EUA confirmam a morte de líder terrorista da Somália

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Secretário de imprensa do Pentágono confirmou a morte por meio de comunicado; Obama diz que operação foi um sucesso

O Pentágono confirmou nesta sexta-feira (5) a morte do líder do grupo terrorista al-Shabab, Ahmed Abdi Godane, após ataque aéreo dos EUA na Somália no início desta semana.

Análise: Carnificina no Quênia reflete resistência do grupo Al-Shabab

Reprodução/Youtube
Ahmed Abdi Godane liderou inúmeros ataques terroristas à frente do al-Shabab, na Somália


Julho: Ao menos 7 passageiros de ônibus são assassinados por terroristas no Quênia

O secretário de imprensa do Pentágono, o almirante John Kirby, confirmou a morte em uma breve declaração escrita. O presidente Barack Obama, em discurso no País de Gales após reunião de cúpula da Otan, Organização do Tratado do Atlântico Norte, disse que o sucesso dos EUA na operação foi um exemplo da determinação do governo contra o terrorismo.

Ele aproveitou para dizer que os EUA usam a mesma abordagem para deter o Estado Islâmico no Iraque e na Síria.

Violência: Atiradores matam pelo menos 29 em dois ataques na costa do Quênia

"Temos sido muito sistemáticos e metódicos ao ir atrás desse tipo de organização que ameaça os cidadãos americanos e os EUA", disse Obama. "Não tenho dúvidas: vamos continuar a fazer o que é necessário para proteger o povo americano."

A Casa Branca declarou a ação um sucesso contra o terrorismo.

"O fim de Godane é uma grande perda simbólica e operacional para a maior filial da Al-Qaeda na África e reflete anos de trabalho meticuloso dos nossos profissionais de inteligência, militares e policiais", disse a Casa Branca por meio de comunicado.

"Mesmo que este seja um passo importante na luta contra o Al-Shabab, os Estados Unidos vão continuar usando ferramentas - financeiras, diplomáticas, de inteligência e militares - para lidar com a ameaça que outros grupos terroristas representam para os Estados Unidos e para o povo americano", acrescentou.

Veja os maiores grupos terroristas em atividade no mundo

Boko Haram: radicais islâmicos têm atacado a Nigéria com atentados, assassinatos e sequestros para derrubar o governo e criar Estado islâmico. Foto: APBoko Haram: traduzido, nome que designa o grupo significa 'a educação ocidental é pecado'. Há temores de que estejam ligados a grupos como a Al-Qaeda. Foto: APFrente al-Nusra: a Frente de Suporte para o Povo da Síria, em tradução livre, é uma milícia islâmica criada em 2012 que atua na guerra síria. Foto: Reprodução/YoutubeFrente al-Nusra: a milícia, descrita pelos próprios rebeldes como bem estruturada, luta contra o presidente sírio, Bashar al-Assad. Foto: Wikimedia CommonsEstado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL): grupo jihadista visa a formar emirado islâmico  em territórios no Iraque e na Síria. Foto: APEstado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL): os militantes foram considerados verdadeiras ameaças regionais pelos EUA após tomarem Mosul. Foto: APAl-Shabab: grupo somali tem ligações com a Al-Qaeda e promove ataques contra o Quênia desde 2011 em resposta ao envio de tropas do país à Somália. Foto: APAl-Shabab: grupo, cujo nome significa 'A Juventude', apareceu como ala radical da extinta União das Cortes Islâmicas da Somália em 2006. Foto: ReutersEmirado do Cáucaso: os rebeldes reivindicam a criação de um Estado islâmico independente na região russa que inclui a Chechênia. Foto: Reprodução/YoutubeAl-Qaeda na Península Arábica: braço do grupo terrorista no Iêmen querem, entre outros objetivos, atacar ocidentais e derrubar a família real saudita, aliada dos EUA. Foto: Reprodução/YoutubeTaleban: grupo integra o movimento islâmico nacionalista no Paquistão e Afeganistão e visa a expulsar invasores dos EUA e da Otan. Foto: APAl-Qaeda no Magreb Islâmico: com essa nomenclatura desde 2007, grupo atua na Argélia e em parceria com terroristas de países vizinhos. Ocidentais são alvos. Foto: Reprodução/YoutubeAl-Qaeda: rede criada por Osama bin Laden nos anos 1980 objetiva acabar com a influência ocidental em países muçulmanos. Foto: Reprodução/Youtube

Autoridades dos EUA haviam dito após a ação que as forças especiais dos EUA haviam destruído acampamento e um veículo com vários mísseis por meio de bombardeios e drones. Mas eles não confirmam que Godane havia sido morto até esta sexta. O Departamento de Estado declarou o al-Shabab uma organização terrorista em fevereiro de 2008.

Kirby disse na terça-feira, antes de o Pentágono confirmar a morte de Godane, que a ação dos EUA ao sul de Mogadíscio havia destruído o veículo alvejado. Ele observou que, em setembro de 2013, Godone do al-Shabab foi o responsável pelo ataque mortal ao Westgate Mall em Nairobi, no Quênia.

"Liderado por Godane, o al-Shabab assumiu a responsabilidade por muitos ataques, incluindo atentados suicidas em Mogadíscio e nas áreas central e norte da Somália, alvejando funcionários e aliados do governo federal, bem como o antigo governo federal de transição da Somália", disse Kirby na terça.

*Com AP

Leia tudo sobre: al shababeuacasa brancakirbypais de galessomaliagodaneal qaeda

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas