Entre as mudanças de Maduro está a promoção do ex-chefe de produção e exploração da PDVSA ao cargo mais alto do grupo

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro retirou Rafael Ramírez de seus dois cargos, ministro do Petróleo e Mineração e chefe da estatal de petróleo PDVSA, em uma reformulação do gabinete de governo que críticos disseram ter ficado aquém da reforma necessária para reverter declínio econômico da nação, que é membro da Opep.

Ontem: Protestos na Venezuela contra implantação de controle de compras ferem seis

Nicolás Maduro durante cerimônia de apresentação de jogos em Caracas (agosto/2014)
AP
Nicolás Maduro durante cerimônia de apresentação de jogos em Caracas (agosto/2014)


Agosto: Líder partidário chileno é libertado na Venezuela

Maduro promoveu o ex-chefe de produção e exploração da PDVSA Eulogio Del Pino ao mais alto cargo da empresa e alçou Asdrúbal Chávez, o primo do falecido presidente Hugo Chávez, ao cargo de ministro de Energia e Mineração.

A reforma de gabinete, fortemente divulgada, pretende renovar o governo em um momento em que a desaceleração da economia, a inflação galopante e a escassez de produtos crônicas fazem com que Maduro busque melhorar a produção de petróleo e dinamizar o inchado setor público.

Ramírez foi nomeado ministro do Petróleo em 2002 e escolhido para comandar simultaneamente a PDVSA em 2004. Asdrúbal Chávez, engenheiro químico por formação, era vice-presidente de comércio e Abastecimento da PDVSA.

Julho: Líder da oposição vai a julgamento em Caracas, Venezuela

Manifestações

Pelo menos seis pessoas ficaram feridas, uma delas a tiros, nos protestos registrados na terça-feira na Venezuela contra a implementação de um sistema biométrico nos supermercados para controlar as compras de produtos e combater o contrabando.

Os protestos ocorreram em Táriba, San Cristóbal, perto da fronteira com a Colômbia, onde nos últimos dias foram registradas várias manifestações contra políticas do governo.

Julgamento: Mais de 100 continuam presos na Venezuela por violência em protestos

Segundo a organização não governamental Foro Penal Venezuelano, seis venezuelanos ficaram feridos em confrontos com agentes de segurança, que dispersaram várias vezes os manifestantes com balas de borracha - Um deles foi ferido a tiro no abdômen e não havia informações sobre sua participação nas manifestações.

San Cristóbal tem sido palco, desde fevereiro deste ano, de uma série de protestos contra o governo, que acabaram se expandindo para outras cidades e que, entre fevereiro e maio, deixaram 43 mortos e centenas de feridos em várias regiões.

As autoridades venezuelanas anunciaram, no dia 19 de agosto, que vão instalar um sistema de controle biométrico nos supermercados públicos e privados, para controlar compras recorrentes do mesmo produto pelo mesmo cliente e combater o contrabando.

Junho: Grupo faz greve de fome pela libertação de estudantes na Venezuela

O sistema biométrico deverá estar em funcionamento até o fim de novembro e consiste na atribuição de um cartão com os dados do cliente, que estará associado às suas impressões digitais e à base de dados de cidadãos do Conselho Nacional Eleitoral (CNE). A instalação do sistema ocorre no momento em que os venezuelanos se queixam de dificuldades para conseguir muitos produtos.

De acordo com o governo, 40% dos produtos básicos, cujo preço máximo está regulado pelo Estado, são contrabandeados para a vizinha Colômbia, onde os valores são até dez vezes maiores que na Venezuela.

Além de alimentos básicos, outros produtos são levados de maneira ilegal para a Colômbia, entre eles milhares de litros de combustível.

Crimes: ONG pede à Unasul para atuar em caso de abusos na Venezuela

Em 11 de agosto, a Venezuela enviou pelo menos 17 mil militares para a fronteira com a Colômbia, como uma das medidas para combater o contrabando de bens essenciais e de combustível que gera prejuízos para os dois países. Os militares foram enviados horas antes de a Venezuela fechar, pela primeira vez, a fronteira do estado de Táchira com a Colômbia.

A Venezuela proibiu o trânsito, no território nacional, de alimentos, bens de higiene pessoal, medicamentos, materiais para a construção civil e produtos acabados, com fins de exportação.

*Com Reuters e Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.