Papa se reúne com líderes religiosos em seu último dia na Coreia do Sul

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Reunido com 12 líderes de diferentes religiões em uma catedral de Seul, papa destacou a importância da união e pediu orações

Agência Brasil

Papa Francisco se reuniu nesta segunda-feira em Seul com 12 líderes de diferentes religiões, no último dia de sua visita à Coreia do Sul, encerrada com uma missa pela paz e reconciliação na catedral da capital.

Dia 15: Papa pede para sul-coreanos rezarem pela unificação da península

Reuters
Papa Francisco (à esq.), que usa fita amarela em homenagem às vítimas do desastre da balsa sul-coreana, aperta a mão de bispos em Seul


Dia 14: Papa chega à Coreia do Sul e pede fim da mostra 'infrutífera' de força na região

O pontífice esteve reunido em uma sala da Catedral de Myeongdong com os líderes das principais ordens do budismo – que conta com o maior número de fiéis no país – e de outras religiões com importante presença, como protestantes, ortodoxos e confucionistas.

"A vida é um longo caminho, mas não se pode caminhar sozinho", disse Francisco em breve discurso dirigido aos seus interlocutores, aos quais agradeceu o "gesto de caminharem juntos como irmãos na presença de Deus" e pediu que rezem por ele.

Esse encontro foi marcado por saudações e trocas de palavras entre o papa e cada um dos líderes, que o presentearam com cruzes e outras oferendas.

Depois do primeiro encontro desta segunda, o papa celebra, na catedral de Seul, uma missa pela paz e pela reconciliação, a última cerimônia religiosa prevista durante a visita à Coreia do Sul.

Foram convidados para a missa 700 membros e funcionários das 16 dioceses do país. Apesar da chuva, os fiéis concentrados no exterior puderam assistir à cerimônia em um telão.

Entre os convidados especiais estavam a presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, estudantes do ensino secundário, imigrantes representando famílias multiculturais e idosas vítimas da escravidão sexual do Império do Japão durante a 2ª Guerra Mundial.

Além disso, refugiados norte-coreanos e cinco parentes de cidadãos sequestrados por Pyongyang assistiram à cerimônia, dedicada sobretudo à promoção do entendimento e da unificação na dividida Península Coreana. A Coreia do Sul tem 5,4 milhões de católicos.

Leia tudo sobre: coreia do sulpapa franciscocatolicaseulgeun hye

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas