Conselho de Segurança da ONU coloca em lista negra militantes islâmicos

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

O Estado Islâmico está na lista negra do Conselho de Segurança há tempos, e a Al Nusra foi acrescentada no começo deste ano

Reuters

Thinkstock Photos
Bandeira da Síria aparece pinta em um muro

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) puniu militantes islâmicos no Iraque e na Síria nesta sexta-feira (15), colocando seis pessoas, incluindo o porta-voz do Estado Islâmico, em uma lista negra e ameaçando sanções contra aqueles que financiam, recrutam ou fornecem armas aos insurgentes.

LEIA MAIS: Conheça o Estado Islâmico do Iraque e do Levante, grupo que avança no país árabe

O conselho de 15 membros adotou por unanimidade a resolução, que almeja enfraquecer o Estado Islâmico, grupo dissidente da Al Qaeda que tomou vastas porções de territórios iraquiano e sírio e declarou um califado, e a Frente Al Nusra, braço da Al Qaeda na Síria.

O Estado Islâmico está na lista negra do Conselho de Segurança há tempos, e a Al Nusra foi acrescentada no começo deste ano. Os dois grupos estão incluídos no regime de sanções da ONU à Al Qaeda.

A resolução desta sexta-feira nomeou seis pessoas que serão sujeitas a uma proibição internacional de viagens, ao congelamento de bens e ao embargo de armas, entre eles o porta-voz do Estado Islâmico, Abu Muhammad al-Adnani, iraquiano descrito por especialistas da ONU como um dos “emires mais influentes” e próximo de seu líder, Abu Bakr al Baghdadi.

O avanço rápido e brutal do Estado Islâmico rumo às fronteiras da região curda semiautônoma do Iraque e a Bagdá desencadeou os primeiros ataques aéreos dos Estados Unidos no país desde a retirada das tropas norte-americanas em 2011.

A resolução do conselho “deplora e repudia nos termos mais fortes os atos terroristas do Estado Islâmico e sua ideologia extremista violenta, assim como seus abusos flagrantes, sistemáticos e disseminados dos direitos humanos e suas violações das leis humanitárias internacionais”.

O órgão também listou Said Arif, ex-militar do Exército argelino que escapou da prisão domiciliar na França em 2013 e se juntou à Frente Al Nusra na Síria, e Abdul Mohsen Abdallah Ibrahim al-Charekh, da Arábia Saudita, classificado como “destacado terrorista e propagandista na Internet” que chefia a Al Nusra no distrito sírio de Latakia.

Hamid Hamad Hamid al-Ali e Hajjaj bin Fahd al-Ajmi, ambos do Kuweit, receberam sanções por supostamente fornecerem apoio financeiro à Frente Al Nusra. O levantamento de fundos de Ajmi inclui pelo menos uma campanha no Twitter, segundo especialistas da ONU. O saudita Abdelrahman Mouhamad Zafir al Dabidi al Jahani foi citado por se encarregar das redes de combatentes estrangeiros da Al Nusra.

A resolução condena o recrutamento de combatentes estrangeiros e expressa disposição para incluir em sua lista negra pessoas que financiam ou facilitam suas viagens, além de verbalizar a preocupação de que a renda gerada dos campos de petróleo capturados pelos dois grupos sejam usadas para organizar ataques.

Leia tudo sobre: onuestado islâmicosíriairaqueal quaedafrente al nusra

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas