Rússia pretende enviar mais um comboio de ajuda humanitária ao leste ucraniano

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

'Queremos chegar a um acordo', disse o ministro das relações exteriores; primeria remessa foi enviada sem permissão oficial

Reuters

A Rússia quer mandar dentro em breve um segundo comboio de ajuda humanitária para o leste da Ucrânia, disse nesta segunda-feira (25) o ministro de Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, depois que o governo ucraniano e o Ocidente criticaram Moscou por mandar a primeira remessa sem permissão oficial.

Sábado: Caminhões de comboio russo não autorizado começam a sair da Ucrânia

Reuters
Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, durante coletiva de imprensa em Moscou


Sexta: Ucrânia acusa Rússia de invasão após comboio de ajuda humanitária entrar no país

"A situação humanitária não está melhorando, mas se deteriorando", afirmou Lavrov em coletiva de imprensa. "Nós queremos chegar a um acordo sobre todas as condições para a entrega de um segundo comboio pela mesma rota nos próximos dias."

Conflitos

As forças do governo ucraniano enfrentaram uma coluna de blindados de separatistas perto da cidade de Novoazovsk, no sudeste do país, situada a cerca de 10 quilômetros da fronteira russa, disseram militares ucranianos nesta segunda.

Guardas de fronteira detiveram o avanço da coluna a aproximadamente 5 quilômetros do nordeste da cidade, que fica na região do Mar de Azov, informaram os militares no Facebook.

Quinta: Comboio russo de ajuda humanitária atravessa posto de fronteira rumo à Ucrânia

A nova investida militar dos rebeldes, que um comandante de uma milícia pró-Kiev disse que poderia ter como objetivo capturar a cidade portuária de Mariupol, que está sob controle do governo, parece ter aberto uma nova frente no conflito de cinco meses no leste da Ucrânia. Até então os combates estavam concentrados no entorno das duas maiores cidades em mãos dos rebeldes, Donetsk e Lugansk, mais ao norte.

O comandante de uma unidade da guarda nacional ucraniana na área perto de Novoazovsk, onde houve relatos de confrontos, disse à Reuters por telefone: "Uma guerra irrompeu aqui." Ele afirmou que não poderia falar mais e encerrou a conversa.

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Dia 19: Ucrânia proíbe canais de TV da Rússia por "propaganda" de guerra

Semen Semenchenko, comandante da milícia Azov, pró-governo, publicou em sua página no Facebook que cerca de 50 veículos blindados tinham cruzado a fronteira, vindos da Rússia.

Cerca de 40 deles estavam tentando seguir na direção de Mariupol, enquanto os demais rumavam para Amvrosiyivka, ao norte, disse ele.

Reflexo da crise na Ucrânia

A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou que a crise na Ucrânia está afetando a Alemanha, maior economia da Europa, que sofreu uma surpreendente contração de 0,2% no segundo trimestre.

Markel afirmou que um inverno incomumente ameno, que antecipou a virada de primavera, teve influência na leitura fraca do período de abril a junho, mas acrescentou que a crise na Ucrânia também estava afetando o crescimento alemão.

Crise: Exército ucraniano e rebeldes se enfrentam perto da fronteira com a Rússia

"Existem, entretanto, algumas incertezas - não quero ocultar isso - toda a situação Ucrânia-Rússia mostra que nós claro temos um grande interesse em nossas relações internacionais serem construtivas novamente", disse ela na entrevista à imprensa conjunta com o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy.

"Mas eu todavia espero que nossa taxa de crescimento anual seja boa, se nada dramático acontecer."

O governo alemão projeta que a economia crescerá 1,8% neste ano.

Leia tudo sobre: russia na ucraniaucraniarussialavrovmerkelalemanha

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas