Steven J. Sotloff, 31, foi morto por radicais do Estado Islâmico duas semanas depois de ter sua vida ameaçada em vídeo

Exatamente duas semanas depois da divulgação do chocante vídeo em que mostrou a decapitação do jornalista norte-americano James Foley, o grupo militante Estado Islâmico divulgou novas imagens em que revelam a suposta morte de outro profissional da área, nesta terça-feira (2).

Steven Sotloff no vídeo em que foi ameaçado de morte por rebelde do EI, duas semanas atrás
Reuters
Steven Sotloff no vídeo em que foi ameaçado de morte por rebelde do EI, duas semanas atrás

O jornalista morto é Steven Joel Sotloff, 31 anos, o mesmo que apareceu no vídeo anterior sendo ameaçado por um rebelde, segundo o qual a vida do profissional estava nas mãos do presidente dos EUA, Barack Obama.

Leia mais:
Mãe de jornalista sequestrado suplica a líder rebelde para libertar seu filho

Assim como no vídeo em que Sotloff foi ameaçado após a decapitação de Foley, nas novas imagens outro homem, identificado pelo grupo como David Haines, sofreu ameaças do rebelde, que alertou aos governos para recuarem da "aliança demoníaca da América contra o Estado Islâmico".

Nascido na cidade litorânea de Miami, na Flórida, Sotloff foi sequestrado por militantes islâmicos em Aleppo, na Síria, em agosto de 2013, quando trabalhava como jornalista free-lancer na região. Ele prestou serviços como correspondente internacional para grandes veículos norte-americanos, como a revista Time.

James Foley em momento que antecedeu sua decapitação, divulgada no dia 19 de agosto
Reuters
James Foley em momento que antecedeu sua decapitação, divulgada no dia 19 de agosto

Na semana passada, Shirley Sotloff, mãe do jornalista, divulgou um vídeo emocionado no qual suplicava ao líder dos rebeldes, Abu Bakr al Baghdadi al-Quraishi al Hussaini, para libertar Steven para que ele pudesse voltar para casa. Nas imagens, ela chamou o militante de califa do Estado Islâmico, termo pelo qual foi criticada já que usá-lo implicou reconhecê-lo como chefe supremo do califado proclamado pelos rebeldes em partes do território sírio e iraquiano.

Leia também:
Radicais islâmicos dizem ter decapitado jornalista americano e fazem ameaças
Sequestrado duas vezes, jornalista decapitado tinha 'atração pelo conflito'

"Não vemos o Steven há mais de um ano e sentimos muito a sua falta. Queremos vê-lo a salvo, em casa. Como mãe, peço a você para não puni-lo por assuntos que ele não tem controle. Peço a você para usar sua autoridade para poupar a vida dele, seguindo os ensinamentos do profeta Maomé preconizados no 'grande livro' [Alcorão]. Quero aquilo que toda mãe deseja: ver os filhos dos meus filhos crescendo. Imploro para que não me tire isso", disse ela na ocasião. 

Além da Síria, Sotloff trabalhou em outros países da região, como Egito, Turquia, Líbia, e Bahrein. 

*Com agências de notícias

    Leia tudo sobre: estado islâmico
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.