Premiê britânico pede a escoceses para não separarem 'família de nações'

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Preocupado com o destino da união de 307 anos entre países, Cameron cancelou audiência para ir a encontros na Escócia

Reuters

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, fez um apelo aos escoceses para que não dividam a "família das nações" da Grã-Bretanha e também visitou a Escócia nesta quarta-feira (10) em uma tentativa de conter o forte aumento no apoio aos separatistas no referendo de independência marcado para 18 de setembro.

Hoje: Especialistas avaliam impacto da possível ruptura da Escócia com Reino Unido

Reuters
O primeiro-ministro britânico David Cameron conversa durante visita a construção em Edimburgo, Escócia


Segunda: Libra desvaloriza após pesquisa apontar 'sim' à independência escocesa

Em uma demonstração do renovado estado de pânico entre a elite do governo britânico, preocupada com o destino da união de 307 anos entre os países, Cameron e o líder de oposição, Ed Miliband, cancelaram sua audiência semanal no Parlamento para comparecer a diferentes eventos na Escócia.

"Nós não queremos que essa família de nações seja esfacelada", disse Cameron, de 47 anos, em um artigo opinativo publicado no jornal Daily Mail. "A Grã-Bretanha é um país especial e precioso."

Mas Cameron, cujo cargo pode estar em risco caso a Escócia se separe, ponderou a emoção com um alerta claro: "Se a Grã-Bretanha se separar, vai se separar para sempre."

Sábado: Referendo na Escócia: 51% votariam pela independência, diz pesquisa

Cameron havia até agora se mantido ausente do debate por considerar que seu passado privilegiado e sua condição de político de centro-direita não o posicionam como a melhor pessoa para seduzir os escoceses, que elegeram apenas um parlamentar conservador entre os 59 escolhidos em 2010.

Variação da moeda

A libra esterlina voltou a cair nesta quarta em relação ao dólar e ao euro, fato atribuído no mercado financeiro a uma pesquisa online sobre a independência da Escócia que apontou uma forte vantagem para o "sim".

Dia 4: Escoceses vão às urnas sobre independência; entenda a questão em temas

As conversas entre os negociantes no mercado se voltava para outra pesquisa que seria divulgada nesta quarta-feira pela agência Survation para o Daily Record. A agência disse no Twitter que esses resultados seriam "muito interessantes".

A pesquisa na web conduzida por um blogueiro independente mostrou a campanha pró-independência à frente, com o apoio de 53,9% dos eleitores enquanto os que pretendiam votar "não" representavam 46,1% (http://barker.co.uk/scotlandpol).

"Isso se encaixa com a recente tendência que temos visto nas pesquisas, de uma mudança em favor do 'sim'", disse Ian Stannard, chefe de estratégia de câmbio europeu do Morgan Stanley.

É provável que haja muitas outras pesquisas não checadas até o referendo em 18 de setembro, o que poderia levar a uma queda ainda maior da libra esterlina, disse Standard.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas