Em eleição presidencial inédita no país, turcos vão às urnas neste domingo

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

É a primeira vez na história que turcos votam para presidente, um cargo cerimonial; país tem regime parlamentarista

BBC

Turcos vão às urnas neste domingo na primeira eleição direta para presidente na história do país.

A disputa é entre três candidatos, incluindo o atual primeiro-ministro, Recep Tayyip Erdogan. Se nenhum dos candidatos obter mais de 50% dos votos, um segundo turno será realizado no dia 24 de agosto.

AP
Três candidatos concorrem na primeira eleição direta para presidente na Turquia

Os outros dois candidatos são o pouco conhecido diplomata Ekmeleddin Ihsanoglu e o político curdo Selahattin Demirtas.

Erdogan, 60, diz que, se eleito, transformará o cargo de presidente, em grande parte cerimonial, na potência executiva do país. Ele é primeiro-ministro desde 2003 e está impedido de concorrer novamente ao cargo.

O correspondente da BBC Mark Lowen, em Ancara, diz que Erdogan é uma figura divisiva, adorado por seus partidários por transformar a economia, mas odiado pelos críticos por um estilo de confronto e tendências islâmicas.

Em seu último comício na cidade de Konya, no sábado, Erdogan prometeu desenvolver os príncipios democráticos e a economia da Turquia para criar um "líder mundial e uma potência global".

"Não há nenhum sonho inatingível ou objetivo inatingível para esta nação", disse.

A Turquia - cercada pelos conflitos no Iraque, Síria e Ucrânia - é uma importante aliada do Ocidente, disse Lowen, e quem se tornar chefe de Estado vai assumir um país com uma posição geopolítica chave.

Ihsanoglu, 71, é o candidato conjunto dos dois principais partidos de oposição no Parlamento, o partido de centro-esquerda CHP (Partido Republicano do Povo) e o de extrema direita MHP (Partido do Movimento Nacionalista).

Ex-secretário-geral da Organização de Cooperação Islâmica entre 2004 e este ano, Ihsanoglu prometeu defender o papel tradicional do presidente, insistindo que não cabe ao chefe de Estado se envolver no dia-a-dia da política.

Demirtas, 41, é um político bem conhecido da minoria curda e líder do esquerdista HDP. Correspondentes dizem que ele tem focado sua campanha em defender a causa de oprimidos, pobres, jovens e classes trabalhadoras.

Demirtas realizou seu último comício na cidade de Izmir. "Não podemos construir a nossa união acusando um ao outro. Vamos mostrar nossas cores nas urnas amanhã com nossas identidades e crenças oprimidos", disse.

Leia tudo sobre: turquiaeleições

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas