uma intervenção militar contra os militantes do Estado Islâmico pode ser justificada como uma ação de autodefesa ou para prevenir uma campanha "muito próxima do genocídio", disse o secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, nesta segunda-feira (15).

Hoje: EUA descartam coordenação militar com Irã contra o Estado islâmico

AP
Secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, escuta pergunta enquanto fala sobre o futuro da Aliança em Washington, EUA (19/03)


França: Hollande defende ajuda militar 'apropriada' ao Iraque por grupo sunita

Rasmussen disse que a ameaça representada pelo Estado Islâmico "requer uma resposta militar para degradar e derrotar a organização terrorista", mas ele disse que a Otan como organização não pode realizar ataques militares contra o grupo.

"Não estamos considerando um papel de liderança da Otan nesta operação. Alguns aliados da Otan estão formando uma coalizão que também incluí países da região", disse ele em discurso no centro de estudos Carnegie Europe, em Bruxelas.

Os Estados Unidos, força dominante na Otan, já estão realizando ataques aéreos contra o Estado Islâmico no Iraque.

Apoio: Países se comprometem a manter coalizão de Obama contra o Estado Islâmico

A Rússia disse na semana passada que ataques aéreos contra militantes islâmicos na Síria sem um mandato do Conselho de Segurança da ONU seriam um ato de agressão, levantando a possibilidade de uma nova confrontação com o Ocidente nas próximas semanas.

Rasmussen disse que, falando como "leigo", ele acredita que há base nos princípios fundamentais da carta da ONU para se tomar medidas militares contra o Estado Islâmico.

Twitter: Estudante de medicina posta foto segurando cabeça decepada na Síria

"O EIIL (Estado Islâmico) comete atrocidades horríveis", disse Rasmussen. "Na minha opinião, os ataques contra minorias religiosas e étnicas estão muito perto de genocídio. Na minha opinião, isso dá legitimidade a tal operação militar dentro dos princípio da Carta da ONU", afirmou.

Leia tudo sobre: otaneiileiil no iraqueonurasmussen

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas