Para chefe das Farc, Colômbia não concluirá negociações de paz em 2014

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

País e Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia negociam em Cuba desde o fim de 2012; conflito matou mais de 200 mil

Reuters

As negociações de paz entre as Farc e o governo da Colômbia não vão acabar neste ano porque as partes ainda têm diferenças em questões complexas na negociação para tentar encerrar o conflito de mais de meio século, disse o líder do grupo rebelde.

Ontem: Venezuela fechará fronteira com Colômbia a noite para evitar contrabando

Reprodução/Youtube
Líder máximo das Farc, Rodrigo Londoño confirma abertura o dialogo com autoridades colombianas (junho/2014)


Dia 8: Presidente inicia novo mandato na Colômbia em meio a tensão com as Farc

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, que foi reeleito em junho com a promessa de acabar com o conflito interno violento, tinha dito no início deste ano que o processo de paz, que ocorre em Cuba, poderia ser concluído neste ano.

Mas o líder guerrilheiro Rodrigo Londoño, conhecido como "Timoshenko", não foi tão otimista, segundo declarações publicadas na segunda-feira (11) no site do grupo rebelde.

Dia 5: Farc pedem que rebeldes presos participem de diálogo como vítimas do conflito

"É fácil concluir que os prazos para este ano não são possíveis", disse Londoño. "Deve-se ter em conta também que o tema da entrega de armas e o cessar-fogo bilateral não serão simples."

O governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia negociam em Havana desde o fim de 2012, em uma tentativa de deixar para trás um conflito que deixou mais de 200 mil mortos e milhões de deslocados.

Desde então, as partes conseguiram apenas acordos parciais sobre fornecer acesso à terra para os camponeses pobres, sobre as garantias para a guerrilha participe da política e sobre a luta contra o tráfico de drogas.

Questões complexas ainda estão pendentes, como compensação para as vítimas e aprovação por parte dos colombianos de acordos através de um mecanismo como um referendo.

Entrevista: 'Não estou disposto a ficar preso ao passado', diz presidente da Colômbia

Apesar do processo de paz, as Forças Armadas colombianas e as guerrilhas ainda estão lutando nas montanhas e selvas do país. Santos rejeitou um cessar-fogo bilateral proposto pelos rebeldes, argumentando que os guerrilheiros poderiam usá-lo para obstruir as negociações e tirar vantagem militar.

"Temos insistido na necessidade de estabelecer um cessar-fogo bilateral, coisa que o governo Santos rejeita. Não temos a menor intenção de assimilar a morte de algum outro membro do secretariado (órgão de direção das Farc), a menos que se trate de causas naturais", disse Londoño.

Junho: Colômbia dá voto de confiança a presidente e processo de paz

Durante o primeiro mandato de Santos, dois líderes importantes do secretariado da guerrilha foram mortos em bombardeios: Alfonso Cano e Victor Julio "El Mono Jojoy" Suárez.

No entanto, Londoño reiterou que a intenção das Farc, que tem cerca de 8.000 combatentes, é seguir na mesa de negociações para chegar a um acordo de paz definitivo.

Leia tudo sobre: colombiafarcacordohavanacubasuarezsantoslondono

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas