Ucrânia acusa Rússia de cinismo por ajuda

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Para Kiev, objetivo de comboio é aumentar a rebelião pró-Moscou; mais de mil morreram nas últimas semanas no país

Reuters

No mesmo dia em que a Organização das Nações Unidas (ONU) informou que quase mil pessoas, entre combatentes e civis, morreram na Ucrânia nas últimas duas semanas, Kiev acusou a Rússia de tentar insuflar a rebelião pró-Moscou ao enviar comboio de ajuda ao país, nesta quarta-feira (13).

Veja fotos das ações de militantes pró-Rússia no país do leste europeu:

Comboio de caminhões brancos com ajuda humanitária deixa Alabino, nos arredores de Moscou, Rússia (12/08). Foto: APManifestante ao lado de transeuntes na Praça da Independência em Kiev (9/08). Foto: ReutersManifestante segura coquetel molotov enquanto tenta impedir que trabalhadores municipais e voluntários limpem barricadas em Kiev (9/08). Foto: ReutersMembro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia (6/08). Foto: APMulher deixa prédio danificado por suposto bombardeio levando seus pertences na área central de Donetsk, Ucrânia (29/07). Foto: ReutersRebeldes pró-Rússia em um tanque com a bandeira da Rússia em uma estrada a leste de Donetsk, Ucrânia (21/07). Foto: APPrimeiro-ministro ucraniano Arseniy Yatsenyuk, à dir., conversa com um oficial durante inspecção ao Exército fora da cidade de Slovyansk, Ucrânia (16/07). Foto: APPremiê ucraniano, Arseniy Yatsenyuk (E), cumprimenta soldado ao inspecionar tropas em Slovyansk, leste da Ucrânia (16/07). Foto: APMulher chora perto de prédio que desmoronou após ataque aéreo em Snizhne, a 100 km a leste da cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia (15/07). Foto: APCombatente da República Popular de Donetsk se despede de sua família, que deixa essa cidade no leste da Ucrânia para refugiar-se na Rússia (14/07). Foto: APCombatentes separatistas pró-russos esperam atrás de sacos de areia em posto de controle em Donetsk, Ucrânia (10/07). Foto: ReutersMilitares ucranianos perto das armas apreendidas de separatistas pró-russos perto Slaviansk, Ucrânia (8/07). Foto: ReutersMilitante mascarado pró-Rússia organiza o trânsito em posto de controle após ataque das tropas ucranianas em Slovyansk (24/4). Foto: APAtiradores mascarados pró-Rússia guardam entrada de escritório regional ucraniano do Serviço de Segurança em Luhansk com bandeira russa ao fundo (21/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional capturado em Donetsk. Cartaz diz: 'EUA, tirem as mãos do leste da Ucrânia' (19/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia olha para o lado de fora de janela em prédio da administração regional de Donetsk, Ucrânia (18/4). Foto: APAtirador pró-Rússia abre caminho para veículo de combate com homens armados em seu topo em Slovyansk, Ucrânia (16/4). Foto: APAtivista mascarado pró-Rússia guarda barricada em prédio da administração regional em Donetsk, Ucrânia (15/4). Foto: APAtivista pró-Rússia é visto durante invasão de delegacia na cidade de Horlivka, leste da Ucrânia (14/4). Foto: APAtivistas armados pró-Rússia ocupam a delegacia de polícia no leste da Ucrânia, na cidade de Slaviansk (12/04). Foto: APAtivistas pró-Rússia ocupam delegacia de polícia e constroem uma barricada na cidade ucraniana oriental de Slovyansk (12/04). Foto: APHomens armados não identificados caminham em área perto de unidade militar ucraniana em Simferopol, Crimeia (18/3). Foto: APSoldado armado, provavelmente russo, anda perto de uma base militar ucraniana na aldeia de Perevalnoye (9/3). Foto: ReutersUm homem armado, que se acredita ser um soldado russo, anda perto da base naval ucraniana na Crimeia, no porto de Yevpatory (8/3). Foto: ReutersMarinheiro observa navio inativo Ochakov, que foi afundado por tropas russas e bloqueou o tráfego de cinco embarcações ucranianas em Myrnyi, oeste da Crimeia, Ucrânia (6/3). Foto: APCriança brinca perto de soldado russo (D) enquanto soldados ucranianos observam do outro lado do portão de base em Perevalne, Crimeia (4/3). Foto: APSoldado pró-Rússia bloqueia base naval na vila de Novoozerne, Crimeia, na Ucrânia (3/3). Foto: APGrupo de homens armados sem emblemas em uniformes cortam luz do Quartel-General das forças navais ucranianas em Sevastopol, Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APComboio russo se move de Sevastopol para Sinferopol na Crimeia, Ucrânia (2/3). Foto: APHomem com uniforme sem identificação monta guarda enquanto tropas tomam controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, em Sevastopol (Crimeia), na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda em Balaklava, nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Península da Crimeia (1/3)
. Foto: APEmblema em veículo e placas de outros carros indicam que tropas são do Exército russo (1/3). Foto: APHomens armados não identificados e vestidos com uniformes de camuflagem bloqueiam a entrada do prédio do Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomens armados não identificados bloqueiam entrada de Parlamento da Crimeia em Simferopol, Ucrânia (1/3). Foto: APHomem armado não identificado com uniforme de camuflagem bloqueia estrada que leva a aeroporto militar em Sevastopol, na Crimeia. Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda durante tomada de controle de escritórios da Guarda Costeira em Balaklava, Crimeia, na Ucrânia (1/3). Foto: APSoldados em uniformes sem identificação montam guarda nos arredores de Sevastopol, na ucraniana Crimeia. Foto: APHomem com uniforme sem identificação patrula aeroporto de Simferopol, na Ucrânia (28/2). Foto: AP

Segundo o governo ucraniano, o comboio enviado pelos russos terá sua passagem bloqueada. Kiev sugeriu que um acordo pode ser alcançado, mas colocado sob o controle do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (ICRC, na sigla em inglês).

"Primeiro eles mandam tanques, mísseis Grad e bandidos que atiram em ucranianos, e depois mandam água e sal", declarou o primeiro-ministro, Arseny Yatseniuk, sobre o conflito que matou mais de duas mil pessoas desde meados de abril. "Não há limites para o cinismo russo."

Leia mais:
Número de mortos na Ucrânia dobra em duas semanas e passa de 2 mil, diz ONU
Ucrânia descarta cessar-fogo até que separatistas se rendam
Ucrânia diz ter impedido invasão russa e Moscou chama declaração de 'fábula'

As declarações refletem as suspeitas em Kiev e em capitais ocidentais de que a entrada do comboio em território ucraniano possa se tornar uma ação militar disfarçada para ajudar os separatistas do leste, que vêm perdendo terreno para as forças do governo. A Rússia rechaçou a acusação, afirmando que qualquer insinuação de uma ligação entre o comboio e um plano de invasão é absurda.

Os caminhões partiram da região de Moscou na terça-feira (12) e viajaram cerca de 500 quilômetros até a cidade de Voronezh, no sudoeste russo. Lá, pararam em uma base aérea.

Reuters
Premiê ucraniano Arseny Yatseniuk discursa no parlamento de Kiev, Ucrânia

Uma porta-voz da ICRC em Genebra disse que a Rússia forneceu uma "lista generalizada" de bens no comboio para a entidade e as autoridades ucranianas, mas a agência pede um inventário detalhado.

"Uma série de temas importantes ainda precisa ser esclarecida entre os dois lados, como os procedimentos de cruzamento da fronteira, liberação na alfândega e outros", disse Anastasia Isyuk, enumerando como disponíveis na lista dos 260 caminhões alimentos, garrafas de água e geradores de energia.

Porta-voz de direitos humanos da ONU, Cécile Pouilly declarou que o número estimado de mortes saltou de 1.129 em 26 de julho para 2.086 em 10 de agosto. As cifras incluem soldados ucranianos, grupos rebeldes e civis, mas trata-se de "estimativa bastante conservadora". "Isto corresponde a uma tendência clara de escalada", disse ela.

Leia tudo sobre: rússiaucrâniakievcomboio humanitário

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas