Anistia Internacional acusa Estado Islâmico de limpeza étnica

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Os principais alvos são cristãos assírios, xiitas turcomanos, xiitas shabak, yazidis, kakais e sabean mandaeans

Agência Brasil

A Anistia Internacional acusou hoje (2) o grupo Estado Islâmico de executar uma campanha de limpeza étnica no Norte do Iraque. Em um documento apresentado hoje, chamado Limpeza Étnica a uma Escala Histórica: Os Ataques Sistemáticos do Estado Islâmico Contra Minorias no Norte do Iraque, a Anistia Internacional apresentou uma série de testemunhos dramáticos de sobreviventes dos massacres, acusando o grupo extremista de crimes de guerra contra minorias étnicas e religiosas, com execuções sumárias e sequestros.

Erros levaram países a indiretamente financiar Estado Islâmico, diz analista

De acordo com a Anistia internacional, os principais alvos dos ataques são cristãos assírios, xiitas turcomanos, xiitas shabak, yazidis, kakais e sabean mandaeans. Além deles, árabes e muçulmanos sunitas contrários ou que não manifestam apoio ao Estado Islâmico também são alvos de ataques.

Membros do Exército feminino treinam habilidades de combate antes de combaterem o Estado Islâmico em acampamento militar no Iraque (18/09). Foto: ReutersMilitar curdo lança morteiros em direção Zummar, controlada pelo Estado Islâmico, em Mosul, Iraque (15/09). Foto: ReutersMilitantes do Estado Islâmico levam soldados iraquianos capturados depois de assumir base em Tikrit, Iraque (junho/2014). Foto: APObama prometeu ofensiva com ataques aéreos na Síria e no Iraque para combater EI (12/09). Foto: ReutersMilitares curdos em tanque enfrentam militantes do Estado islâmico em Mosul, Iraque (7/09). Foto: ReutersMilitante curdo dá cobertura durante confrontos do Estado Islâmico na linha de frente da vila de Buyuk Yeniga, Iraque (4/09). Foto: ReutersMilicianos xiitas do Iraque disparam suas armas enquanto celebram a quebra de cerco do Estado Islâmico em Amerli (1/09). Foto: ReutersGrupo carrega caixão de militante xiita iraquiano da Organização Badr, que foi morto em confrontos com militantes do Estado Islâmico no Iraque (1/09). Foto: ReutersCriança chora em helicóptero militar após ser retirada pelas forças iraquianas de Amerli, ao norte de Bagdá (29/08). Foto: ReutersCurdos e militantes islâmicos lutam no norte do Iraque (12/08). Foto: ReutersIraquianos carregam retratos do primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki enquanto se reúnem em apoio a ele em Bagdá, Iraque (11/08). Foto: ReutersMilhares de iraquianos fugiram com avanço de militantes do EI, inclusive integrantes de minorias religiosas (9/08). Foto: APTropas curdas implantam segurança intensa contra os militantes islâmicos do Estado em Khazer (8/08). Foto: ReutersTropas curdas patrulham em um tanque durante operação contra militantes do Estado Islâmico em Makhmur, nos arredores da província de Nínive, Iraque (7/08). Foto: ReutersParentes choram a morte de homem da YPG, morto durante confrontos com combatentes do Estado Islâmico na cidade iraquiana de  Rabia, na fronteira do Iraque-Síria (6/08). Foto: ReutersVoluntários xiitas do Exército iraquiano se recuperam em hospital após serem feridos em confrontos com militantes do Estado Islâmico em Basra, sudeste de Bagdá (6/08). Foto: ReutersMulher visita túmulo de um parente em cemitério durante as celebrações do Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, em Bagdá (28/07). Foto: ReutersSoldado iraquiano perto de corpo de um membro do Estado Islâmico que morreu durante confrontos com forças iraquianas em Tikrit, Iraque (19/07). Foto: ReutersBandeira preta usada pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante flamula de delegacia danificada em Mosul, norte do Iraque (1/7). Foto: APVoluntário xiita do Conselho Supremo Islâmico Iraquiano aponta arma durante treinamento em Najaf, Iraque (26/6). Foto: ReutersMembros das forças de segurança iraquianas tomam suas posições durante reforço de segurança no oeste de Bagdá, Iraque (24/6). Foto: ReutersXiitas iraquianos se preparam para patrulhar a aldeia de Taza Khormato, na rica província petrolífera de Kirkuk, no Iraque (22/6). Foto: APCombatentes xiitas levantam suas armas e entoam palavras de ordem após autoridades pedirem ajuda para conter os insurgentes em Sadr, em Bagdá, Iraque (17/06). Foto: APManifestantes gritam em favor do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em frente do governo provincial de Mosul (16/4). Foto: APCombatentes tribais xiitas mostram suas armas enquanto tomam parte de Dujail, ao norte de Bagdá, Iraque (16/06). Foto: ReutersCombatentes tribais xiitas levantam suas armas e gritam palavras de ordem contra sunita Exército Islâmico em Basra, Iraque (16/6). Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL mirando contra soldados à paisana depois de tomar base in Tikrit, Iraque. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque
. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque. Foto: APCombatentes iraquianos xiitas seguram suas armas enquanto gritam palavras de ordem contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante em Cidade Sadr, Bagdá (13/6). Foto: APVoluntários esperam para se juntar ao Exército e combater militantes predominantemente sunitas em Bagdá, Iraque (13/6). Foto: ReutersPresidente dos EUA, Barack Obama, fala sobre a situação no Iraque em pronunciamento na Casa Branca, em Washington (13/6). Foto: APImagem postada em Twitter militante mostra membro do Estado Islâmico do Iraque e do Levante com sua bandeira em base militar na Província de Ninevah, Iraque (12/6). Foto: APImagem publicada por militantes no Twitter mostra combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em local na fronteira entre o Iraque e a Síria (12/6). Foto: APMuitas famílias começaram a deixar Mosul depois de ocupação por insurgentes sunitas (13/6). Foto: ReutersForças de segurança curda se posicionam do lado de fora da cidade petrolífera de Kirkuk após abandono de tropas iraquianas (12/6). Foto: APVeículos queimados pertencentes às forças de segurança iraquianas são vistos em posto de controle no leste de Mosul (11/6). Foto: ReutersPolicial federal do Iraque monta aguarda enquanto colega faz buscas em carro em posto de controle de Bagdá, Iraque (11/6). Foto: APFamílias que fogem da violência na cidade de Mosul esperam em posto de controle nos arredores de Irbil, região do Curdistão iraquiano (10/6). Foto: ReutersRefugiados que deixam Mosul se dirigem à região autônoma curda em Irbil, Iraque, a 350 km a norte de Bagdá (10/6). Foto: APMilitares se preparam para assumir suas posições durante confrontos com militantes no norte da cidade de Mosul, Iraque (9/06). Foto: AP

Entre os casos, sobreviventes relataram que dezenas de homens e jovens da região montanhosa de Sinjar foram colocados em carrocerias de camionetes, levados para os arredores de suas aldeias e mortos, em grupo ou individualmente. Segundo as informações obtidas pela Anistia Internacional, centenas de homens, mulheres e crianças da minoria yazidi, um dos mais antigos grupos étnicos curdos, que segue uma religião pré-islâmica, foram sequestrados desde o início da ocupação do Norte do Iraque pelo Estado Islâmico.

Leia mais:
EUA preparam opções militares para pressionar Estado Islâmico na Síria
Mulheres de minoria ameaçada são vendidas a US$1 mil na Síria

“As matanças e os sequestros realizados pelo Estado Islâmico oferecem novos e lamentáveis dados que indicam que uma onda de limpeza étnica contra as minorias está assolando o Norte do Iraque”, afirmou a assessora especial sobre resposta às crises da Anistia Internacional, Donatella Rovera, que está atualmente no Norte do Iraque. “O Estado Islâmico está realizando crimes desprezíveis e transformou zonas rurais de Sinjar em campos de morte empapados de sangue, como parte de sua brutal campanha para eliminar todo o rastro da população árabe e muçulmana não sunita”, completou.

A Anistia Internacional informou que os ataques mais sangrentos foram realizados nos dias 3 e 15 de agosto, quando as aldeias de Qiniyeh e Kocho, respectivamente, foram alvos de mísseis dos combatentes extremistas que causaram a morte de centenas de pessoas. Além disso, o Estado Islâmico capturou os homens e jovens dessas aldeias, incluindo crianças de 12 anos de idade, e os executou nos arredores do local. Algumas testemunhas que deram depoimento à Anistia Internacional integravam os grupos levados para fuzilamento, mas sobreviveram aos tiros até receberem ajuda e deixarem o local.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas