Obama tem que notificar o Congresso sobre a autorização para os ataques; forças de segurança quebraram cerco no domingo

Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, notificou o congresso sobre os ataques aéreos no Iraque para ajudar na entrega de ajuda humanitária à cidade xiita sitiada de Amerli na última semana, informou a Casa Branca em comunicado nesta segunda-feira (1).

Hoje: Premiê do Reino Unido anuncia medidas para conter possíveis ataques terroristas

Grupo carrega caixão de militante xiita iraquiano da Organização Badr, que foi morto em confrontos com militantes do Estado Islâmico no Iraque
Reuters
Grupo carrega caixão de militante xiita iraquiano da Organização Badr, que foi morto em confrontos com militantes do Estado Islâmico no Iraque


Sexta: Grã-Bretanha eleva nível de ameaça terrorista por causa da Síria e Iraque

Forças de segurança do Iraque apoiadas por milícias xiitas quebraram no domingo o cerco de dois meses a Amerli imposto por militantes do Estado Islâmico e entraram na cidade, depois que militares norte-americano realizaram ataques aéreos em posições do Estado Islâmico perto da cidade e lançaram ajuda humanitária para os moradores.

Obama tem que notificar o Congresso sobre a autorização para os ataques.

"Essa operação é consistente com as missões militares que determinamos até o momento no Iraque, proteger pessoal e instalações dos EUA e enfrentar a situação humanitária no terreno", disse a porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Caitlin Hayden, em comunicado.

ONU:  Forças do governo também são culpadas por atrocidades no Iraque

ONU

O Conselho de Direitos Humanos da ONU condenou nesta segunda violações cometidas por forças do Estado Islâmico no Iraque, que podem ser classificados como crimes de guerra, e concordou em mandar uma missão para investigá-los.

O conselho adotou uma resolução apresentada por França e Iraque sem votação, mas a delegação da África do Sul disse que se desassociou do texto por falta de equilíbrio.

Vítimas: Violência no Iraque deixou ao menos 1.420 mortos somente em agosto

"Nós estamos enfrentando um monstro terrorista", disse o ministro de direitos humanos do Iraque, Mohammed Shia' Al Sudani, numa sessão de emergência em Genebra.

"As ações do Isis (antiga sigla em inglês do Estado Islâmico) ameaçam não apenas o Iraque, mas toda a região e o mundo", acrescentou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.