EUA intensificam ataques aéreos contra militantes no Iraque

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Estados Unidos fizeram novos ataques ao grupo radical no Iraque após pedido de Obama para evitar "genocídio"

Reuters

Aviões de guerra dos Estados Unidos bombardearam combatentes islâmicos a caminho da capital do Curdistão iraquiano nesta sexta-feira depois que o presidente norte-americano, Barack Obama, disse que Washington deve agir para evitar um "genocídio".

Os combatentes do Estado Islâmico, que decapitaram e crucificaram prisioneiros na sua ânsia de erradicar descrentes, chegaram perto de Arbil, capital da região curda do Iraque e pólo industrial de empresas norte-americanas.

Após bombardeio, EUA proíbem companhias aéreas de sobrevoar o Iraque

Hoje: EUA bombardeiam alvos de grupo extremista no Iraque

Membros do Exército feminino treinam habilidades de combate antes de combaterem o Estado Islâmico em acampamento militar no Iraque (18/09). Foto: ReutersMilitar curdo lança morteiros em direção Zummar, controlada pelo Estado Islâmico, em Mosul, Iraque (15/09). Foto: ReutersMilitantes do Estado Islâmico levam soldados iraquianos capturados depois de assumir base em Tikrit, Iraque (junho/2014). Foto: APObama prometeu ofensiva com ataques aéreos na Síria e no Iraque para combater EI (12/09). Foto: ReutersMilitares curdos em tanque enfrentam militantes do Estado islâmico em Mosul, Iraque (7/09). Foto: ReutersMilitante curdo dá cobertura durante confrontos do Estado Islâmico na linha de frente da vila de Buyuk Yeniga, Iraque (4/09). Foto: ReutersMilicianos xiitas do Iraque disparam suas armas enquanto celebram a quebra de cerco do Estado Islâmico em Amerli (1/09). Foto: ReutersGrupo carrega caixão de militante xiita iraquiano da Organização Badr, que foi morto em confrontos com militantes do Estado Islâmico no Iraque (1/09). Foto: ReutersCriança chora em helicóptero militar após ser retirada pelas forças iraquianas de Amerli, ao norte de Bagdá (29/08). Foto: ReutersCurdos e militantes islâmicos lutam no norte do Iraque (12/08). Foto: ReutersIraquianos carregam retratos do primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki enquanto se reúnem em apoio a ele em Bagdá, Iraque (11/08). Foto: ReutersMilhares de iraquianos fugiram com avanço de militantes do EI, inclusive integrantes de minorias religiosas (9/08). Foto: APTropas curdas implantam segurança intensa contra os militantes islâmicos do Estado em Khazer (8/08). Foto: ReutersTropas curdas patrulham em um tanque durante operação contra militantes do Estado Islâmico em Makhmur, nos arredores da província de Nínive, Iraque (7/08). Foto: ReutersParentes choram a morte de homem da YPG, morto durante confrontos com combatentes do Estado Islâmico na cidade iraquiana de  Rabia, na fronteira do Iraque-Síria (6/08). Foto: ReutersVoluntários xiitas do Exército iraquiano se recuperam em hospital após serem feridos em confrontos com militantes do Estado Islâmico em Basra, sudeste de Bagdá (6/08). Foto: ReutersMulher visita túmulo de um parente em cemitério durante as celebrações do Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, em Bagdá (28/07). Foto: ReutersSoldado iraquiano perto de corpo de um membro do Estado Islâmico que morreu durante confrontos com forças iraquianas em Tikrit, Iraque (19/07). Foto: ReutersBandeira preta usada pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante flamula de delegacia danificada em Mosul, norte do Iraque (1/7). Foto: APVoluntário xiita do Conselho Supremo Islâmico Iraquiano aponta arma durante treinamento em Najaf, Iraque (26/6). Foto: ReutersMembros das forças de segurança iraquianas tomam suas posições durante reforço de segurança no oeste de Bagdá, Iraque (24/6). Foto: ReutersXiitas iraquianos se preparam para patrulhar a aldeia de Taza Khormato, na rica província petrolífera de Kirkuk, no Iraque (22/6). Foto: APCombatentes xiitas levantam suas armas e entoam palavras de ordem após autoridades pedirem ajuda para conter os insurgentes em Sadr, em Bagdá, Iraque (17/06). Foto: APManifestantes gritam em favor do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em frente do governo provincial de Mosul (16/4). Foto: APCombatentes tribais xiitas mostram suas armas enquanto tomam parte de Dujail, ao norte de Bagdá, Iraque (16/06). Foto: ReutersCombatentes tribais xiitas levantam suas armas e gritam palavras de ordem contra sunita Exército Islâmico em Basra, Iraque (16/6). Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL mirando contra soldados à paisana depois de tomar base in Tikrit, Iraque. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque
. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque. Foto: APCombatentes iraquianos xiitas seguram suas armas enquanto gritam palavras de ordem contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante em Cidade Sadr, Bagdá (13/6). Foto: APVoluntários esperam para se juntar ao Exército e combater militantes predominantemente sunitas em Bagdá, Iraque (13/6). Foto: ReutersPresidente dos EUA, Barack Obama, fala sobre a situação no Iraque em pronunciamento na Casa Branca, em Washington (13/6). Foto: APImagem postada em Twitter militante mostra membro do Estado Islâmico do Iraque e do Levante com sua bandeira em base militar na Província de Ninevah, Iraque (12/6). Foto: APImagem publicada por militantes no Twitter mostra combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em local na fronteira entre o Iraque e a Síria (12/6). Foto: APMuitas famílias começaram a deixar Mosul depois de ocupação por insurgentes sunitas (13/6). Foto: ReutersForças de segurança curda se posicionam do lado de fora da cidade petrolífera de Kirkuk após abandono de tropas iraquianas (12/6). Foto: APVeículos queimados pertencentes às forças de segurança iraquianas são vistos em posto de controle no leste de Mosul (11/6). Foto: ReutersPolicial federal do Iraque monta aguarda enquanto colega faz buscas em carro em posto de controle de Bagdá, Iraque (11/6). Foto: APFamílias que fogem da violência na cidade de Mosul esperam em posto de controle nos arredores de Irbil, região do Curdistão iraquiano (10/6). Foto: ReutersRefugiados que deixam Mosul se dirigem à região autônoma curda em Irbil, Iraque, a 350 km a norte de Bagdá (10/6). Foto: APMilitares se preparam para assumir suas posições durante confrontos com militantes no norte da cidade de Mosul, Iraque (9/06). Foto: AP

O grupo ainda assumiu o controle da maior represa iraquiana, confirmaram autoridades curdas nesta sexta-feira, o que pode permitir ao grupo inundar cidades e interromper parte do suprimento de água e energia.

O secretário de imprensa do Pentágono, contra-almirante John Kirby, disse que dois caças F/A-18 de um porta-aviões localizado no Golfo Pérsico lançaram bombas teleguiadas de 500 libras contra uma peça de artilharia móvel usada pelos combatentes para bombardear forças que defendem Arbil.

Na tarde desta sexta-feira, o Pentágono informou em comunicado que o Exército norte-americano realizou mais dois ataques aéreos contra as forças do Estado Islâmico perto de Arbil.

Um veículo aéreo não-tripulado, também conhecido como drone, atacou uma posição de lançamento de morteiro, e jatos F/A-18 alvejaram um comboio e um local de disparo de morteiros, acrescentou um comunicado do Pentágono.

Obama autorizou o primeiro ataque aéreo dos EUA no Iraque desde que retirou todas as tropas em 2011, argumentando ser preciso agir para deter o avanço do Estado Islâmico, proteger norte-americanos e salvaguardar centenas de milhares de cristãos e membros de outras minorias religiosas que fugiram para salvar suas vidas.

Os EUA também começaram lançamentos aéreos de suprimentos de emergência a membros da etnia Yazidi, dezenas de milhares dos quais estão em uma montanha deserta para evitar os combatentes, que ordenaram que eles se convertam ou morrerão.

O Departamento de Estado norte-americano disse que aviões lançaram 72 cargas com mantimentos, incluindo oito mil refeições prontas para consumo e milhares de litros de água potável.

“No início desta semana, um iraquiano na região gritou ao mundo ‘não há ninguém vindo ajudar’”, declarou Obama em um discurso à nação televisionado na noite de quinta-feira. “Bem, hoje os Estados Unidos estão chegando para ajudar.”

“Podemos agir de forma cuidadosa e responsável para evitar um potencial ato de genocídio.”

A Casa Branca afirmou nesta sexta-feira que os ataques irão durar enquanto a situação da segurança exigir.

O Estado Islâmico se mostrou desafiador. Um combatente disse à Reuters por telefone que o ataque aéreo dos EUA “não terá impacto sobre nós”.

O avanço dos militantes sunitas, que também controlam um terço da Síria e lutaram no Líbano nesta semana, disparou o alarme no Oriente Médio e ameaça desmembrar o Iraque, país já dividido entre xiitas, sunitas e curdos.

Os ataques aéreos norte-americanos estimularam reações em fóruns jihadistas on-line pedindo ataques contra os EUA e os interesses petrolíferos no Golfo. "Os mujahideen precisam se esforçar... para disciplinar os EUA e seus soldados criminosos", dizia uma mensagem no fórum jihadista Shumukh al-Islam, segundo o serviço de monitoramento SITE.

Em Bagdá, onde os políticos estão paralisados pelas disputas internas enquanto o Estado se desfaz, o principal clérigo xiita exigiu a renúncia do primeiro-ministro, Nuri al-Maliki, uma intervenção ousada que poderia derrubar o veterano governante.

Um porta-voz humanitário da Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou que cerca de 200 mil pessoas que fogem do avanço dos islâmicos chegaram à cidade de Dohuk, no rio Tigre, no Curdistão iraquiano e em áreas próximas da província de Nínive. Dezenas de milhares fugiram mais para o norte, rumo à fronteira com a Turquia, disseram autoridades turcas.

Leia tudo sobre: MUNDOEUABOMBARDEIOIRAQUE

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas