Confrontos deixaram ao menos 54 feridos; segundo moradores de Donetsk, aviões ucranianos bombardearam toda a região

Reuters

Novos combates com rebeldes separatistas deixaram 18 soldados ucranianos mortos e 54 feridos, de acordo com porta-voz dos militares nesta quarta-feira (6).

Ontem: Chanceler polonês diz que Rússia pretende pressionar ou invadir Ucrânia

Membro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia
AP
Membro de equipe antibomba inspeciona cratera com os restos de um projétil depois de uma noite de combates em Donetsk, Ucrânia


Dia 4: Soldados ucranianos entram na Rússia; Moscou diz que eles buscam asilo

O porta-voz, Andriy Lysenko, disse que as forças do governo entraram em confronto com separatistas 25 vezes em áreas do leste da Ucrânia próximas à fronteira russa nas 24 horas anteriores à manhã de quarta-feira, enquanto continuam a avançar contra as posições rebeldes.

As forças ucranianas foram novamente bombardeadas a partir do território russo, disse o porta-voz, enquanto guardas de fronteira próximos à cidade de Luhansk foram submetidos a quatro horas de ataques de morteiros e artilharia.

"Nas últimas 24 horas, 18 membros das Forças Armadas foram mortos em batalha e 54 ficaram feridos", disse Lysenko a jornalistas, acrescentando que as vítimas participavam de diferentes incidentes no leste.

Dia 31: Ucrânia corta abastecimento de alimentos a reduto de rebeldes no leste do país

As tropas do governo têm combatido os rebeldes desde abril no leste da Ucrânia, em um conflito que o Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos diz já ter custado a vida de mais de 1.100 pessoas, entre membros das forças do governo, rebeldes e civis.

As mortes recentes entre as forças do governo sugerem que as vítimas entre os militares de Kiev chegam a 400.

Moradores de Donetsk, principal centro industrial e agora maior reduto dos rebeldes, disseram que aviões ucranianos bombardearam a cidade durante a noite.

Dia 30: Líderes do G7 pressionam Rússia por tentar minar a soberania da Ucrânia

Uma moradora, que se identificou apenas pelo primeiro nome como Svetlana, disse: "Foi terrível. Foi o ataque mais forte até agora. As paredes do apartamento tremeram quando (o míssil) atingiu o mercado e a parada de ônibus ao lado."

Lysenko, ao ser questionado sobre os relatos, negou que aviões ucranianos tenha conduzido ataques aéreos contra a cidade de cerca de 1 milhão de habitantes e disse que o único avião ucraniano próxima a Donetsk foi uma aeronave de comunicação em apoio às tropas em solo.

Leia todas as notícias sobre o conflito na Ucrânia

"As Forças Armadas ucranianas não bombardeiam as cidades de Donetsk e Luhansk ou qualquer outra localidade povoada semelhante", disse ele.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.