Número de mortos após terremoto na China sobe e chega a 398

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Governo chinês anunciou o envio de milhares de socorristas ao local; número de vítimas deve subir em comunidades vizinhas

O número de vítimas do terremoto de magnitude 6,3 que atingiu o sudoeste da China no domingo (3) subiu para 398 pessoas, noticiou a mídia estatal nesta segunda-feira (4).

Ontem: Terremoto na China mata ao menos 367 e deixa mais de 1.300 feridos; vídeo

AP
Socorristas transportam ferido após terremoto em Ludian, cidade da província de Yunnan, sudoeste da China (3/08)


Assista: Confira o momento exato do terremoto na China

A China disse ter enviado milhares de policiais, soldados e bombeiros para o local do desastre. O premiê Li Keqiang visitou a localidade nesta segunda, informou a agência de notícias estatal Xinhua, e solicitou uma ação rápida para a localização dos desaparecidos e das pessoas presas nos escombros.

O tremor em região remota da província Yunnan provocou o desabamento de milhares de construções, incluindo escolas, informou a Xinhua. O epicentro do terremoto foi na cidade de Longtoushan, no distrito montanhoso de Ludian.

Ma Yaoqi, voluntária de 18 anos, disse por telefone que pelo menos metade dos edifícios desabou na estrada do centro da cidade de Zhaotong para a cidade mais atingida de Longtou. O resto dos edifícios foram danificados, disse ela.

"Eu vi corpos sendo envoltos em mantas e levados", disse Ma, que havia chegado com outros 20 voluntários nesta segunda. "Alguns foram embalados em pequenas colchas. Aqueles devem ser crianças."

Imagens feitas pela emissora CCTV na aérea atingida pelo terremoto mostraram casas antigas ao chão, mas edifícios mais recentes de vários andares continuavam de pé. O terremoto de magnitude 6.1 ocorreu as 4h30 do domingo a uma profundidade de 10 km, de acordo com o Serviço Geológico dos EUA. Agência de monitoramento de terremoto da China informou que o abalo tinha 6,5 de magnitude.

Pessoas são socorridas após terremoto que atingiu 6,1 graus de magnitude. Foto: ReutersPessoas são socorridas após terremoto que atingiu 6,1 graus de magnitude. Foto: ReutersPessoas são socorridas após terremoto que atingiu 6,1 graus de magnitude. Foto: ReutersPessoas são socorridas após terremoto que atingiu 6,1 graus de magnitude. Foto: ReutersPessoas são ocorridas após terremoto que atingiu 6,1 graus de magnitude. Foto: ReutersTerremoto de magnitude 6,1 atingiu o sudoeste da China, derrubou edifícios e uma escola. Foto: Reuters

Chuvas e trovoadas estão sendo previstos para a tarde desta segunda, o que complicaria os esforços para trazer água, alimentos e outros suprimentos de emergência aos sobreviventes. Estradas cederam e equipes de resgate foram obrigadas a viajar a pé. Abalos repetitivos na região fazem do trabalho de resgate uma ação perigosa. O USGS mostrou quatro tremores de magnitude 4,5 e superior após o terremoto inicial.

O site da província de Yunnan informou que 398 pessoas foram mortas e 1.801 estavam feridas. Outras 29.400 foram retiradas do local, de acordo com a CCTV. O número de mortos deve subir após equipes de resgate chegar às comunidades remotas para avaliar vítimas.

Muitas das casas que desabaram em Ludian, cuja população é de ao menos 429 mil, eram velhas e feitas de tijolos, disse a Xinhua, acrescentando que a eletricidade e as telecomunicações foram cortadas. A região montanhosa onde o terremoto ocorreu é predominantemente agrícola, com a agricultura e mineração nas principais indústrias, e é propenso a terremotos.

Os esforços de socorro estão em andamento, com mais de 2.500 soldados enviados à região do desastre, disse a Xinhua. A Sociedade da Cruz Vermelha da China alocada trouxe mantas, casacos e tendas para os desabrigados, enquanto grupos da Cruz Vermelha em Hong Kong, Macau e da província de Sichuan vizinha também enviaram suprimentos de emergência.

Secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon ofereceu "suas condolências ao Governo chinês e as famílias dos mortos" por meio de um comunicado de seu escritório. Segundo o documento, a ONU estava pronta para "prestar seu apoio aos esforços e responder às necessidades humanitárias" e "para mobilizar todo o apoio internacional necessário". A Casa Branca também ofereceu condolências.

"Nossos pensamentos e orações estão com as famílias daqueles que perderam suas vidas", disse o vice-porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Bernadette Meehan. "Os Estados Unidos estão prontos para ajudar."

Em 1970, um terremoto de magnitude 7,7 em Yunnan matou pelo menos 15 mil pessoas e um terremoto de magnitude 7,1, na província matou mais de 1.400 em 1974. Em setembro de 2012, 81 pessoas morreram e 821 ficaram feridas em uma série de terremotos no região de Yunnan. Em maio de 2008, um terremoto poderoso na província de Sichuan deixou quase 90 mil pessoas mortas ou desaparecidas.

*Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: terremoto na chinachinadesastrexinhuayannuanludiansichuankeqiang

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas