Família de jornalista americano decapitado por grupo sunita diz estar de luto

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Porta-voz diz que parentes de Steven Sotloff estão cientes do suposto vídeo que mostra nova decapitação do Estado Islâmico

Um porta-voz da família diz que parentes do jornalista freelancer Steven Sotloff estão cientes do suposto vídeo que mostra sua decapitação por militantes Estado islâmico.

Mais cedo: Rebeldes islâmicos dizem ter decapitado mais um jornalista americano

AP
Imagem feita a partir de vídeo postado na internet pelo Estado Islâmico mostram jornalista americano Steven J. Sotloff antes de ser decapitado


Leia: Mãe de jornalista sequestrado suplica a líder rebelde para libertar seu filho

Em um comunicado de duas frases emitido nesta terça-feira (2), porta-voz da família Stloff, Barak Barfi, afirma "sabe desta tragédia horrível e está de luto."

A família não foi informada sobre a autenticidade do vídeo, e Barfi disse que os parentes não pretendem fazer quaisquer comentários adicionais no momento sobre o conteúdo.

Mais cedo, o Departamento de Estado disse que as autoridades de inteligência dos EUA ainda estavam tentando determinar se o vídeo era genuíno. Sotloff estava sob o poder do Estado Islâmico desde o ano passado. O novo ataque aconteceu exatamente duas semanas depois da divulgação do chocante vídeo em que mostra a decapitação do jornalista americano James Foley. 

Sotloff, 31, que trabalhava como freelancer para as revistas Time e Política Externa, desapareceu na Síria em agosto de 2013 e não foi visto novamente até aparecer em um vídeo divulgado online no mês passado, quando mostrou a decapitação de Foley. Vestido com um macacão laranja e tendo como pano de fundo uma paisagem árida síria, Sotloff foi ameaçado nas imagens anteriores, a menos que os EUA parassem com os ataques aéreos sobre o grupo no Iraque.

Hoje: Anistia Internacional acusa Estado Islâmico de limpeza étnica

No vídeo distribuído nesta terça e intitulado "Uma segunda mensagem para a América", Sotloff aparece com um macacão semelhante antes de ser decapitado por um militante do Estado islâmico, o grupo extremista que reivindicou largas faixas de território em toda a Síria e Iraque e declarou califado na região.

Em Washington, o porta-voz do Departamento de Estado, Jen Psaki, disse que a análise de inteligência dos EUA irá "trabalhar o mais rápido possível" para determinar se o vídeo da decapitação é autêntico.

Membros do Exército feminino treinam habilidades de combate antes de combaterem o Estado Islâmico em acampamento militar no Iraque (18/09). Foto: ReutersMilitar curdo lança morteiros em direção Zummar, controlada pelo Estado Islâmico, em Mosul, Iraque (15/09). Foto: ReutersMilitantes do Estado Islâmico levam soldados iraquianos capturados depois de assumir base em Tikrit, Iraque (junho/2014). Foto: APObama prometeu ofensiva com ataques aéreos na Síria e no Iraque para combater EI (12/09). Foto: ReutersMilitares curdos em tanque enfrentam militantes do Estado islâmico em Mosul, Iraque (7/09). Foto: ReutersMilitante curdo dá cobertura durante confrontos do Estado Islâmico na linha de frente da vila de Buyuk Yeniga, Iraque (4/09). Foto: ReutersMilicianos xiitas do Iraque disparam suas armas enquanto celebram a quebra de cerco do Estado Islâmico em Amerli (1/09). Foto: ReutersGrupo carrega caixão de militante xiita iraquiano da Organização Badr, que foi morto em confrontos com militantes do Estado Islâmico no Iraque (1/09). Foto: ReutersCriança chora em helicóptero militar após ser retirada pelas forças iraquianas de Amerli, ao norte de Bagdá (29/08). Foto: ReutersCurdos e militantes islâmicos lutam no norte do Iraque (12/08). Foto: ReutersIraquianos carregam retratos do primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki enquanto se reúnem em apoio a ele em Bagdá, Iraque (11/08). Foto: ReutersMilhares de iraquianos fugiram com avanço de militantes do EI, inclusive integrantes de minorias religiosas (9/08). Foto: APTropas curdas implantam segurança intensa contra os militantes islâmicos do Estado em Khazer (8/08). Foto: ReutersTropas curdas patrulham em um tanque durante operação contra militantes do Estado Islâmico em Makhmur, nos arredores da província de Nínive, Iraque (7/08). Foto: ReutersParentes choram a morte de homem da YPG, morto durante confrontos com combatentes do Estado Islâmico na cidade iraquiana de  Rabia, na fronteira do Iraque-Síria (6/08). Foto: ReutersVoluntários xiitas do Exército iraquiano se recuperam em hospital após serem feridos em confrontos com militantes do Estado Islâmico em Basra, sudeste de Bagdá (6/08). Foto: ReutersMulher visita túmulo de um parente em cemitério durante as celebrações do Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, em Bagdá (28/07). Foto: ReutersSoldado iraquiano perto de corpo de um membro do Estado Islâmico que morreu durante confrontos com forças iraquianas em Tikrit, Iraque (19/07). Foto: ReutersBandeira preta usada pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante flamula de delegacia danificada em Mosul, norte do Iraque (1/7). Foto: APVoluntário xiita do Conselho Supremo Islâmico Iraquiano aponta arma durante treinamento em Najaf, Iraque (26/6). Foto: ReutersMembros das forças de segurança iraquianas tomam suas posições durante reforço de segurança no oeste de Bagdá, Iraque (24/6). Foto: ReutersXiitas iraquianos se preparam para patrulhar a aldeia de Taza Khormato, na rica província petrolífera de Kirkuk, no Iraque (22/6). Foto: APCombatentes xiitas levantam suas armas e entoam palavras de ordem após autoridades pedirem ajuda para conter os insurgentes em Sadr, em Bagdá, Iraque (17/06). Foto: APManifestantes gritam em favor do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em frente do governo provincial de Mosul (16/4). Foto: APCombatentes tribais xiitas mostram suas armas enquanto tomam parte de Dujail, ao norte de Bagdá, Iraque (16/06). Foto: ReutersCombatentes tribais xiitas levantam suas armas e gritam palavras de ordem contra sunita Exército Islâmico em Basra, Iraque (16/6). Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL mirando contra soldados à paisana depois de tomar base in Tikrit, Iraque. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque
. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque. Foto: APCombatentes iraquianos xiitas seguram suas armas enquanto gritam palavras de ordem contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante em Cidade Sadr, Bagdá (13/6). Foto: APVoluntários esperam para se juntar ao Exército e combater militantes predominantemente sunitas em Bagdá, Iraque (13/6). Foto: ReutersPresidente dos EUA, Barack Obama, fala sobre a situação no Iraque em pronunciamento na Casa Branca, em Washington (13/6). Foto: APImagem postada em Twitter militante mostra membro do Estado Islâmico do Iraque e do Levante com sua bandeira em base militar na Província de Ninevah, Iraque (12/6). Foto: APImagem publicada por militantes no Twitter mostra combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em local na fronteira entre o Iraque e a Síria (12/6). Foto: APMuitas famílias começaram a deixar Mosul depois de ocupação por insurgentes sunitas (13/6). Foto: ReutersForças de segurança curda se posicionam do lado de fora da cidade petrolífera de Kirkuk após abandono de tropas iraquianas (12/6). Foto: APVeículos queimados pertencentes às forças de segurança iraquianas são vistos em posto de controle no leste de Mosul (11/6). Foto: ReutersPolicial federal do Iraque monta aguarda enquanto colega faz buscas em carro em posto de controle de Bagdá, Iraque (11/6). Foto: APFamílias que fogem da violência na cidade de Mosul esperam em posto de controle nos arredores de Irbil, região do Curdistão iraquiano (10/6). Foto: ReutersRefugiados que deixam Mosul se dirigem à região autônoma curda em Irbil, Iraque, a 350 km a norte de Bagdá (10/6). Foto: APMilitares se preparam para assumir suas posições durante confrontos com militantes no norte da cidade de Mosul, Iraque (9/06). Foto: AP

Iraque: Parentes de soldados sequestrados por grupo sunita invadem Parlamento

"Se o vídeo for verdadeiro, estamos enojados por este ato brutal de tirar a vida de outro cidadão americano inocente", disse Psaki. "Nossos corações estão com a família de Sotloff e iremos fornecer mais informações assim que elas estiverem disponíveis."

Psaki diz acreditar que "alguns" americanos ainda estejam sob poder do Estado islâmico, mas não diria nada específico no momento.

O militante que decapita Sotloff no vídeo chamou o ato de retribuição por contínuos ataques aéreos de Obama contra o grupo no Iraque. No vídeo, os extremistas ainda advertem o presidente Barack Obama que, enquanto os ataques aéreos dos EUA contra o grupo continuarem, "nossa faca continuará a atingir o pescoço de seu povo."

Análise: Erros levaram países a indiretamente financiar Estado Islâmico

"Estou de volta, Obama, e eu estou de volta por causa de sua política externa arrogante com o Estado islâmico, apesar de nossas advertências", disse ele. "Assim como os mísseis continuam a atacar o nosso povo, a nossa faca continuará a atacar o pescoço de seu povo."

No final do vídeo, ele ameaçou matar um terceiro cativo, o britânico David Cawthorne Haines. Não ficou imediatamente claro quem era Haines. Funcionários do Ministério das Relações Exteriores britânico se recusou a comentar a ameaça.

A mãe de Sotloff tinha pedido sua libertação na semana passada em um vídeo dirigido ao grupo Estado Islâmico.

Ação: Obama notifica Congresso sobre ordem para ataques aéreos no Iraque

"Não vemos o Steven há mais de um ano e sentimos muito a sua falta. Queremos vê-lo a salvo, em casa. Como mãe, peço a você para não puni-lo por assuntos que ele não tem controle. Peço a você para usar sua autoridade para poupar a vida dele, seguindo os ensinamentos do profeta Maomé preconizados no 'grande livro' [Alcorão]. Quero aquilo que toda mãe deseja: ver os filhos dos meus filhos crescendo. Imploro para que não me tire isso", disse ela na ocasião, segundo o The New York Times.

O grupo Estado Islâmico tem aterrorizado rivais e civis com sua brutalidade amplamente divulgada enquanto visa expandir suas ocupações. Eles têm frequentemente publicado fotos e vídeos horríveis de bombardeios e decapitações para assassinatos em massa.

*Com AP, Reuters e CNN

Leia tudo sobre: eiileiil no iraqueiraquejornalista americanoeuaobamastloffbarfisiria

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas