Ministro de Direitos Humanos do país disse que ainda que cerca de 300 mulheres foram sequestradas como escravas

Reuters

 Militantes do Estado Islâmico mataram ao menos 500 membros da minoria étnica iraquiana Yazidi durante sua ofensiva no norte, afirmou à Reuters neste domingo (10) o ministro de Direitos Humanos do Iraque.

Saiba mais:  Conheça o Estado Islâmico do Iraque e do Levante, grupo que avança no país árabe

Rebeldes declaram criação de Estado Islâmico em áreas tomadas no Iraque e Síria

Mohammed Shia al-Sudani afirmou que os militantes sunitas também enterraram vivas algumas de suas vítimas, incluindo mulheres e crianças. Cerca de 300 mulheres foram sequestradas como escravas, completou ele.

"Temos evidências notáveis obtidas juntos aos Yazidis que fugiam de Sinjar e a alguns que escaparam da morte, e também imagens da cena do crime que mostram que as gangues do Estado Islâmico executaram ao menos 500 Yazidis após tomarem Sinjar", disse Sudani em entrevista por telefone, em sua primeira declaração à imprensa sobre a questão.

Sinjar é a antiga casa dos Yazidis, uma das cidades capturadas pelos militantes sunitas que consideram a comunidade "adoradores do diabo" e dizem que eles devem se converter ao Islã ou enfrentar a morte.

    Leia tudo sobre: estado islâmico
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.