Iraque vai interromper ataques aéreos a áreas civis controladas pelo Estado Islâmico, diz premiê

Reuters

O primeiro-ministro iraquiano, o xiita Haider al-Abadi, disse neste sábado (13) que havia ordenado a interrupção pela Força Aérea de ataques a áreas civis, atendendo a uma condição colocada por líderes muçulmanos sunitas para que apoiassem sua campanha contra os militantes do Estado Islâmico.

Grupos de defesa dos direitos humanos dizem que os ataques realizados pelo governo iraquiano neste ano, muitos em áreas controladas pelo Estado Islâmico, que ocupa cerca de um terço do país, têm alvejado civis indiscriminadamente.

Papo na redação: Entenda o Estado Islâmico, grupo mais radical do que a Al-Qaeda

"Ordenei que a Força Aérea Iraquiana interrompesse o bombardeio a áreas civis, mesmo nas cidades controladas pelo EIIL", disse Abadi em sua conta oficial no Twitter, usando o acrônimo para Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL), denominação usada anteriormente pelo Estado Islâmico.

O representante da ONU no Iraque, Nickolay Mladenov, recebeu bem o anúncio, que foi repetido por Abadi neste sábado em uma conferência sobre refugiados, em Bagdá.

"A proteção de civis e a garantia de sua segurança é uma prioridade fundamental para as Nações Unidas", disse Mladenov.

Entenda: A violência extrema dos militantes do Estado Islâmico

Diplomatas e políticos iraquianos de todas as matizes esperam que Abadi, cujo gabinete foi formado na última segunda-feira, consiga sanar o sistema político do país em prol da formação de um frente única contra o Estado Islâmico.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.