Grupo extremista pediu US$ 132,5 milhões para libertar jornalista americano

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Estado Islâmico pediu o equivalente a 297 milhões de reais pela liberdade de James Foley, segundo o porta-voz do GlobalPost

Sequestradores do jornalista James Foley fixaram inicialmente o resgate do americano em 132,5 milhões dólares americanos, o equivalente a 297 milhões de reais, de acordo com o porta-voz do GlobalPost, Richard Byrne. Foley era freelancer do jornal.

Mais cedo: Inglaterra e EUA iniciam caçada internacional por assassino de jornalista

Reuters
Jornalista americano James Foley, à esq., chega com o repórter Clare Gillis (não retratado) após ser liberado pelo governo líbio, no hotel Rixos, em Tripoli (2011)


Obama: Estado Islâmico é câncer e EUA farão tudo para proteger seu povo

Anteriormente, Philip Balboni, presidente e executivo-chefe do GlobalPost, disse ao Wall Street Journal que os sequestradores fizeram exigências também à família de Foley, segundo informou a CNN.

Balboni se recusou a falar sobre a resposta do jornal quanto ao pedido do Estado Islâmico, dizendo que esse tipo de comunicado à imprensa deveria ser feito pelas autoridades governamentais competentes, noticiou o jornal nesta quinta-feira (21).

O grupo extremista islâmico, que controla grandes áreas da Síria e do Iraque, publicou um vídeo na terça mostrando a decapitação do jornalista. Foley, 40, era de New Hampshire, EUA.

Em seu discurso, militante que aparece no vídeo vincula o assassinato à intervenção dos EUA no Iraque contra o grupo terrorista. O algoz se refere a si mesmo como o Estado Islâmico. Ele diz que o destino de outro jornalista americano mostrado na filmagem, provavelmente Steven Sotloff, dependerá da próxima ação do presidente dos EUA, Barack Obama.

Tensão: 'Afogaremos todos vocês em sangue', diz Estado Islâmico aos EUA

Mas a ameaça tem surtido pouco efeito na redução das operações militares no Iraque, enquanto aviões de guerra americanos dão continuidade aos ataques aéreos contra alvos extremistas.

Chamando o EI de um "câncer", Obama afirmou na quarta-feira que os Estados Unidos "continuarão a enfrentar esse terrorismo odioso e substituí-lo por um sentimento de esperança e civilidade."

Assista ao vídeo da execução do americano

Iraque: Gritos de mulheres e crianças enterradas vivas atormentam refugiados

"Não vamos esquecer o que aconteceu e as pessoas serão responsabilizadas, de uma forma ou de outra", disse o procurador geral dos EUA, Eric Holder, nesta quinta em Washington.

Resgate

Forças lideradas pelos Estados Unidos tentaram resgatar Foley e outros reféns norte-americanos durante uma missão secreta na Síria e chegaram a trocar tiros com militantes do Estado Islâmico, apenas para descobrir que os cativos não estavam lá, disseram autoridades.

A missão, autorizada pelo presidente Barack Obama, baseava-se em inteligência coletada pelos EUA, e aconteceu no meio do ano, disseram autoridades. Os detalhes foram revelados um dia após a divulgação de um vídeo que mostrava a decapitação de Foley.

Foley: Sequestrado duas vezes, jornalista decapitado tinha 'atração pelo conflito'

O governo da Síria negou nesta quinta que tal operação tenha acontecido em seu território, embora não tenha controle em grandes áreas nas quais o Estado Islâmico opera. Autoridades dos EUA não disseram exatamente quando a operação aconteceu, mas acrescentaram que não ocorreu nas últimas duas semanas.

Eles disseram que as forças especiais dos EUA e outros militares, apoiadores por helicópteros e aviões, chegaram a uma zona na Síria e travaram batalha contra militantes do Estado Islâmico, os quais diversos foram mortos.

Veja fotos da ocupação do Estado Islâmico no Iraque 

Membros do Exército feminino treinam habilidades de combate antes de combaterem o Estado Islâmico em acampamento militar no Iraque (18/09). Foto: ReutersMilitar curdo lança morteiros em direção Zummar, controlada pelo Estado Islâmico, em Mosul, Iraque (15/09). Foto: ReutersMilitantes do Estado Islâmico levam soldados iraquianos capturados depois de assumir base em Tikrit, Iraque (junho/2014). Foto: APObama prometeu ofensiva com ataques aéreos na Síria e no Iraque para combater EI (12/09). Foto: ReutersMilitares curdos em tanque enfrentam militantes do Estado islâmico em Mosul, Iraque (7/09). Foto: ReutersMilitante curdo dá cobertura durante confrontos do Estado Islâmico na linha de frente da vila de Buyuk Yeniga, Iraque (4/09). Foto: ReutersMilicianos xiitas do Iraque disparam suas armas enquanto celebram a quebra de cerco do Estado Islâmico em Amerli (1/09). Foto: ReutersGrupo carrega caixão de militante xiita iraquiano da Organização Badr, que foi morto em confrontos com militantes do Estado Islâmico no Iraque (1/09). Foto: ReutersCriança chora em helicóptero militar após ser retirada pelas forças iraquianas de Amerli, ao norte de Bagdá (29/08). Foto: ReutersCurdos e militantes islâmicos lutam no norte do Iraque (12/08). Foto: ReutersIraquianos carregam retratos do primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki enquanto se reúnem em apoio a ele em Bagdá, Iraque (11/08). Foto: ReutersMilhares de iraquianos fugiram com avanço de militantes do EI, inclusive integrantes de minorias religiosas (9/08). Foto: APTropas curdas implantam segurança intensa contra os militantes islâmicos do Estado em Khazer (8/08). Foto: ReutersTropas curdas patrulham em um tanque durante operação contra militantes do Estado Islâmico em Makhmur, nos arredores da província de Nínive, Iraque (7/08). Foto: ReutersParentes choram a morte de homem da YPG, morto durante confrontos com combatentes do Estado Islâmico na cidade iraquiana de  Rabia, na fronteira do Iraque-Síria (6/08). Foto: ReutersVoluntários xiitas do Exército iraquiano se recuperam em hospital após serem feridos em confrontos com militantes do Estado Islâmico em Basra, sudeste de Bagdá (6/08). Foto: ReutersMulher visita túmulo de um parente em cemitério durante as celebrações do Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, em Bagdá (28/07). Foto: ReutersSoldado iraquiano perto de corpo de um membro do Estado Islâmico que morreu durante confrontos com forças iraquianas em Tikrit, Iraque (19/07). Foto: ReutersBandeira preta usada pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante flamula de delegacia danificada em Mosul, norte do Iraque (1/7). Foto: APVoluntário xiita do Conselho Supremo Islâmico Iraquiano aponta arma durante treinamento em Najaf, Iraque (26/6). Foto: ReutersMembros das forças de segurança iraquianas tomam suas posições durante reforço de segurança no oeste de Bagdá, Iraque (24/6). Foto: ReutersXiitas iraquianos se preparam para patrulhar a aldeia de Taza Khormato, na rica província petrolífera de Kirkuk, no Iraque (22/6). Foto: APCombatentes xiitas levantam suas armas e entoam palavras de ordem após autoridades pedirem ajuda para conter os insurgentes em Sadr, em Bagdá, Iraque (17/06). Foto: APManifestantes gritam em favor do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em frente do governo provincial de Mosul (16/4). Foto: APCombatentes tribais xiitas mostram suas armas enquanto tomam parte de Dujail, ao norte de Bagdá, Iraque (16/06). Foto: ReutersCombatentes tribais xiitas levantam suas armas e gritam palavras de ordem contra sunita Exército Islâmico em Basra, Iraque (16/6). Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL mirando contra soldados à paisana depois de tomar base in Tikrit, Iraque. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque
. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque. Foto: APCombatentes iraquianos xiitas seguram suas armas enquanto gritam palavras de ordem contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante em Cidade Sadr, Bagdá (13/6). Foto: APVoluntários esperam para se juntar ao Exército e combater militantes predominantemente sunitas em Bagdá, Iraque (13/6). Foto: ReutersPresidente dos EUA, Barack Obama, fala sobre a situação no Iraque em pronunciamento na Casa Branca, em Washington (13/6). Foto: APImagem postada em Twitter militante mostra membro do Estado Islâmico do Iraque e do Levante com sua bandeira em base militar na Província de Ninevah, Iraque (12/6). Foto: APImagem publicada por militantes no Twitter mostra combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em local na fronteira entre o Iraque e a Síria (12/6). Foto: APMuitas famílias começaram a deixar Mosul depois de ocupação por insurgentes sunitas (13/6). Foto: ReutersForças de segurança curda se posicionam do lado de fora da cidade petrolífera de Kirkuk após abandono de tropas iraquianas (12/6). Foto: APVeículos queimados pertencentes às forças de segurança iraquianas são vistos em posto de controle no leste de Mosul (11/6). Foto: ReutersPolicial federal do Iraque monta aguarda enquanto colega faz buscas em carro em posto de controle de Bagdá, Iraque (11/6). Foto: APFamílias que fogem da violência na cidade de Mosul esperam em posto de controle nos arredores de Irbil, região do Curdistão iraquiano (10/6). Foto: ReutersRefugiados que deixam Mosul se dirigem à região autônoma curda em Irbil, Iraque, a 350 km a norte de Bagdá (10/6). Foto: APMilitares se preparam para assumir suas posições durante confrontos com militantes no norte da cidade de Mosul, Iraque (9/06). Foto: AP

Dia 19: Radicais islâmicos dizem ter decapitado jornalista americano e fazem ameaças

O incidente pareceu ser o primeiro confronto direto entre os EUA e os militantes islâmicos, vistos por Obama como uma crescente ameaça no Oriente Médio. Lisa Monaco, principal assessora antiterrorismo de Obama, disse em um comunicado que o presidente autorizou a missão porque houve uma avaliação da equipe de segurança nacional de que os reféns estavam em perigo a cada dia.

"O governo dos EUA teve o que se acreditou como inteligência suficiente, e quando a oportunidade se apresentou, o presidente autorizou o Departamento de Defesa a mover-se agressivamente para recuperar nossos cidadãos. Infelizmente, essa missão não foi bem-sucedida porque os reféns não estavam presentes", disse Monaco.

O Conselho de Segurança Nacional disse, na noite de quarta-feira, que nunca teve a intenção de revelar a operação.

"Só viemos a público hoje quando ficou claro que diversos veículos de mídia estava preparando reportagens sobre a operação, e que não teríamos escolha a não ser reconhecê-la."

Dia 19: Mulheres yazidis estariam sendo obrigadas a casar com extremistas no Iraque

O governo da Síria negou os relatos da operação.

"Não aconteceu de aviões de guerra norte-americanos terem atacados posições terroristas na Síria, e isso não acontecerá sem o consentimento do governo sírio”, disse o ministro da Informação do país, Omran Zoabi, em comentários publicados na agência síria Sana.

Entre os reféns buscados pela missão estava Steven Sotloff, jornalista norte-americano que foi ameaçado de decapitação no mesmo vídeo que mostrou a execução de Foley. Diversos outros reféns também foram buscados, disse uma autoridade sênior.

*Com CNN e Reuters

Leia tudo sobre: siriaeuaeiileiil no iraquesotlofffoleyobama

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas