'Ele está chocado e profundamente decepcionado com esses acontecimentos', segundo porta-voz da ONU Stephane Dujarric

Reuters

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou nesta sexta-feira (1) a violação relatada em Gaza de um cessar-fogo humanitário de 72 horas pelo grupo islamita Hamas, e exigiu a imediata e incondicional libertação de um soldado israelense capturado.

Hoje: Trégua termina e soldado israelense é sequestrado na Faixa de Gaza, diz Israel

Manifestante palestino joga pedra na polícia israelense durante confrontos em protesto contra ofensiva em Gaza, na cidade de Belém, Cisjordânia
Reuters
Manifestante palestino joga pedra na polícia israelense durante confrontos em protesto contra ofensiva em Gaza, na cidade de Belém, Cisjordânia


Mais cedo: Soldado israelense é capturado em Gaza, diz Exército de Israel

"Ele está chocado e profundamente decepcionado com esses acontecimentos", disse o porta-voz da ONU Stephane Dujarric. "O secretário-geral está profundamente preocupado sobre a retomada dos ataque de Israel contra Gaza."

"O secretário-geral pede a ambos os lados que mostrem o máximo de contenção e retornem ao acordado cessar-fogo humanitário de 72 horas, que durou tragicamente um período tão curto de tempo", disse Dujarric.

Arábia Saudita

O rei Abdullah, da Arábia Saudita, rompeu seu silêncio nesta sexta-feira depois de três semanas de conflito na Faixa de Gaza, condenando o que qualificou como silêncio internacional sobre a ofensiva de Israel e descrevendo-a como crime de guerra e "terrorismo patrocinado pelo Estado".

A Arábia Saudita, que se considera um país líder no mundo muçulmano sunita, tem desempenhado um papel pouco relevante na diplomacia para restabelecer a calma em Gaza, deixando o Egito como principal representante do mundo árabe nos esforços para um cessar-fogo no território palestino, bem como o Catar, também uma monarquia do Golfo Pérsico.

Ação: Israel retoma ataques em Gaza após cessar-fogo ser rompido

"Nós vemos o sangue de nossos irmãos na Palestina derramado em massacres coletivos que não excluem ninguém, e crimes de guerra contra a humanidade sem escrúpulos, humanidade ou moralidade", disse Abdullah em um breve discurso lido em seu nome na televisão estatal.

“Essa comunidade (internacional), que tem observado em silêncio o que ocorre em toda a região, ficou indiferente com o que está ocorrendo, como se não fosse da sua conta. Um silêncio que não tem justificativa”, disse ele no discurso.

Assista: Israel divulga vídeo de ataque abortado por presença de crianças

Seu discurso, que focou principalmente no que ele descreveu como uma vasta ameaça da militância islâmica no Oriente Médio, foi divulgado depois de críticas por parte de alguns sauditas nas mídias sociais, incluindo clérigos proeminentes, que questionaram o silêncio d o governo em relação à crise de Gaza.

Imperador saudita criticou os militantes e afirmou que eles estão matando inocentes e mutilando seus corpos, em contravenção aos ensinamentos islâmicos. Ele pediu que os líderes e estudiosos da religião na região evitem que o Islã seja dominado pelos militantes.

Ontem: Israel e Hamas acertam cessar-fogo humanitário de 72 horas em Gaza

O rei Abdullah não mencionou nenhum grupo, mas parecia se referir à violência em países vizinhos, como Iraque e Síria, onde o grupo Estado Islâmico capturou porções dos dois territórios, matando dezenas de pessoas e forçando cristãos a fugirem.

A política da Arábia Saudita em relação à Gaza tem como complicador sua desconfiança do governo do Hamas, um movimento islâmico com estreitos vínculos ideológicos e políticos com a Irmandade Muçulmana, que o governo saudita considera uma organização terrorista.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.