Americano solto por militantes islâmicos agradece esforços dos EUA e do Catar

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Escritor Peter Theo Curtis foi libertado após 2 anos mantido em cativeiro pela Frente Nusra, o braço oficial da Al-Qaeda na Síria

Reuters

Um escritor norte-americano libertado esta semana após ser mantido refém por dois anos por insurgentes sírios agradeceu nesta quarta-feira (27) às pessoas que trabalharam por sua libertação, e disse que estava emocionado pela acolhida que recebeu em casa.

Dia 24: Sequestradores libertam americano desaparecido na Síria desde 2012

AP
Peter Theo Curtis sorri enquanto caminha em direção a jornalistas perto da casa de sua mãe em Cambridge, Inglaterra


Ontem: Americano suspeito de ser militante do Estado Islâmico é morto em confronto

Peter Theo Curtis, que estava sob captura da Frente Nusra, braço oficial da Al-Qaeda na Síria, disse que não tinha ideia enquanto estava detido de que centenas de pessoas ao redor do mundo estavam em campanha por sua soltura.

Em um comunicado por escrito divulgado à noite, Curtis também agradeceu a autoridades dos governos dos EUA e do Catar que trabalharam por sua libertação.

"Estou tomado pela emoção", disse Curtis, de 45 anos, a repórteres do lado de fora da casa de sua mãe, nesta quarta-feira de manhã.

Twitter: Foto de criança imitando decapitação de jornalista em boneco choca britânicos

Conheça os principais grupos terroristas do mundo

Boko Haram: radicais islâmicos têm atacado a Nigéria com atentados, assassinatos e sequestros para derrubar o governo e criar Estado islâmico. Foto: APBoko Haram: traduzido, nome que designa o grupo significa 'a educação ocidental é pecado'. Há temores de que estejam ligados a grupos como a Al-Qaeda. Foto: APFrente al-Nusra: a Frente de Suporte para o Povo da Síria, em tradução livre, é uma milícia islâmica criada em 2012 que atua na guerra síria. Foto: Reprodução/YoutubeFrente al-Nusra: a milícia, descrita pelos próprios rebeldes como bem estruturada, luta contra o presidente sírio, Bashar al-Assad. Foto: Wikimedia CommonsEstado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL): grupo jihadista visa a formar emirado islâmico  em territórios no Iraque e na Síria. Foto: APEstado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL): os militantes foram considerados verdadeiras ameaças regionais pelos EUA após tomarem Mosul. Foto: APAl-Shabab: grupo somali tem ligações com a Al-Qaeda e promove ataques contra o Quênia desde 2011 em resposta ao envio de tropas do país à Somália. Foto: APAl-Shabab: grupo, cujo nome significa 'A Juventude', apareceu como ala radical da extinta União das Cortes Islâmicas da Somália em 2006. Foto: ReutersEmirado do Cáucaso: os rebeldes reivindicam a criação de um Estado islâmico independente na região russa que inclui a Chechênia. Foto: Reprodução/YoutubeAl-Qaeda na Península Arábica: braço do grupo terrorista no Iêmen querem, entre outros objetivos, atacar ocidentais e derrubar a família real saudita, aliada dos EUA. Foto: Reprodução/YoutubeTaleban: grupo integra o movimento islâmico nacionalista no Paquistão e Afeganistão e visa a expulsar invasores dos EUA e da Otan. Foto: APAl-Qaeda no Magreb Islâmico: com essa nomenclatura desde 2007, grupo atua na Argélia e em parceria com terroristas de países vizinhos. Ocidentais são alvos. Foto: Reprodução/YoutubeAl-Qaeda: rede criada por Osama bin Laden nos anos 1980 objetiva acabar com a influência ocidental em países muçulmanos. Foto: Reprodução/Youtube

Curtis, que foi solto no domingo, disse que muitas pessoas desconhecidas se aproximaram dele para dar as boas-vindas de volta aos Estados Unidos.

"De repente eu me lembrei como o povo norte-americano é bom e a bondade que eles têm no coração. E a todas essas pessoas eu digo um grande 'obrigado' do meu coração, do fundo do meu coração", disse.

Ele se recusou a responder perguntas. "Eu vou responder, mas não posso fazer isso agora", disse Curtis, que junto com sua mãe, Nancy Curtis, ergueu uma bandeira dos Estados Unidos na casa antes de falar com os jornalistas.

Investigação: Britânicos estão perto de identificar homem que decapitou jornalista dos EUA

Curtis chegou aos Estados Unidos na terça-feira em um voo de Tel Aviv, e foi recebido pela mãe no Aeroporto Logan, em Boston.

A libertação dele aconteceu mediante os esforços para libertar outros reféns norte-americanos na Síria, enquanto os Estados Unidos consideram as opções possíveis, incluindo ataques aéreos, contra o grupo militante Estado Islâmico.

Curtis foi solto dias após o Estado Islâmico, rival da Frente Nusra, ter exibido um vídeo em que mostrava a execução do jornalista norte-americano James Foley e ameaçava matar outro refém, Steven Sotloff.

Leia tudo sobre: eiileiil no iraquesirialondresinglaterraeuacurtiscatarfrente nusraal qaeda

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas