Veja a evolução da vida dos deslocados em sete anos de conflito no Sudão

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Fotos contam histórias dos deslocados em campos da região de Darfur, que foram fotografados em 2007 e novamente em 2014

BBC

A região de Darfur, no oeste do Sudão, há anos vive um conflito que tem castigado a população. As imagens acima contam um pouco das histórias dos deslocados em campos da região, fotografados em 2007 e novamente em 2014.

Junho: Número de refugiados é o maior desde a Segunda Guerra Mundial, diz ONU

Hamisa se lembra de quando fugiu do seu vilarejo em 2003 'carregando um dos meus netos nas costas', durante um ataque. Foto: Paul Jeffrey e Annie BungerothMais de uma década depois do início do conflito explodir na região de Darfur, no oeste do Sudão, os mais de 2 milhões de deslocados internos têm poucas esperanças de voltar aos povoados. Foto: Paul Jeffrey e Annie Bungeroth Acima, uma artista trabalha com henna em uma cliente. Mulheres sudanesas gostam de pintar as mães e pés com henna para festas, especialmente casamentos. Foto: Paul Jeffrey e Annie BungerothMuitos refugiados dependem de doações para sobreviver. Igreja Norueguesa é uma das que ajudam. Foto: Paul Jeffrey e Annie BungerothLíderes comunitários (esq.) tentam manter autoridade nos campos, mas temem que a frustraçãotorne os jovens vulneráveis ao recrutamento por milícias. Foto: Paul Jeffrey e Annie BungerothUma iniciativa de paz de 2011 não conseguiu diminuir o confronto no país, que reflete as tensões históricas entre os árabes, que são nômades, e as comunidades de fazendeiros negros. Foto: Paul Jeffrey e Annie Bungeroth A luta entre forças do governo, rebeldes e milícias, além dos conflitos localizados, desencadearam uma onda de violência entre as etnias. Foto: Paul Jeffrey e Annie BungerothQuando Rawia fugiu do vilarejo onde morava, ela foi para um campo com o marido e filhos levando apenas recipiente para água e comida. Foto: Paul Jeffrey e Annie BungerothSete anos depois, além de ter se mudado, pouco mudou na vida de Haja. Foto: Paul Jeffrey e Annie BungerothHaja foi fotografada no acampamento de Hassa Hissa em 2007 com o mais novo de seus sete netos, Horan. Foto: Paul Jeffrey e Annie BungerothEm 2007, Yousif era solteiro e, ao chegar lá, aprendeu a fazer pães para se sustentar. Hoje é casado e tem três filhos. Foto: Paul Jeffrey e Annie BungerothAmina tem um filho de nove anos que nasceu no acampamento. Foto: Paul Jeffrey e Annie BungerothAmina, de verde no canto inferior direito da foto, se lembra da primeira vez que olhou para dentro do poço artesiano que tinha acabado de ser escavado. Foto: Paul Jeffrey e Annie BungerothExistem mais de 27 campos de deslocados na zona central de Darfur: de pequenos acampamentos, com milhares de moradores, até maiores. Foto: Paul Jeffrey e Annie BungerothOs moradores levam dois dias para fabricar mil tijolos de argila que serão vendidos por 40 libras sudanesas (cerca de R$15). Foto: Paul Jeffrey e Annie Bungeroth

ONU: Violência pode ter matado milhares no Sudão do Sul

Eles tiveram a chance de contar como suas vidas mudaram nos últimos sete anos. As imagens também mostram as tentativas de empreendedorismo nos acampamentos e como os moradores tentam ter uma vida o mais parecida possível com a normal, com esportes para os jovens e as tradicionais pinturas em henna para as mulheres.

Leia tudo sobre: refugiadossudaodarfursete anosconflitos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas