Estado norte-americano decreta estado de emergência após morte de jovem negro

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Um toque de recolher foi decretado entre meia-noite e cinco horas da manhã em cidade do Estado do Missouri

Reuters

Reuters
Novo capitão da polícia do Missouri, Ron Johnson conversa com manifestantes, na quinta-feira


Depois de mais uma noite de protestos carregados de questões raciais e de saques em Ferguson, Missouri, Estados Unidos, devido à morte de um jovem negro desarmado por um policial branco, o governador Jay Nixon reuniu-se com a polícia local e estadual neste sábado (18) para elaborar um plano destinado a reprimir mais violência.

O governador assinou uma ordem declarando estado de emergência em Ferguson para tentar evitar novos protestos violentos. Um toque de recolher foi decretado para a cidade entre meia-noite e cinco horas da manhã.

Leia mais:
Manifestantes se acalmam nos EUA após policial negro assumir comando
Novo protesto por morte de jovem negro nos EUA termina em confronto

"Foi um momento difícil na noite passada. Houve uma grande quantidade de saques e houve muita gente se armando para proteger a entrada de seus estabelecimentos comerciais", disse Al Nothum, um porta-voz da Patrulha Rodoviária de Missouri.

O governador colocou a polícia rodoviária estadual como encarregada da segurança desde quinta-feira depois de várias noites de violentos confrontos entre manifestantes e forças policiais locais, na esteira da morte a tiros em 09 de agosto de Michael Brown, de 18 anos.

As tensões reduziram temporariamente na quinta-feira, mas na sexta-feira à noite os manifestantes invadiram novamente a pequena cidade residencial e de comércio no entorno de St. Louis, que se tornou praticamente uma zona de guerra devido ao confronto entre os manifestantes, em sua maioria negros, e as forças policiais, formadas majoritariamente por brancos.

A agitação começou depois que policial Ferguson Darren Wilson, de 28 anos, atirou e matou Brown logo após o meio dia no sábado passado, enquanto Brown e um amigo caminhavam por uma rua que atravessa um complexo de apartamentos.

Agentes do FBI estiveram no local do tiroteio no sábado entrevistando moradores da área. O ativista de direitos humanos Jesse Jackson também visitou o local, conduzindo uma oração perto de um memorial improvisado a Brown, a poucos metros de onde ele morreu.

Leia tudo sobre: euamissourinegropreconceitoprotestotensão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas