Espanhóis pedem renúncia de prefeito por comentário sobre estupro

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Prefeito disse ter receio de ficar sozinho com uma mulher e depois ela acusá-lo de ter tentado estuprá-la; protesto ocorreu em meio a série de polêmicas envolvendo este crime no país

BBC

Mais de 500 pessoas protestaram em frente à Prefeitura de Valladolid, no noroeste da Espanha, depois que o prefeito, León de la Riva, fez um comentário sobre estupro em uma entrevista no rádio.

Reprodução
Comentário sobre estupro do prefeito de Valladolid foi repudiado por muitos espanhóis

Os manifestantes formaram uma corrente de sutiãs e pediram a renúncia de La Riva, que tem um histórico de fazer comentários sexistas.

O prefeito havia dito que tinha receio de ficar sozinho com uma mulher e depois ela acusá-lo de ter tentado estuprá-la.

"Imagine se você entra num elevador, e tem uma garota que dá em cima de você. Ela entra no elevador, tira o sutiã e a saia e depois sai gritando que você tentou estuprá-la", ele disse.

Seu comentário causou revolta e logo estava entre os assuntos mais comentados no Twitter espanhol com a hashtag #EscracheDeSujetadores (protesto do sutiã, numa tradução livre).

O termo foi criado por Ada Colau, uma conhecida ativista social de Barcelona, que não havia pensado em desencadear um protesto quando a usou pela primeira vez.

"Foi uma boa forma de resumir a indignação de mulheres e homens decentes deste país, mas também uma forma de mostrar a machistas como o prefeito que eles não tirarão nossa dignidade nem nosso senso de humor", disse Colau à BBC.

Polêmicas

A entrevista do prefeito espanhol ocorreu em meio a uma série de polêmicas envolvendo o crime de estupro na Espanha, que também geraram uma forte reação na internet.

Na semana passada, um juiz espanhol desconsiderou um caso de estupro envolvendo cinco jovens na cidade de em Málaga, no sul do país, o que gerou protestos nas ruas e na internet, junto com a hashtag #NoEstásSola (você não está sozinha, numa tradução livre).

A reação não se deu apenas pelo caso em si, mas por comentários feitos por autoridades espanholas.

O prefeito de Málaga pediu aos moradores para não alardarem o caso, porque mais de 1 mil casos de estupro são registrados todos os anos na Espanha e que, por isso, Málaga não deveria ganhar fama como um lugar perigoso.

Algumas semanas antes, o governo espanhol divulgou um guia para reduzir o número de estupros no país.

O guia recomenda que as cortinas de casa sejam mantidas fechadas e que os primeiros nomes dos moradores sejam removidos das caixas de correio.

Muitos ficaram chocados com a abordagem e disseram que as recomendações atribuíam a responsabilidade do estupro às vítimas, em vez de se concentrar nos criminosos.

Leia tudo sobre: espanhaestupro

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas