País deve se unir para percorrer caminho difícil, diz novo premiê do Iraque

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Haider al-Abadi pediu para que seus compatriotas atuem juntos e também afirmou que não fará promessas irreais de governo

Reuters

O novo primeiro-ministro do Iraque, Haider al-Abadi, fez um apelo a seus compatriotas por união para enfrentar desafios perigosos, e alertou que o caminho pela frente será difícil, nesta sexta-feira (15).

Ontem: Pressionado, primeiro-ministro do Iraque renuncia ao cargo

AP
Haider al-Abadi fala à imprensa depois de uma sessão do Parlamento iraquiano em Bagdá (julho/2014)


Obama: Cerco dos militantes sunitas no norte do Iraque foi quebrado

Em sua página no Facebook, Abadi disse que não faria promessas irreais, mas encorajou os iraquianos a trabalhar juntos para fortalecer o país, que enfrenta uma guerra civil sectária.

Para ajudar o país a enfrentar os extremistas sunitas do Estado Islâmico, a Grã-Bretanha vai considerar "positivamente" qualquer pedido de armas dos curdos, disse uma porta-voz do primeiro-ministro britânico nesta sexta. Os Estados Unidos pediram a países europeus que forneçam armas e munição aos combatentes curdos, de acordo com autoridades norte-americanas e europeias.

Dia 14: Militantes extremistas se concentram perto de outra cidade ao norte de Bagdá

O premiê britânico, David Cameron, tem dito até o momento que qualquer resposta britânica seria limitada a um esforço humanitário, mas Londres também tem transportado para as forças curdas certos equipamentos, como munição, fornecidos por outros países.

"Se nós recebêssemos um pedido, então consideraríamos positivamente", disse a porta-voz.

"Nosso entendimento é que eles preferem operar equipamentos em que são treinados, e é por isso que até agora temos transportado suprimentos de outros países", acrescentou.

Vários governos europeus, incluindo França, Alemanha, República Tcheca e Holanda, disseram que vão enviar armas aos curdos ou pretendem fazê-lo.

EUA: País descarta tropas para combate no Iraque, mas considera ajuda humanitária

Renúncia de Maliki

Pressionado principalmente devido à crise gerada por militantes radicais do Estado Islâmico no país, o primeiro-ministro do Iraque, Nuri al-Maliki, anunciou sua renúncia ao cargo na quinta-feira (14).

Na segunda-feira (11), dia da nomeação, pairavam no país diversas dúvidas a respeito da possibilidade de Maliki não renunciar, principalmente por não ter havido uma negociação prévia para tanto com o presidente. Ainda assim, o agora ex-premiê, que ocupava o cargo desde 2006, afirmou que vai apoiar seu substituto.

A decisão do curdo Masum tem como principal objetivo encerrar a carnificina praticada pelo grupo radical Estado Islâmico no território do país. Com a intenção de criar um califado islâmico na região que abrange parte do Iraque e da Síria, os militantes fundamentalistas têm promovido o terror, obrigando minorias locais a se converterem ao islã e exterminando-as quando não obedecidos. Além das execuções, há relatos que acusam os radicais de enterrar pessoas vivas e crucificá-las.

Dia 12: Vaticano pede para líderes muçulmanos condenarem violência de extremistas

Membros do Exército feminino treinam habilidades de combate antes de combaterem o Estado Islâmico em acampamento militar no Iraque (18/09). Foto: ReutersMilitar curdo lança morteiros em direção Zummar, controlada pelo Estado Islâmico, em Mosul, Iraque (15/09). Foto: ReutersMilitantes do Estado Islâmico levam soldados iraquianos capturados depois de assumir base em Tikrit, Iraque (junho/2014). Foto: APObama prometeu ofensiva com ataques aéreos na Síria e no Iraque para combater EI (12/09). Foto: ReutersMilitares curdos em tanque enfrentam militantes do Estado islâmico em Mosul, Iraque (7/09). Foto: ReutersMilitante curdo dá cobertura durante confrontos do Estado Islâmico na linha de frente da vila de Buyuk Yeniga, Iraque (4/09). Foto: ReutersMilicianos xiitas do Iraque disparam suas armas enquanto celebram a quebra de cerco do Estado Islâmico em Amerli (1/09). Foto: ReutersGrupo carrega caixão de militante xiita iraquiano da Organização Badr, que foi morto em confrontos com militantes do Estado Islâmico no Iraque (1/09). Foto: ReutersCriança chora em helicóptero militar após ser retirada pelas forças iraquianas de Amerli, ao norte de Bagdá (29/08). Foto: ReutersCurdos e militantes islâmicos lutam no norte do Iraque (12/08). Foto: ReutersIraquianos carregam retratos do primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki enquanto se reúnem em apoio a ele em Bagdá, Iraque (11/08). Foto: ReutersMilhares de iraquianos fugiram com avanço de militantes do EI, inclusive integrantes de minorias religiosas (9/08). Foto: APTropas curdas implantam segurança intensa contra os militantes islâmicos do Estado em Khazer (8/08). Foto: ReutersTropas curdas patrulham em um tanque durante operação contra militantes do Estado Islâmico em Makhmur, nos arredores da província de Nínive, Iraque (7/08). Foto: ReutersParentes choram a morte de homem da YPG, morto durante confrontos com combatentes do Estado Islâmico na cidade iraquiana de  Rabia, na fronteira do Iraque-Síria (6/08). Foto: ReutersVoluntários xiitas do Exército iraquiano se recuperam em hospital após serem feridos em confrontos com militantes do Estado Islâmico em Basra, sudeste de Bagdá (6/08). Foto: ReutersMulher visita túmulo de um parente em cemitério durante as celebrações do Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, em Bagdá (28/07). Foto: ReutersSoldado iraquiano perto de corpo de um membro do Estado Islâmico que morreu durante confrontos com forças iraquianas em Tikrit, Iraque (19/07). Foto: ReutersBandeira preta usada pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante flamula de delegacia danificada em Mosul, norte do Iraque (1/7). Foto: APVoluntário xiita do Conselho Supremo Islâmico Iraquiano aponta arma durante treinamento em Najaf, Iraque (26/6). Foto: ReutersMembros das forças de segurança iraquianas tomam suas posições durante reforço de segurança no oeste de Bagdá, Iraque (24/6). Foto: ReutersXiitas iraquianos se preparam para patrulhar a aldeia de Taza Khormato, na rica província petrolífera de Kirkuk, no Iraque (22/6). Foto: APCombatentes xiitas levantam suas armas e entoam palavras de ordem após autoridades pedirem ajuda para conter os insurgentes em Sadr, em Bagdá, Iraque (17/06). Foto: APManifestantes gritam em favor do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em frente do governo provincial de Mosul (16/4). Foto: APCombatentes tribais xiitas mostram suas armas enquanto tomam parte de Dujail, ao norte de Bagdá, Iraque (16/06). Foto: ReutersCombatentes tribais xiitas levantam suas armas e gritam palavras de ordem contra sunita Exército Islâmico em Basra, Iraque (16/6). Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL mirando contra soldados à paisana depois de tomar base in Tikrit, Iraque. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque
. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque. Foto: APCombatentes iraquianos xiitas seguram suas armas enquanto gritam palavras de ordem contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante em Cidade Sadr, Bagdá (13/6). Foto: APVoluntários esperam para se juntar ao Exército e combater militantes predominantemente sunitas em Bagdá, Iraque (13/6). Foto: ReutersPresidente dos EUA, Barack Obama, fala sobre a situação no Iraque em pronunciamento na Casa Branca, em Washington (13/6). Foto: APImagem postada em Twitter militante mostra membro do Estado Islâmico do Iraque e do Levante com sua bandeira em base militar na Província de Ninevah, Iraque (12/6). Foto: APImagem publicada por militantes no Twitter mostra combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em local na fronteira entre o Iraque e a Síria (12/6). Foto: APMuitas famílias começaram a deixar Mosul depois de ocupação por insurgentes sunitas (13/6). Foto: ReutersForças de segurança curda se posicionam do lado de fora da cidade petrolífera de Kirkuk após abandono de tropas iraquianas (12/6). Foto: APVeículos queimados pertencentes às forças de segurança iraquianas são vistos em posto de controle no leste de Mosul (11/6). Foto: ReutersPolicial federal do Iraque monta aguarda enquanto colega faz buscas em carro em posto de controle de Bagdá, Iraque (11/6). Foto: APFamílias que fogem da violência na cidade de Mosul esperam em posto de controle nos arredores de Irbil, região do Curdistão iraquiano (10/6). Foto: ReutersRefugiados que deixam Mosul se dirigem à região autônoma curda em Irbil, Iraque, a 350 km a norte de Bagdá (10/6). Foto: APMilitares se preparam para assumir suas posições durante confrontos com militantes no norte da cidade de Mosul, Iraque (9/06). Foto: AP

Australiano: Pai orgulhoso por filho segurar cabeça decepada sofre de esquizofrenia

Maliki vinha sofrendo uma enorme pressão para dar lugar a um líder menos polarizador capaz de combater os radicais, a maior ameaça à segurança do país desde a queda do ditador Saddam Hussein, em 2003.

Críticos o acusavam de perseguir uma agenda sectária que isola a minoria sunita, empurrando alguns de seus membros a apoiarem os militantes do Estado Islâmico, cuja última investida contra o norte do Iraque tem alarmado o governo de Bagdá e seus aliados ocidentais.

EUA

Na quinta, o presidente Barack Obama declarou que o cerco dos islâmicos ao monte Sinjar foi rompido e que a maioria dos militares de seu país enviada para avaliar a situação será retirada do Iraque nos próximos dias.

Terror: Entenda como o Estado Islâmico se tornou mais perigoso que a Al-Qaeda

Ele disse aos repórteres não esperar que os EUA tenham que realizar uma operação de retirada da montanha, onde milhares de membros da minoria religiosa yazidi foram encurralados pelos militantes, ou continuar a enviar ajuda humanitária por via aérea. “Rompemos o cerco do Estado Islâmico no monte Sinjar”, afirmou Obama.

“Ajudamos pessoas inocentes a chegar à segurança e a salvar muitas vidas inocentes. Por causa destes esforços, não esperamos que haja uma operação adicional para retirar pessoas da montanha, e é improvável que precisemos continuar com os envios aéreos de ajuda humanitária.”

Kerry: EUA oferecem apoio adicional ao Iraque após formação de novo governo

Kieran Dwyer, porta-voz do Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários da Organização das Nações Unidas (ONU), disse ser cedo demais para declarar o fim da crise. A melhora na segurança permitiu que um grande número de yazidis escapasse do monte Sinjar, declarou, mas “alguns milhares” ainda necessitam de ajuda.

“A crise na montanha não se encerrará até que todos possam chegar de maneira segura a uma localidade segura”, disse Dwyer.

Obama afirmou que a maioria dos militares que conduziram a avaliação no monte Sinjar deixarão o Iraque dentro de alguns dias.

Vídeo: Desesperados, Yazidis invadem helicóptero de ajuda humanitária no Iraque

Os Estados Unidos enviaram 130 militares para Arbil, capital do Curdistão iraquiano, para analisar as opções, que iam de um corredor de segurança para os yazidis até um resgate aéreo. Uma equipe de menos de 20 pessoas voou ao local para avaliar a situação.

Os combatentes da região semiautônoma do Curdistão iraquiano estão lutando contra os militantes melhor armados do grupo Estado Islâmico, que varreu o norte do Iraque nas últimas semanas, empurrando para trás as forças curdas e forçando dezenas de milhares de pessoas das minorias yazidi e cristã a deixar suas casas.

Leia tudo sobre: eiileiil no iraqueiraquepremieeuaestado islamicoobamagra bretanhacameronabadi

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas