'Uma mentira que me machuca', diz Hollande sobre acusação de ex-primeira-dama

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em entrevista à revista Le Nouvel Observateur, o líder socialista afirmou que as acusações da ex Valérie Trierweiler são falsas

BBC

O presidente da França, François Hollande, repudiou a revelação feita pela ex-companheira, a jornalista Valérie Trierweiler, de que ele 'odeia pobres', e classificou a acusação como "uma mentira que me machuca".

Dia 4: Presidente desdenha dos pobres, diz ex-primeira-dama francesa em livro

AFP
'Livro pode manchar gravemente a imagem de Hollande', diz consultora de comunicação


Janeiro: Após rumores sobre traição, Hollande anuncia separação

Em entrevista à revista Le Nouvel Observateur, o líder socialista afirmou não querer que ninguém pense que ele ridiculariza as dificuldades sociais.

Em um livro de memórias recém-lançado, a ex-primeira-dama Valérie Trierweiler escreveu que o ex-companheiro costuma se referir aos pobres como "aqueles desdentados".

Hollande e Trierweiler permaneceram juntos por nove anos até uma reportagem de uma revista francesa revelar um suposto relacionamento extraconjugal do presidente francês com a atriz Julie Gayet.

No livro, que foi publicado na semana passada e já se tornou um dos mais vendidos na França, Trierweiler descreve o líder socialista como um homem "insensível" que não gosta de pobreza.

Apesar de sua imagem de um líder de esquerda que detesta os ricos, Trierweiler afirma que Hollande desprezava os pobres e se referia a eles como "desdentados" no âmbito privado.

A polêmica envolvendo o livro da ex-primeira-dama ocorre após semanas difíceis para Hollande, que viu sua popularidade cair ao nível mais baixo de um presidente francês em mais de 50 anos.

O governo de Hollande vem lutando contra altas taxas de desemprego e um crescimento econômico estagnado.

O ministro das Finanças, Michel Sapin, cortou a previsão de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) francês para 0,4% e anunciou nesta quarta-feira que o governo não conseguirá cumprir as metas da União Europeia sobre as contas públicas até 2017.

No mês passado, o primeiro-ministro, Manuel Valls, substituiu seu gabinete após ministros de esquerda se opuseram publicamente às medidas de austeridade do governo.

Hollande afirmou que nunca esteve do lado dos poderosos e que “sentiu esse ataque aos pobres, aos despossuídos, como se fosse um golpe desferido contra a minha vida inteira”.

"Eu encontrei pessoas sofrendo os piores tipos de dificuldades", afirmou Hollande à revista. "Eles tem problemas em tratar os dentes. Esse é o símbolo do pior tipo de miséria".

Uma transcrição parcial da entrevista (em francês) foi publicada nesta quarta-feira na versão online doLe Nouvel Observateur. A íntegra da entrevista chegará às bancas nesta quinta-feira.

À revista, o presidente francês falou que de seu passado modesto e de seus dois avôs, um dos quais trabalhava como alfaiate e outro como professor.

Hollande reconheceu que ficou desconfortável com que leu no livro de sua ex-companheira, mas afirmou que os cidadãos franceses queriam resultados dele e que não estavam interessados em seu estado emocional.

Leia tudo sobre: hollandefrancalivrotrierweiler

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas