China diz ter prendido quase 1 mil membros de religião proibida

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Chineses eram seguidores do Quannengshen, ou Igreja do Deus Todo Poderoso; episódio teve grande repercussão nacional

Reuters

Autoridades chinesas prenderam "quase mil" membros de um grupo religioso proibido, noticiou a mídia estatal nesta terça-feira (19), a mais recente de uma séria de medidas contra um grupo que o governo da China taxou como um culto ilegal.

Julho: Polícia da China e ativistas cristãos entram em confronto contra remoção de cruz

Reuters
Mulher chora ao se despede de tropas militares que concluíram operação de resgate após terremoto no condado de Qiaojia, China


Ativismo: Manifestantes são retirados à força de protesto em Hong Kong

A China prendeu dezenas de seguidores do Quannengshen, ou Igreja do Deus Todo Poderoso, desde o assassinato de uma mulher em um restaurante em junho, em um episódio de repercussão nacional.

Entre os presos estavam 100 "organizadores de alto nível", relatou a agência de notícias Xinhua, citando um comunicado do Ministério de Segurança Pública. O julgamento do assassinato deve começar na quinta-feira, segundo a Xinhua.

O grupo Quannengshen, originado na província de Henan, centro do país, acredita que Jesus ressuscitou como Yang Xiangbin, esposa do fundador da seita, Zhao Weishan, segundo a Xinhua.

Zhao é também conhecido como Xu Wenshan, segundo a agência, que acrescentou que o casal fugiu para os EUA em setembro de 2000.

Em 2012, a China lançou uma operação de repressão contra o grupo após ele ter clamado por uma “batalha decisiva” para derrubar o “Dragão Vermelho” do Partido Comunista, e pregou que o mundo acabaria naquele ano.

O partido não aceita desafios ao seu mandato e é obcecado com estabilidade social. Assim, tem reprimido cultos, os quais têm se multiplicado em todo o país nos últimos anos.

Leia tudo sobre: seitareligiaochinaeuawenshanigrejaprisoes

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas