Agência diz ter provas de ataques com gás clorino na Síria

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo relatório, gás clorino foi usado de modo 'sistemático e repetidamente' como uma arma no norte do país neste ano

Reuters

Inspetores da agência mundial supervisão de armas químicas encontraram "provas contundentes" de que o gás clorino foi usado "sistemática e repetidamente" como arma no norte da Síria este ano, segundo informaram em um comunicado nesta quarta-feira (10).

ONU: Estado Islâmico usa crianças em ataques suicidas no Iraque

Reuters
Menino ferido chora ao ser levado para hospital depois de suposto ataque aéreo das forças leais ao presidente Bashar al-Assad em Damasco, Síria (9/09)


Dia 2: Forças sírias conduzem ataques contra distrito ocupado por rebeldes 

Sediada em Haia, a Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) afirmou ter surgido "uma saraivada de novas alegações" de ataques com clorino em agosto depois de uma redução no relato de ataques desde maio.

O presidente sírio, Bashar al-Assad, concordou em entregar 1.300 toneladas de armas químicas e desmantelar instalações de produção e armazenamento no ano passado, após firmar um acordo para evitar ataques aéreos dos Estados Unidos.

O grosso dos agentes químicos foi destruído em um navio dos EUA e em instalações comerciais de processamento de lixo tóxico. Damasco ainda tem que destruir 12 hangares e instalações de armas subterrâneas e esclarecer uma série de discrepâncias na lista de munições venenosas que apresentou à Opaq.

Negociação: Rebeldes na Síria fazem exigências para libertar soldados da ONU

Mesmo enquanto parte das armas químicas estava sendo destruída no exterior, ataques com agentes químicos eram relatados em vilarejos sírios, o que levou a acusações de governos ocidentais de que Assad não deu informações sobre seu arsenal completo.

A Síria concordou em destruir suas armas químicas um ano atrás, na esteira da revolta mundial contra um ataque com gás sarin em Ghouta, um subúrbio de Damasco, em agosto de 2013, que matou centenas de pessoas e foi o pior do tipo em um quarto de século.

O governo e os rebeldes que querem depor Assad culparam uns aos outros pelo ataque. As potências ocidentais culpam Assad, e a Rússia afirma que os rebeldes provavelmente foram os responsáveis.

A equipe da Opaq declarou ter concluído "com alto grau de confiança que o clorino, seja puro ou misturado, é o agente químico tóxico em questão" nos ataques recentes.

Embora o clorino não seja uma substância proibida, seu uso como arma química está proibido, segundo a Convenção de Armas Químicas de 1997, à qual a Síria aderiu um ano atrás, completado esta semana.

O clorino foi empregado em ataques nos vilarejos de Talmanes, Al Tamanah e Kafr Zeta, todos no norte do país, afirma o relatório da entidade.

Depois de ser atacada enquanto realizava seu trabalho de campo na Síria, onde a guerra civil já matou mais de 191 mil pessoas, a equipe baseou sua pesquisa em dezenas de entrevistas com vítimas, médicos e testemunhas, e também utilizou vídeos, registros médicos e outras provas. O relatório, porém, não indica que lado do conflito usou as armas químicas.

Leia tudo sobre: gas clorinosiriaassadzetaonu

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas