Gesto contrasta com o de predecessor, Bento XVI, para quem ameaça à família tradicional prejudica futuro da humanidade

Reuters

Papa Francisco após celebrar casamento de 20 casais, alguns dos quais já vivem juntos
Reuters
Papa Francisco após celebrar casamento de 20 casais, alguns dos quais já vivem juntos

O papa Francisco celebrou o casamento de 20 casais neste domingo (13), alguns dos quais já vivem juntos e tem filhos, no mais recente sinal de que o pontífice argentino quer que a Igreja Católica seja mais aberta e inclusiva.

No primeiro casamento que realizou em seu papado de 18 meses, Francisco conduziu cada casal durante seus votos – incluindo Gabriella e Guido, que já têm filhos e pensavam que um casamento desse tipo seria impossível, segundo a Rádio Vaticana.

"As pessoas que se casaram no domingo são casais como muitos outros", disse em comunicado a diocese de Roma. "Alguns já moram juntos, alguns já tem filhos."

Papa Francisco: Ele desafia paróquias a adotar sua proposta de simplicidade

A cerimônia foi a primeira do tipo no Vaticano desde que o papa João Paulo II presidiu um casamento em 2000, quando era o líder de 1,3 bilhão de católicos do mundo.

Francisco, que é o primeiro papa não-europeu em 1.300 anos, expressou tolerância em relação a outros tópicos que são tradicionalmente um tabu na Igreja, perguntando: "quem sou eu para julgar?" uma pessoa homossexual "que busca Deus e tem boa vontade".

Encontro de bispos vai discutir temas como casamento, divórcio e contracepção
Reuters
Encontro de bispos vai discutir temas como casamento, divórcio e contracepção

Sua abordagem contrasta com a de seu predecessor, o papa alemão Bento XVI, que afirmou que ameaças à família tradicional prejudicam o futuro da humanidade.

Bispos de todo o mundo devem ir ao Vaticano em outubro para um grande encontro sobre a família, a que o papa jesuíta se referiu na homília da missa de domingo como os "tijolos" sobre os quais a sociedade é construída.

Os bispos devem discutir questões como casamento, divórcio e contracepção no concílio, de 5 a 19 de outubro.

O papa disse que a Igreja precisa acabar com sua obsessão de dar ensinamentos sobre aborto, contracepção e homossexualidade e se tornar mais misericordiosa, ou corre o risco de cair "como um castelo de cartas".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.