Ataque com faca deixa três crianças mortas em escola primária da China

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Outras seis pessoas, incluindo professores, ficaram feridas após ação. Homem usou faca de cortar frutas e se matou após crime

Um homem de 40 anos matou três alunos e feriu outras seis pessoas, incluindo professores, com uma faca de cortar frutas em uma escola primária no centro da China nesta segunda-feira (1), disseram autoridades.

Maio: Ataque a facadas em estação de trens deixa seis feridos na China

Reprodução/Twitter CCTV
Homem pula de prédio depois de matar três crianças em escola da província de Hubei, China


O ataque, no primeiro dia de aula depois das férias de verão, feriu mais cinco crianças e um professor em Dongfang, escola primária do condado de Yunxi, localizado na província de Hubei, de acordo com a imprensa estatal.

Dois estudantes foram hospitalizados com ferimentos graves, disse Deng Yunshan, um funcionário do governo em Chengguan, município onde a escola está localizada. Depois dos crimes, o suspeito pulou de uma janela do quarto andar do prédio e morreu, disse Deng.

O suspeito era o pai de um estudante e ele atacou as crianças porque a escola não deixou sua filha se matricular para o novo período escolar por não ter terminado a lição de casa de verão, informou a TV estatal CCTV em seu microblog. Ele entrou na escola dizendo que tinha que matricular a filha, segundo a CCTV, que citou a investigação inicial da polícia.

Abril: Ataque em estação de trem de Xinjiang deixa três mortos, diz governo chinês

Crimes violentos são raros na China se comparados a muitos outros países, mas o país tem registrado uma série de ataques a escolas e crianças nos últimos anos.

Esses episódios têm levado a pedidos de mudanças para se melhorar a segurança nas escolas em um país onde boa parte dos casais tem apenas um filho. O agressor, nesta segunda-feira, feriu um professor e oito crianças, três das quais morreram a caminho do hospital, disse a CCTV.

Um representante do governo em Shiyan, contatado por telefone, não quis comentar sobre o ataque.

*Com Reuters e AP

Leia tudo sobre: MUNDOCHINACRIANASESFAQUEADAS

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas