Chegada de presos vindos de Guantánamo atrasará em até três meses, diz Uruguai

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Em princípio, estava previsto que presos suspeitos de vínculos terroristas chegariam ao país sul-americano no fim de agosto

Reuters

A chegada ao Uruguai de seis detidos da Baía de Guantánamo, que o governo do presidente José Mujica aceitou receber como medida de apoio ao fechamento da prisão em Cuba, foi adiada para novembro ou dezembro, disse uma autoridade.

Março: Após pedido dos EUA, Uruguai aceita receber presos de Guantánamo

AP
Refugiados cubanos anotam seus nomes para entrar na lista de detidos da Base Naval de Guantánamo, em Cuba (1994)


2013: Obama promete novo impulso para fechar Guantánamo

Em princípio, estava previsto que os detidos por suspeitas de vínculos terroristas chegariam ao país sul-americano no fim de agosto, mas tudo indica que será depois das eleições presidenciais de outubro.

Mujica aceitou meses atrás um pedido do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para receber os prisioneiros da base militar norte-americano na ilha.

"Não acredito que o processo termine antes dos próximos dois ou três meses", confirmou à Reuters o secretário da Presidência Diego Cánepa.

Segundo pesquisa divulgada no final de julho, 64 por cento da opinião pública rejeita a chegada dos prisioneiros e que se dê a liberdade no Uruguai, embora os Estados Unidos garantam que eles não representam uma ameaça.

Injustiça: Ex-prisioneiro de Guantánamo recomeça sua vida com raiva silenciosa

A embaixadora dos EUA no Uruguai, Julissa Reynoso, disse à mídia local que para seu governo não há inconveniente no atraso, mas que serial ideal que a chegada se concretizasse antes de março, quando acaba o mandato de Mujica.

Leia tudo sobre: guantanamouruguaimujicacanepaeuareynoso

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas