Mulheres yazidis estariam sendo obrigadas a casar com extremistas no Iraque

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo testemunhas, os militantes do Estado Islâmico teriam separado as mais jovens na cidade de Sinjar e levado o grupo

Reuters
Deslocados Yazidi, que fugiram da violência na cidade iraquiana de Sinjar, esperam para embarcar em ônibus no campo de refugiados em Qamishli, Síria (17/08)

Mais de 1.500 mulheres da minoria Yazidi sitiadas por extremistas sunitas no Iraque estão sendo forçadas a "casar" com seus sequestradores, segundo informações divulgadas por sobreviventes. As informações são do Daily Mail.

Mais cedo: ONU envia ajuda humanitária a meio milhão de fugitivos da guerra no Iraque

Testemunhas na cidade de Sinjar dizem que militantes do Estado Islâmico separaram as mulheres mais jovens do resto da população local e as colocaram em ônibus ou caminhões. Acredita-se que essa seria uma tentativa de torná-las mulheres dos terroristas.

Mais de 3 mil mulheres e garotas foram sequestradas por jihadistas no norte do país em apenas 15 dias - centenas de homens que se recusam a se converter foram mortos a tiros.

Ontem: Curdos no Iraque dizem ter recuperado represa controlada por extremistas

Os sequestros parecem ter acontecido em aldeias onde os moradores se armaram para enfrentar os terroristas - as mulheres estão sendo mantidas separadas dos homens em Tal Afar, cidade controlada pelo grupo sunita, a leste do Monte Sinjar.

Cerca de 200 mil pessoas fugiram para região curda do Iraque, mas outras permanecem na montanha. Donatella Rovera, consultora sênior de Resposta para Crise da Anistia Internacional, disse à agência de notícias France-Presse que há "Vítimas de todas as idades, desde bebês até idosos."

"Parece que eles levaram famílias inteiras, todos os que não conseguiram fugir. Temo que os homens tenham sido executados."

Duas mulheres - Leila Khalaf e Wadhan Khalaf - estão entre as raptadas na vila Mujamma Jazira, de acordo com Dakhil Atto Solo, parente das vítimas.

Ele acrescentou que os sequestros aconteceram depois que os moradores tentaram resistir ao ataque.

Ministro: Curdos participarão das negociações por um novo governo no Iraque

"Claro que tentamos defender nossas aldeias, mas eles tinham armas muito maiores", disse ele. "Tudo o que tínhamos eram nossos fuzis Kalashnikov. Mas eles [militantes] executaram 300 homens e levaram as mulheres. Só Deus pode salvá-las agora."

Membros do Exército feminino treinam habilidades de combate antes de combaterem o Estado Islâmico em acampamento militar no Iraque (18/09). Foto: ReutersMilitar curdo lança morteiros em direção Zummar, controlada pelo Estado Islâmico, em Mosul, Iraque (15/09). Foto: ReutersMilitantes do Estado Islâmico levam soldados iraquianos capturados depois de assumir base em Tikrit, Iraque (junho/2014). Foto: APObama prometeu ofensiva com ataques aéreos na Síria e no Iraque para combater EI (12/09). Foto: ReutersMilitares curdos em tanque enfrentam militantes do Estado islâmico em Mosul, Iraque (7/09). Foto: ReutersMilitante curdo dá cobertura durante confrontos do Estado Islâmico na linha de frente da vila de Buyuk Yeniga, Iraque (4/09). Foto: ReutersMilicianos xiitas do Iraque disparam suas armas enquanto celebram a quebra de cerco do Estado Islâmico em Amerli (1/09). Foto: ReutersGrupo carrega caixão de militante xiita iraquiano da Organização Badr, que foi morto em confrontos com militantes do Estado Islâmico no Iraque (1/09). Foto: ReutersCriança chora em helicóptero militar após ser retirada pelas forças iraquianas de Amerli, ao norte de Bagdá (29/08). Foto: ReutersCurdos e militantes islâmicos lutam no norte do Iraque (12/08). Foto: ReutersIraquianos carregam retratos do primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki enquanto se reúnem em apoio a ele em Bagdá, Iraque (11/08). Foto: ReutersMilhares de iraquianos fugiram com avanço de militantes do EI, inclusive integrantes de minorias religiosas (9/08). Foto: APTropas curdas implantam segurança intensa contra os militantes islâmicos do Estado em Khazer (8/08). Foto: ReutersTropas curdas patrulham em um tanque durante operação contra militantes do Estado Islâmico em Makhmur, nos arredores da província de Nínive, Iraque (7/08). Foto: ReutersParentes choram a morte de homem da YPG, morto durante confrontos com combatentes do Estado Islâmico na cidade iraquiana de  Rabia, na fronteira do Iraque-Síria (6/08). Foto: ReutersVoluntários xiitas do Exército iraquiano se recuperam em hospital após serem feridos em confrontos com militantes do Estado Islâmico em Basra, sudeste de Bagdá (6/08). Foto: ReutersMulher visita túmulo de um parente em cemitério durante as celebrações do Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, em Bagdá (28/07). Foto: ReutersSoldado iraquiano perto de corpo de um membro do Estado Islâmico que morreu durante confrontos com forças iraquianas em Tikrit, Iraque (19/07). Foto: ReutersBandeira preta usada pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante flamula de delegacia danificada em Mosul, norte do Iraque (1/7). Foto: APVoluntário xiita do Conselho Supremo Islâmico Iraquiano aponta arma durante treinamento em Najaf, Iraque (26/6). Foto: ReutersMembros das forças de segurança iraquianas tomam suas posições durante reforço de segurança no oeste de Bagdá, Iraque (24/6). Foto: ReutersXiitas iraquianos se preparam para patrulhar a aldeia de Taza Khormato, na rica província petrolífera de Kirkuk, no Iraque (22/6). Foto: APCombatentes xiitas levantam suas armas e entoam palavras de ordem após autoridades pedirem ajuda para conter os insurgentes em Sadr, em Bagdá, Iraque (17/06). Foto: APManifestantes gritam em favor do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em frente do governo provincial de Mosul (16/4). Foto: APCombatentes tribais xiitas mostram suas armas enquanto tomam parte de Dujail, ao norte de Bagdá, Iraque (16/06). Foto: ReutersCombatentes tribais xiitas levantam suas armas e gritam palavras de ordem contra sunita Exército Islâmico em Basra, Iraque (16/6). Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL mirando contra soldados à paisana depois de tomar base in Tikrit, Iraque. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque
. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque. Foto: APCombatentes iraquianos xiitas seguram suas armas enquanto gritam palavras de ordem contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante em Cidade Sadr, Bagdá (13/6). Foto: APVoluntários esperam para se juntar ao Exército e combater militantes predominantemente sunitas em Bagdá, Iraque (13/6). Foto: ReutersPresidente dos EUA, Barack Obama, fala sobre a situação no Iraque em pronunciamento na Casa Branca, em Washington (13/6). Foto: APImagem postada em Twitter militante mostra membro do Estado Islâmico do Iraque e do Levante com sua bandeira em base militar na Província de Ninevah, Iraque (12/6). Foto: APImagem publicada por militantes no Twitter mostra combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em local na fronteira entre o Iraque e a Síria (12/6). Foto: APMuitas famílias começaram a deixar Mosul depois de ocupação por insurgentes sunitas (13/6). Foto: ReutersForças de segurança curda se posicionam do lado de fora da cidade petrolífera de Kirkuk após abandono de tropas iraquianas (12/6). Foto: APVeículos queimados pertencentes às forças de segurança iraquianas são vistos em posto de controle no leste de Mosul (11/6). Foto: ReutersPolicial federal do Iraque monta aguarda enquanto colega faz buscas em carro em posto de controle de Bagdá, Iraque (11/6). Foto: APFamílias que fogem da violência na cidade de Mosul esperam em posto de controle nos arredores de Irbil, região do Curdistão iraquiano (10/6). Foto: ReutersRefugiados que deixam Mosul se dirigem à região autônoma curda em Irbil, Iraque, a 350 km a norte de Bagdá (10/6). Foto: APMilitares se preparam para assumir suas posições durante confrontos com militantes no norte da cidade de Mosul, Iraque (9/06). Foto: AP

Vídeo: Menino yazidi com deficiência é resgatado no deserto do Iraque

"As mulheres estão em uma casa cercada pelos terroristas. Tivemos de fugir. Agora, as crianças choram por suas mães o tempo todo. 'Mamãe, mamãe', lamentam. Mas não há nenhuma mamãe, nós dizemos a eles."

Seus comentários sobre a terrível situação foram feitos enquanto extremistas islâmicos mataram dezenas de homens Yazidi, alinhando-os em pequenos grupos e abrindo fogo com rifles antes de levarem suas esposas e filhos.

Um político Yazidi citou o assassinato em massa em Kocho como prova de que seu povo ainda corria risco de morte mesmo após ataques aéreos dos EUA e do Iraque contra os militantes. Enquanto isso, aviões de guerra atingiram alvos insurgentes em torno de uma grande barragem que foi capturada pelo grupo extremista no início deste mês.

Ajuda: União Europeia apoia envio de armas aos combatentes curdos no Iraque

O Comando Central dos EUA disse que os ataques foram lançados para apoiar os esforços humanitários no Iraque, bem como proteger o pessoal e as instalações dos EUA. O órgão diz que nove ataques aéreos foram realizados até agora e haviam destruído ou danificado, entre outros, quatro veículos blindados e sete veículos armados.

Os EUA começaram os disparos contra os extremistas há uma semana, em parte para evitar o massacre de dezenas de milhares de Yazidis no norte do Iraque. Um político Yazidi, um oficial de segurança curdo e um funcionário iraquiano da cidade vizinha a Sinjar fizeram relatos semelhantes sobre o caso, dizendo que militantes do Estado islâmico haviam massacrado muitos homens Yazidi na sexta após ocuparem Kocho.

Dia 15: País deve se unir para percorrer caminho difícil, diz novo premiê do Iraque

"Eles pensaram que estávamos mortos e quando foram embora, saímos correndo. Nos escondemos em um vale até o anoitecer e então, fugimos para as montanhas."

Não ficou claro exatamente quantos homens foram mortos. Autoridades iraquianas e curdas disseram que pelo menos 80 homens foram baleados. Na segunda, a Grã-Bretanha enviou um avião espião ao norte do Iraque para controlar a crise e os movimentos dos militantes.

O Boeing KC-135, chamada de Joint Rivet, estava monitorando chamadas de celular e outros meios de comunicação.

Leia tudo sobre: eiileiil no iraqueiraqueyazidicurdosgra bretanhaeua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas