Rússia diz ter detido suposto espião da Estônia e enfurece governo do país

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ministério das Relações Exteriores chamou embaixador russo para consultas por 'indivíduos não identificáveis da Rússia'

BBC

O Ministério das Relações Exteriores da Estônia chamou o embaixador russo para consultas após o sequestro de um de seus agentes de inteligência por "indivíduos não identificáveis da Rússia" na fronteira entre os dois países.

Estônia: Espaço aéreo dos países bálticos ex-soviéticos permanece fechado

Reuters
Funcionário do Serviço de Segurança Interna estoniano segue desaparecido


Na linguagem diplomática, a convocação de um embaixador é considerada um ato de protesto. Uma nota divulgada pelo ministério disse que o incidente ocorreu dentro da Estônia na sexta-feira, próximo ao posto de controle de Luhamaa. O funcionário desaparecido trabalha para o Serviço de Segurança Interna da Estônia.

A Rússia confirmou que deteve um funcionário da inteligência estoniano por causa de "uma operação de espionagem" no território russo.

O chefe da agência de inteligência da Estônia afirmou que descarta qualquer "razão política" para o incidente. Por sua vez, o Ministério das Relações Exteriores em Tallinn classificou o episódio como "muito grave".

"Esperamos receber todo tipo de ajuda e cooperação necessárias da Rússia para solucionar esse caso e trazer de volta esse cidadão estoniano para sua casa", afirmou o chanceler da Estônia, Urmas Paet.

Sinais de luta

Segundo o chefe da Serviço de Segurança Interno da Estônia (Kapo), Arnold Sinisalu, sinais de luta foram detectados no local do suposto sequestro. "Houve um combate entre os envolvidos e verificamos rastros que levam à Rússia".

"Não temos indicações de que disparos foram feitos", acrescentou. “Não havia sangue na cena do incidente".

O Serviço de Segurança Federal da Rússia em Moscou confirmou a agências de notícias russas que um agente da Kapo identificado como Eston Kohver foi detido em território russo e agora está sendo investigado.

Ele estava, segundo autoridades russas, carregando uma pistola, 5 mil euros em dinheiro, um dispositivo de espionagem e "outros materiais relacionados à obtenção de dados de inteligência".

O jornal estoniano Postimees afirmou que o funcionário desaparecido da Kapo esteve envolvido na luta contra crimes nas fronteiras.

Os sequestradores obstruíram as comunicações de rádio da Estônia e usaram uma bomba de fumaça durante o incidente, afirmaram os repórteres.

O presidente da Estônia, Toomas Hendrik Ilves tuitou "não vamos tirar conclusões precipitadas. A Estônia é extremamente eficiente em combater o crime organizado e o contrabando. Temos as fronteiras mais bem policiadas da União Europeia".

Otan

A convocação do embaixador russo pelas autoridades estonianas ocorreu no segundo dia da cúpula da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) no País de Gales.

Na cúpula, a aliança aprovou a criação de uma força de reação rápida que poderia ser enviada à região da fronteira dos países do grupo com a Rússia - entre eles a própria Estônia, que fazia parte da União Soviética até 1991.

A decisão foi tomada em meio à escalada de tensões com a Rússia devido ao conflito no leste ucraniano, envolvendo rebeldes separatistas pró-Rússia.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, visitou a Estônia na quarta-feira, quando garantiu que a Estônia e os demais países bálticos (Letônia e Lituânia) teriam todo o apoio da Otan em caso de qualquer agressão externa.

Leia tudo sobre: russiaotanobamaestoniahendrikeua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas