Presidente da Ucrânia visita porto estratégico em área de conflito no leste

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Presença ressalta que Kiev não vai concordar voluntariamente com a perda do que resta de seu domínio sobre essa região

O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, fez uma viagem surpresa ao porto de Mariupol nesta segunda-feira (8), no leste do país, em uma demonstração de solidariedade aos cidadãos de uma área sob ataque entre forças do governo e insurgentes pró-russos.

Análise: Entenda a fragilidade do cessar-fogo na Ucrânia

Reuters
O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, centro, aperta a mão de um trabalhador durante sua visita à cidade costeira de Mariupol, Ucrânia


Ontem: Trégua vacila e mulher é morta por fogo de artilharia na Ucrânia

Durante a visita, o presidente prometeu defender a cidade dos separatistas que avançaram em direção ao local na semana passada, antes de um acordo de cessar-fogo.

"Acabei de chegar em Mariupol. Esta é a nossa terra ucraniana e nós nunca vamos desistir dela por nada e nem ninguém!", escreveu o líder em sua conta oficial no Twitter.

Ao chegar à cidade de 500 mil habitantes, que é vital para as exportações de aço da Ucrânia, Poroshenko disse que "Ordenei (os militares) que garantam a defesa de Mariupol com vários lançadores de foguetes, tanques e cobertura aérea. O inimigo vai sofrer uma derrota esmagadora."

Acordo: Cessar-fogo se mantém no leste da Ucrânia neste sábado

Poroshenko se encontrou ainda com os trabalhadores de uma fábrica de metal em uma demonstração simbólica de força na área estratégica para o governo ucraniano e que tem estado sob fogo dos rebeldes nos últimos dias. Sua presença ressalta que Kiev não deve acordar voluntariamente com a perda do que resta de seu domínio sobre o leste.

No restante do leste da Ucrânia, uma paz frágil parecia reinar nesta segunda. O conselho da cidade de Donetsk disse que não houve registros de vítimas durante a noite, e nenhuma explosão foi ouvida na parte da manhã no centro.

Em Luhansk, outra cidade oriental controlada pelos rebeldes que tem visto alguns dos piores confrontos, o conselho da cidade não registrou confrontos pela terceira noite consecutiva.

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Sexta: Governo da Ucrânia assina acordo de trégua com rebeldes pró-russos

O Coronel Andriy Lysenko, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Ucrânia, disse que nenhum funcionário havia sido morto e forças rebeldes haviam parado de usar artilharia pesada.

"Essa é uma grande conquista", disse ele. "Nós entendemos que o cessar-fogo impõe uma certa disciplina aos nossos inimigos."

Mas Lysenko disse a jornalistas que os rebeldes haviam violado a trégua meia dúzia de vezes, pelo menos. A Câmara Municipal Donetsk disse na tarde desta segunda que os moradores falaram de em uma possível explosão na cidade.

Leia: Otan acusa Rússia de atacar a Ucrânia; presidente ucraniano promete trégua

O sucesso da trégua seria um marco para todos os lados em um conflito que se arrasta há quase cinco meses e custou ao menos 3 mil vidas, de acordo com uma estimativa da ONU divulgada nesta segunda.

Mas, apesar do cessar-fogo, tem havido pouco consenso entre Kiev e os rebeldes separatistas por uma solução política que acabaria definitivamente com o impasse no leste da Ucrânia.

O sudeste tem sido uma região chave. A área em torno de Mariupol havia permanecido relativamente intocada pela violência até as últimas duas semanas, quando as forças rebeldes empurraram o conflito nessa direção.

Grã-Bretanha: Se houver trégua, UE pode retirar sanções contra a Rússia

O porto da cidade está estrategicamente localizado no Mar de Azov, aumentando os temores de que, caso caísse, a cidade seria ligada à Rússia continental pelos separatistas por meio da Criméia, península do Mar Negro anexada por Moscou em março. A medida custaria para a Ucrânia também outro grande pedaço de seu litoral e todas as riquezas minerais que o Mar de Azov deve possuir.

Em outros desdobramentos, 15 soldados ucranianos foram libertados pelas forças rebeldes, disse a agência de notícias Interfax-Ucrânia nesta segunda. Lysenko disse que uma troca de prisioneiros com os rebeldes era "tarefa Número 1" para o governo durante o cessar-fogo.

Violência: Forças ucranianas e rebeldes se enfrentam antes do anúncio de trégua

A trégua começou na sexta-feira, mas foi colocada em perigo no fim de semana pelo bombardeio de Mariupol e combates perto do aeroporto de Donetsk. Os dez dias de cessar-fogo anteriores, em junho, foi crivado por denúncias de violações de ambos os lados.

*Com Reuters e AP

Leia tudo sobre: russia na ucraniaucraniarussiaporoshenkoeualysenkokievmariupol

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas