Há violações esporádicas, diz agência de segurança europeia; trégua faz parte de plano para encerrar conflito após 5 meses

O cessar-fogo entre forças ucranianas e separatistas pró-Rússia estava sendo mantido nesta segunda-feira (8) no leste da Ucrânia apesar de violações esporádicas, mas a agência de segurança europeia disse que ambos os lados precisam buscar um acordo político.

Hoje: Presidente da Ucrânia visita porto estratégico em área de conflito no leste

O presidente ucraniano Petro Poroshenko canta hino nacional durante visita ao Ilyich Iron and Steel Works, na cidade costeira de Mariupol
Reuters
O presidente ucraniano Petro Poroshenko canta hino nacional durante visita ao Ilyich Iron and Steel Works, na cidade costeira de Mariupol


Análise: Entenda a fragilidade do cessar-fogo na Ucrânia

A trégua, que passou a ser respeitada na noite de sexta, faz parte de um plano de paz cuja intenção é encerrar um conflito que já dura cinco meses e que, segundo as Nações Unidas, já deixou mais de 3 mil mortos. O embate também causou a mais profunda tensão entre a Rússia e o Ocidente deste a Guerra Fria.

O presidente ucraniano, Petro Poroshenko, visitou nesta segunda o porto de Mariupol e prometeu defender a cidade dos separatistas pró-russos que avançaram em direção ao local na semana passada, antes de um acordo de cessar-fogo.

"Acabei de chegar em Mariupol. Esta é a nossa terra ucraniana e nós nunca vamos desistir dela por nada e nem ninguém!", escreveu o líder em sua conta oficial no Twitter.

Ontem: Trégua vacila e mulher é morta por fogo de artilharia na Ucrânia

Ao chegar à cidade de 500 mil habitantes, que é vital para as exportações de aço da Ucrânia, Poroshenko disse que "Ordenei (os militares) que garantam a defesa de Mariupol com vários lançadores de foguetes, tanques e cobertura aérea. O inimigo vai sofrer uma derrota esmagadora."

Mariupol, às margens do Mar de Azoy, também foi palco da pior violação da trégua no sábado, quando forças do governo disseram ter ficado sob ataques de artilharia dos rebeldes. Uma mulher foi morta e quatro pessoas ficaram feridas.

Acordo: Cessar-fogo se mantém no leste da Ucrânia neste sábado

"No geral, o cessar-fogo foi mantido, embora esteja pouco firme", disse o embaixador suíço Thomas Greminger, atual presidente da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), acrescentando que os próximos dias seriam cruciais.

O presidente suíço, Didier Burkhalter, disse não estar otimista sobre a manutenção do cessar-fogo e acrescentou que apenas isso não era suficiente. "Os diferentes atores devem realmente pressionar por um avanço (político)."

Sexta: Governo da Ucrânia assina acordo de trégua com rebeldes pró-russos

Ambos os lados divergem sobre o futuro do leste da Ucrânia, que abriga muitas das indústrias pesadas do país. No fim de semana, os rebeldes repetiram a afirmação de que queriam independência para a região ou união com a Rússia, e que não aceitariam o comando do governo ucraniano.

Tanto os rebeldes quanto os militares ucranianos insistem que estão respeitando estritamente o cessar-fogo e culpam os oponentes por quaisquer violações.

"As forças ucranianas estão observando o regime de cessar-fogo, mas quando enfrentam uma ameaça direta a suas vidas, elas revidam fogo. Mas elas permanecem nas posições que estavam no momento que o cessar-fogo foi assinado", disse o porta-voz militar, Andriy Lysneko, em uma coletiva de imprensa em Kiev.

Leia: Otan acusa Rússia de atacar a Ucrânia; presidente ucraniano promete trégua

O centro de imprensa militar ucraniano listou cinco violações dos rebeldes ao cessar-fogo durante da noite de domingo para segunda-feira, enquanto os separatistas acusaram forças do governo de preparar uma ofensiva sobre uma cidade perto do bastião rebelde de Donetsk.

Um repórter da Reuters ouviu disparos de morteiro nas cercanias do aeroporto ao norte de Donetsk na tarde de segunda-feira.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.