EUA bombardeiam alvos de grupo extremista no Iraque

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Caças lançaram bombas contra militantes do Estado Islâmico, diz Pentágono; EUA enviaram suprimentos a civis na quinta (7)

Caças americanos lançaram bombas contra militantes islâmicos no Iraque nesta sexta-feira (8), de acordo com o Pentágono, colocando em prática a promessa do presidente Barack Obama de usar forças militares para combater os militantes que avançam e ameaçam a vida de civis iraquianos e americanos.

Ontem: Estado Islâmico toma maior cidade cristã do Iraque; milhares de cristãos fogem

Reuters
Tropas curdas patrulham em um tanque durante operação contra militantes do Estado Islâmico em Makhmur, nos arredores da província de Nínive, Iraque (7/08)


Quarta: Ataque aéreo de forças do Iraque a tribunal de grupo islâmico deixa 60 mortos

O secretário de imprensa do Pentágono, o contra-almirante John Kirby, disse que dois jatos F/A-18 lançaram bombas de 227 quilos sobre o norte do país.

Em um discurso televisionado na quinta, Obama ameaçou renovar o envolvimento militar americano na longa guerra sectária do Iraque. Ele disse que os aviões militares norte-americanos já haviam realizado ações de comida e água, a pedido do governo iraquiano, para dezenas de milhares de minorias religiosas iraquianas no topo de uma montanha cercada por militantes e que precisavam desesperadamente de suprimentos.

“Os EUA estão chegando com ajuda”, disse o presidente durante pronunciamento na Casa Branca.

Julho: Vídeo feito por militantes sunitas tenta aterrorizar soldados iraquianos

Os Yazidis, que seguem uma religião antiga com laços com o zoroastrismo, fugiram de suas casas depois que o grupo Estado Islâmico lançou um ultimato para o grupo se converter ao Islã, pagar multa religiosa, fugir de suas casas ou encarar a morte.

"No início desta semana, um iraquiano na área gritou ao mundo: 'Não há ninguém vindo para ajudar'. Bem, hoje os EUA estão chegando para ajudar ", disse Obama.

"Também estamos consultando outros países - e as Nações Unidas - que pediram medidas para resolver essa crise humanitária."

O anúncio reflete o profundo envolvimento americano com o Iraque desde que as tropas dos EUA se retiraram do país no final de 2011 depois de quase uma década de guerra. Obama, que fez seu discurso em um tom firme, apostou grande parte de seu legado como presidente em acabar com o que ele chamou de "guerra estúpida" no Iraque.

Consciente da aversão do público a outra longa guerra, Obama reconheceu que a perspectiva de uma nova rodada de ação militar dos EUA no país seria um motivo de preocupação entre muitos americanos. Ele prometeu novamente não enviar tropas de combate norte-americanas ao Iraque e disse que não haverá solução militar do país para a crise.

Europa: França oferece asilo a cristãos iraquianos de Mosul

"Como comandante chefe, não vou permitir que os Estados Unidos se arrastem em uma outra guerra no Iraque", disse Obama.

Mesmo assim, ele esboçou uma justificativa para os ataques aéreos. Segundo ele, a ação impediria que os militantes do Estado Islâmico avançassem sobre as tropas americanas no norte da cidade de Erbil e do consulado dos EUA na região curda do Iraque.

Membros do Exército feminino treinam habilidades de combate antes de combaterem o Estado Islâmico em acampamento militar no Iraque (18/09). Foto: ReutersMilitar curdo lança morteiros em direção Zummar, controlada pelo Estado Islâmico, em Mosul, Iraque (15/09). Foto: ReutersMilitantes do Estado Islâmico levam soldados iraquianos capturados depois de assumir base em Tikrit, Iraque (junho/2014). Foto: APObama prometeu ofensiva com ataques aéreos na Síria e no Iraque para combater EI (12/09). Foto: ReutersMilitares curdos em tanque enfrentam militantes do Estado islâmico em Mosul, Iraque (7/09). Foto: ReutersMilitante curdo dá cobertura durante confrontos do Estado Islâmico na linha de frente da vila de Buyuk Yeniga, Iraque (4/09). Foto: ReutersMilicianos xiitas do Iraque disparam suas armas enquanto celebram a quebra de cerco do Estado Islâmico em Amerli (1/09). Foto: ReutersGrupo carrega caixão de militante xiita iraquiano da Organização Badr, que foi morto em confrontos com militantes do Estado Islâmico no Iraque (1/09). Foto: ReutersCriança chora em helicóptero militar após ser retirada pelas forças iraquianas de Amerli, ao norte de Bagdá (29/08). Foto: ReutersCurdos e militantes islâmicos lutam no norte do Iraque (12/08). Foto: ReutersIraquianos carregam retratos do primeiro-ministro iraquiano Nuri al-Maliki enquanto se reúnem em apoio a ele em Bagdá, Iraque (11/08). Foto: ReutersMilhares de iraquianos fugiram com avanço de militantes do EI, inclusive integrantes de minorias religiosas (9/08). Foto: APTropas curdas implantam segurança intensa contra os militantes islâmicos do Estado em Khazer (8/08). Foto: ReutersTropas curdas patrulham em um tanque durante operação contra militantes do Estado Islâmico em Makhmur, nos arredores da província de Nínive, Iraque (7/08). Foto: ReutersParentes choram a morte de homem da YPG, morto durante confrontos com combatentes do Estado Islâmico na cidade iraquiana de  Rabia, na fronteira do Iraque-Síria (6/08). Foto: ReutersVoluntários xiitas do Exército iraquiano se recuperam em hospital após serem feridos em confrontos com militantes do Estado Islâmico em Basra, sudeste de Bagdá (6/08). Foto: ReutersMulher visita túmulo de um parente em cemitério durante as celebrações do Eid al-Fitr, que marca o fim do Ramadã, em Bagdá (28/07). Foto: ReutersSoldado iraquiano perto de corpo de um membro do Estado Islâmico que morreu durante confrontos com forças iraquianas em Tikrit, Iraque (19/07). Foto: ReutersBandeira preta usada pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante flamula de delegacia danificada em Mosul, norte do Iraque (1/7). Foto: APVoluntário xiita do Conselho Supremo Islâmico Iraquiano aponta arma durante treinamento em Najaf, Iraque (26/6). Foto: ReutersMembros das forças de segurança iraquianas tomam suas posições durante reforço de segurança no oeste de Bagdá, Iraque (24/6). Foto: ReutersXiitas iraquianos se preparam para patrulhar a aldeia de Taza Khormato, na rica província petrolífera de Kirkuk, no Iraque (22/6). Foto: APCombatentes xiitas levantam suas armas e entoam palavras de ordem após autoridades pedirem ajuda para conter os insurgentes em Sadr, em Bagdá, Iraque (17/06). Foto: APManifestantes gritam em favor do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em frente do governo provincial de Mosul (16/4). Foto: APCombatentes tribais xiitas mostram suas armas enquanto tomam parte de Dujail, ao norte de Bagdá, Iraque (16/06). Foto: ReutersCombatentes tribais xiitas levantam suas armas e gritam palavras de ordem contra sunita Exército Islâmico em Basra, Iraque (16/6). Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL mirando contra soldados à paisana depois de tomar base in Tikrit, Iraque. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque
. Foto: APImagem postada em site militante em 14/6 parece mostrar membros do EIIL com soldados iraquianos à paisana capturados após tomada de base em Tikrit, Iraque. Foto: APCombatentes iraquianos xiitas seguram suas armas enquanto gritam palavras de ordem contra o Estado Islâmico do Iraque e do Levante em Cidade Sadr, Bagdá (13/6). Foto: APVoluntários esperam para se juntar ao Exército e combater militantes predominantemente sunitas em Bagdá, Iraque (13/6). Foto: ReutersPresidente dos EUA, Barack Obama, fala sobre a situação no Iraque em pronunciamento na Casa Branca, em Washington (13/6). Foto: APImagem postada em Twitter militante mostra membro do Estado Islâmico do Iraque e do Levante com sua bandeira em base militar na Província de Ninevah, Iraque (12/6). Foto: APImagem publicada por militantes no Twitter mostra combatentes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante em local na fronteira entre o Iraque e a Síria (12/6). Foto: APMuitas famílias começaram a deixar Mosul depois de ocupação por insurgentes sunitas (13/6). Foto: ReutersForças de segurança curda se posicionam do lado de fora da cidade petrolífera de Kirkuk após abandono de tropas iraquianas (12/6). Foto: APVeículos queimados pertencentes às forças de segurança iraquianas são vistos em posto de controle no leste de Mosul (11/6). Foto: ReutersPolicial federal do Iraque monta aguarda enquanto colega faz buscas em carro em posto de controle de Bagdá, Iraque (11/6). Foto: APFamílias que fogem da violência na cidade de Mosul esperam em posto de controle nos arredores de Irbil, região do Curdistão iraquiano (10/6). Foto: ReutersRefugiados que deixam Mosul se dirigem à região autônoma curda em Irbil, Iraque, a 350 km a norte de Bagdá (10/6). Foto: APMilitares se preparam para assumir suas posições durante confrontos com militantes no norte da cidade de Mosul, Iraque (9/06). Foto: AP

Violência: Polícia encontra 15 corpos com marcas de execução em Bagdá

As tropas foram enviadas para o Iraque no início deste ano, como parte da resposta da Casa Branca ao movimento rápido do grupo extremista do outro lado da fronteira com a Síria.

"Quando a vida de cidadãos norte-americanos está em risco, tomaremos medidas", disse Obama. "Essa é a minha responsabilidade como comandante chefe."

Ele disse que também havia autorizado o bombardeio a alvos, se fossem necessários, para ajudar as forças de segurança iraquianas a proteger seus civis.

Obama se pronunciou um dia após discussões urgentes com sua equipe de segurança nacional. Ele falou à nação somente após o avião militar americano que entregou alimentos e água para os iraquianos deixar, com segurança, o norte do Iraque.

Militantes: Homens armados sequestram e libertam autoridade sunita em Bagdá

O Pentágono disse que os ataques aéreos foram realizados por um C-17 e dois C-130 de carga que, juntos, entregaram um total de 72 pacotes de comida e água. Eles foram escoltados por dois F/A-18 de uma base aérea não revelada na região. Os aviões entregaram 5.300 galões (20 mil litros) de água potável e 8 mil refeições pré-embaladas.

O presidente lançou a missão de ajuda aos yazidis como parte do objetivo americano de ajudar, quando os EUA têm capacidade de evitar um massacre. Nesses casos, disse Obama, "podemos agir com cuidado e responsabilidade para evitar um potencial ato de genocídio."

Autoridades disseram que os EUA estavam preparados para realizar lançamentos aéreos humanitárias adicionais, se necessário, embora eles não tenham dito o quão rapidamente essas missões podem ocorrer.

Renda: Contrabando de petróleo financia o Estado Islâmico no Iraque, diz autoridade

Funcionários do governo disseram acreditar que ataques unilaterais dos EUA seriam consistentes com o direito internacional, em parte porque o governo iraquiano pediu a Washington uma intervenção militar. Eles também disseram que Obama tinha autoridade constitucional para agir por conta própria a fim de proteger os cidadãos norte-americanos.

Ainda assim, não havia garantia de que a ameaça de ataques militares seriam realmente seguidas de uma ação. Obama também autorizou bombardeios na Síria no verão passado depois de armas químicas terem sido implantadas no país, mas os ataques nunca foram realizados, em parte devido a preocupações políticas internas, e também por causa de um acordo internacional para tirar da Síria seus estoques de gases mortais.

O presidente também tem enfrentado chamadas persistentes para tomar uma ação militar na Síria por razões humanitárias, já que mais de 170 mil foram mortos no país. Os críticos, incluindo alguns republicanos no Congresso, têm argumentado que a abordagem cautelosa de Obama sobre a Síria permitiu que o grupo Estado Islâmico se fortalecesse e crescesse até ultrapassar a fronteira rumo ao Iraque e fazer rápidas ocupações no país.

Senadores republicanos como John McCain, do Arizona, e Lindsey Graham, da Carolina do Sul, elogiou as ações propostas por Obama na noite de quinta, mas disseram que muitas outras seriam necessárias.

"Isso deve incluir ajuda militar e outros tipos de assistência aos curdos, iraquianos, sírios e outros parceiros" que estão lutando contra militantes, ataques aéreos, entre outros, além de apoiar forças iraquianas sunitas que procuram resistir aos extremistas, disseram eles por meio de comunicado.

Em função das ações dos militantes, Obama despachou cerca de 800 forças dos EUA ao Iraque no início deste ano, soldados em grande parte divididos entre os centros de operações conjuntas em Bagdá e Erbil.

Mais da metade fornece segurança para a embaixada e pessoal dos EUA. Membros do serviço americano também estão envolvidos na melhoria da inteligência dos EUA, fornecendo cooperação de segurança.

*Com AP

Leia tudo sobre: eiileiil no iraqueobamaeuabombardeio

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas