Rússia vê pressão dos EUA em decisão comercial da França e adverte sobre Ucrânia

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

'Onde estão os tempos em que Paris não sucumbia à pressão dos EUA como, por exemplo, sobre o Iraque?', disse porta-voz

Reuters

Reuters
Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov fala com secretário-geral do Conselho da Europa, Thorbjorn Jagland, durante encontro em Moscou

Autoridades russas questionaram nesta quinta-feira (4) a confiabilidade da França como parceira comercial depois que o governo francês suspendeu a entrega de um navio militar devido à crise na Ucrânia, e indicaram que os franceses podem ter cedido à pressão dos Estados Unidos.

Hoje: Putin pede apoio de rebeldes na Ucrânia após prever acordo de paz

"Onde estão os tempos em que Paris não sucumbia à pressão dos Estados Unidos, como, por exemplo, sobre o Iraque?", escreveu no Facebook a vice-porta-voz do Ministério de Relações Exteriores Maria Zakharova.

Ela também descreveu a decisão da França como uma vergonha. "A reputação da França como uma parceira confiável que cumpre suas obrigações contratuais foi jogada na caldeira das ambições políticas norte-americanas", escreveu Zakharova.

Ontem: Acordo entre Ucrânia e rebeldes pode ser alcançado até sexta-feira, diz Putin

O presidente francês, François Hollande, resistiu durante meses à pressão de Washington e de outros aliados para abandonar um contrato de 1,2 bilhão de euros para entregar dois porta-helicópteros Mistral à Rússia.

Na véspera de uma cúpula da Otan, o gabinete de Hollande informou na quarta-feira que a França adiaria a entrega do primeiro navio. O governo francês acusou a Rússia de cometer ações na Ucrânia que vão "contra as bases da segurança na Europa".

Durante o governo do presidente Jacques Chirac, a França, assim como a Rússia, se opôs à invasão do Iraque em 2003, liderada pelos Estados Unidos, para derrubar o regime de Saddam Hussein.

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Ucrânia

Ainda nesta quinta a Rússia acusou os Estados Unidos de apoiarem o que Moscou descreveu como "partido da guerra" em Kiev, e disse que está esperando a resposta da liderança da Ucrânia e de rebeldes no leste do país ao plano de cessar-fogo apresentado pelo Kremlin.

Sem acordo: Ucrânia anuncia cessar-fogo permanente; Kremlin nega

"O aumento na retórica anti-Rússia que temos visto exatamente quando há um esforço muito ativo para se buscar uma solução política mostra que o partido da guerra em Kiev tem apoio externo ativo, neste caso, dos Estados Unidos", disse Lavrov.

Em contraste, disse ele, a Rússia está "fazendo e fará" tudo que estiver a seu alcance em busca da paz no leste da Ucrânia.

Lavrov fez uma advertência à Otan, Organização do Tratado do Atlântico Norte, para que não proponha adesão à Ucrânia durante a cúpula da aliança atlântica nesta quintaa e disse para os Estados Unidos que não devem tentar impor sua vontade sobre a ex-república soviética.

Ele também exortou o governo em Kiev e os rebeldes pró-Rússia que combatem as forças ucranianas no leste da Ucrânia a apoiarem as iniciativas de paz delineadas pelo presidente russo, Vladimir Putin, e evitar "uma crise em grande escala" no coração da Europa.

Putin revelou o seu plano de sete pontos na quarta-feira, na véspera da cúpula da Otan, na qual a crise na Ucrânia será discutida.

Negociação: Secretário-geral da ONU descarta solução militar para crise na Ucrânia

"É justamente em um momento como este, quando surge a oportunidade de começar a resolver problemas específicos entre Kiev e as milícias, que alguns setores do governo de Kiev fazem exigências para que a Ucrânia deixe seu status não-alinhado e comece a entrar na Otan", disse Lavrov em conversações com a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, entidade voltada para promoção de direitos e segurança.

"É uma flagrante tentativa de inviabilizar todos os esforços de iniciar um diálogo sobre a garantia da reconciliação nacional", afirmou.

A Rússia tem dito que vai considerar a adesão da Ucrânia à Otan como uma ameaça à sua segurança nacional.

Leia tudo sobre: russia na ucraniarussiaucraniaeuafrancalavroveuropamoscouotan

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas