As forças do governo apertaram neste domingo o círculo em torno do principal reduto dos rebeldes, a cidade de Donetsk

Reuters

Um porta-voz do Exército ucraniano rejeitou neste domingo (10) um pedido de cessar-fogo de um líder separatista, afirmando que isso só acontecerá quando os rebeldes mostrarem a "bandeira branca" e se renderem.

Enquanto isso, os separatistas voltaram atrás em seu discurso anterior de um possível cessar-fogo e afirmaram que o Exército ucraniano tinha que primeiro acabar com a ação militar.

Saiba:  Quais são as motivações da Rússia na crise da Ucrânia?

Atiradores expulsam investigadores do local onde caiu avião na Ucrânia

As forças do governo apertaram neste domingo o círculo em torno do principal reduto dos rebeldes, a cidade industrial de Donetsk. Moradores reportaram fortes bombardeios desde o início da manhã.

Um líder da autoproclamada República do Povo de Donetsk havia afirmado no sábado que os rebeldes estavam prontos para uma trégua com as forças do governo para permitir a entrada de ajuda humanitária.

Respondendo a uma pergunta de jornalista no domingo, o porta-voz do Exército Andriy Lysenko disse: "Se houver essa alternativa, deve ser realizada através de meios práticos e não por palavras --levantando bandeiras brancas e baixando armas."

Veja fotos da crise humanitária na Ucrânia

"Ainda não vimos essas medidas práticas", disse ele.

Em comunicado divulgado mais tarde, os rebeldes disseram que continuam prontos para uma trégua temporária para impedir "uma catástrofe humanitária".

Mas acrescentaram: "Enquanto o Exército ucraniano continuar com a ação militar, não pode haver cessar-fogo."


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.