Edifícios de 12 e 7 andares são derrubados, sinalizando uma nova tática militar de Israel contra o grupo militante Hamas

Ataques israelenses derrubaram o prédio de sete andares de Zourab, que abrigava um escritório do Ministério do Interior do Hamas , e danificaram severamente um shopping center de dois andares na Faixa de Gaza na manhã deste domingo (24), sinalizando uma nova escalada nas sete semanas de confrontos com o grupo militante.

Sexta: Morteiro palestino mata criança israelense de 4 anos perto da fronteira com Gaza

Palestino observa o que restou de shopping centro após ataque aéreo de Israel em Rafah, sul da Faixa de Gaza
Reuters
Palestino observa o que restou de shopping centro após ataque aéreo de Israel em Rafah, sul da Faixa de Gaza

Retaliação: Hamas executa 18 supostos colaboradores de Israel na Faixa de Gaza

Os ataques foram lançados em Rafah, no sul do território, poucas horas depois de Israel ter bombardeado uma torre de apartamentos na Cidade de Gaza, fazendo desmoronar um prédio de 12 andares com 44 apartamentos. As ações deixaram cerca de 30 feridos, mas ninguém foi morto, disseram funcionários palestinos.

A ofensiva contra prédios altos, cujos primeiros foram derrubados neste fim de semana, parece fazer parte de uma nova tática militar de Israel. Durante o fim de semana, o Exército começou a alertar os residentes do território por meio de ligações automáticas de que teria como alvo construções abrigando "infraestrutura terrorista" e que eles deveriam se afastar.

Protesto: Sobreviventes do Holocausto assinam nota contra 'genocídio em Gaza'

Neste domingo, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, alertou os civis palestinos para que saiam imediatamente de qualquer local onde os militantes estejam operando. "Convoco os habitantes de Gaza para esvaziar imediatamente todos os locais a partir dos quais o Hamas está realizando atividade terrorista. Cada um desses lugares é um alvo para nós", disse Netanyahu em declarações públicas antes de uma reunião de gabinete.

Anunciando que os ataques continuarão depois do início do ano letivo em Israel, em 1º de setembro, Netanyahu afirmou que a campanha militar contra militantes de Gaza não tem data para terminar e seguirá até que os objetivos israelenses tenham sido atingidos.

No sábado, uma aeronave israelense disparou primeiro um foguete não explosivo no prédio de 12 andares, um sinal para os moradores saírem, antes de atacá-lo. Segundo a mídia israelense, o alvo da ação era um apartamento no quarto andar onde o Hamas tinha um centro de comando. Anteriormente, Israel lançou ataques precisos, atingindo prédios com mísseis, mas os deixando de pé. Entretanto, dessa vez foi tomada a decisão de derrubar toda a torre, de acordo com o Channel 10.

Autoridade do grupo:  Hamas sequestrou jovens israelenses

Sem fim à vista para o combate, a fala dura de Netanyahu poderia indicar uma mudança para ataques mais ousados em bairros densamente povoados, mesmo correndo o risco de criar mais alarme internacional.

Segundo a ONU, mais de 17 mil casas foram destruídas ou danificadas no conflito. Cerca de 500 mil pessoas foram deslocadas do território de 1,8 milhão de habitantes onde os palestinos, citando os ataques israelenses que atingiram escolas e mesquitas, dizem que nenhum lugar é seguro.

Israel afirmou que o Hamas é responsável pela morte de civis porque opera entre os não combatentes. O grupo, segundo Israel, usa escolas e mesquitas para armazenar armas e como locais para lançamento de ataques de foguetes.

Quinta: Ataque aéreo israelense mata três comandantes do Hamas em Gaza

Palestinos se reúnem em torre de apartamentos de Al-Zafer após ataque aéreo de Israel na Cidade de Gaza (24/8)
AP
Palestinos se reúnem em torre de apartamentos de Al-Zafer após ataque aéreo de Israel na Cidade de Gaza (24/8)

Funcionários de saúde palestinos dizem que 2.108 pessoas, sendo três quartos delas civis (incluindo quase 500 crianças), foram mortas na Faixa de Gaza desde 8 de julho, quando Israel lançou uma ofensiva com o objetivo declarado de acabar com disparos de foguetes palestinos em seu território. Israel perdeu 64 soldados e quatro civis.

Desde o início do conflito, Israel realizou cerca de 5 mil ataques aéreos, enquanto os militantes de Gaza lançou cerca de 4 mil foguetes e morteiros.

*Com AP, Reuters e BBC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.