Obama culpa Rússia por violência na Ucrânia

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Para o presidente americano, o conflito não é resultado de um levante originado localmente, mas do envolvimento de Moscou

BBC

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, acusou a Rússia de ser responsável pela violência no leste da Ucrânia.

Ontem: Situação é 'difícil, mas controlável', diz presidente da Ucrânia sobre crise

APF
Presidente dos Estados Unidos descartou resposta militar ao conflito na Ucrânia

Mais cedo: Mais de 1 mil militares russos estão na Ucrânia, confirma Otan

Obama afirmou que o conflito não era resultado de um levante "originado localmente", mas de "um envolvimento profundo" do governo russo. Ele afirmou que imagens de satélite recentes mostrando forças russas dentro da Ucrânia deixaram o papel de Moscou "à mostra para o mundo ver".

A Rússia nega as acusações da Otan de que mais de 1 mil militares russos estão lutando junto a separatistas no leste ucraniano. Segundo Moscou, a Ucrânia está atacando o seu próprio povo.

A Otan deve realizar um encontro de emergência nesta sexta-feira para discutir os novos desdobramentos do confronto. A reunião vai ocorrer após outro encontro de emergência, realizado nesta quinta-feira, pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas em Nova York.

Invasão: Forças russas atravessam fronteira e presidente da Ucrânia convoca reunião

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Quarta: Mais soldados russos entram em cidade ucraniana, segundo militares de Kiev

Há poucos dias, separatistas pró-Rússia abriram um novo front no conflito, tomando o controle da cidade litorânea de Novoazovsk, no sudeste da Ucrânia.

A ofensiva levantou temores de que o Krelim esteja querendo criar um corredor entre a Rússia e a península da Crimeia – território anexado pela Rússia da Ucrânia após um referendo em março deste ano.

"Não há dúvida de que isso [a crise] não é um levante local originado no leste da Ucrânia", afirmou Obama em entrevista coletiva a jornalistas.

Rússia: Invasão de soldados russos no leste da Ucrânia foi um acidente

"A Rússia é responsável pela violência no leste da Ucrânia. A violência é encorajada pela Rússia. Os separatistas são treinados pela Rússia, são armados pela Rússia e financiados pela Rússia. A Rússia vem deliberada e violentamente violando a soberania e a integridade territorial da Ucrânia e as novas imagens das forças russas dentro da Ucrânia deixam isso à mostra para o mundo ver", acrescentou o presidente americano.

No entanto, Obama descartou novamente uma resposta militar dos Estados Unidos. Ele afirmou que a Rússia poderia sofrer "mais perdas e consequências" de suas ações na Ucrânia. Ele deve discutir a crise com líderes europeus em uma cúpula da OTAN no Reino Unido na próxima semana.

Leia tudo sobre: russia na ucraniaucraniarussiaeuaobamaputinonu

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas