Mulheres devem evitar rir em público em nome da decência, diz vice-premiê turco

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Bulent Arinc criticou também o uso excessivo do celular pelas turcas e disse que as telenovelas deixaram a sociedade 'frouxa'

Um dos membros mais graduados do governo turco provocou uma onda de protestos depois de declarar que as mulheres não devem rir alto e em público, de acordo com o The Guardian.

Dia 1: Premiê da Turquia oficializa candidatura à presidência, que terá mais poderes

Reprodução/Youtube
As declarações de Bulent Arinc levantaram uma série de discussões políticas na Turquia


2013: Vice-premiê diz que Turquia pode usar Exército para reprimir protestos

O vice-premiê da Turquia, Bulent Arinc, um dos co-fundadores do Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP), cuja origem é islâmica, fez o comentário enquanto lamentava o declínio moral da sociedade moderna.

"Um homem deve ter moral, mas as mulheres também. Elas deveriam saber o que é decente e o que não é", disse Arinc em discurso a uma plateia composta principalmente pelo público masculino na segunda-feira (28), na região ocidental de Bursa, enquanto mencionava o feriado que marca o fim do Ramadã.

"Elas não deveriam rir alto na frente de todo o mundo e deveriam preservar sua decência", acrescentou.

Junho: Premiê turco chama repórter da CNN de 'agente' por cobertura dos protestos

As regras do partido do primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan têm sido vistas como uma tentativa de minar a estrita separação entre religião e Estado na Turquia - a base da república secular fundada por Mustafa Kemal Atatürk.

Em seu discurso, Arinc afirma denunciar a degradação moral que deixou a sociedade repleta de drogas e prostituição. A mídia turca divulgou ainda críticas do político sobre as novelas populares turcas que, em sua opinião, incentivam um estilo de vida "frouxo", segundo o The Guardian.

Ele também denunciou o uso excessivo de automóveis dizendo que, se até mesmo o "rio Nilo estivesse cheio de gasolina", não seria o suficiente. Arinc criticou ainda o uso excessivo de telefones celulares na sociedade turca, dizendo que mulheres "passar horas no telefone para trocar receitas".

Imitando uma turca ao celular, ele ironizou: "'Não há mais nada acontecendo? O que houve com a filha de Ayse? Quando é o casamento?' - As pessoas deveriam falar dessas coisas pessoalmente."

Seus comentários provocaram uma tempestade de críticas na mídia social, enquanto as tensões políticas crescem e Erdogan se prepara para se candidatar às eleições presidenciais de 10 de agosto.

O principal rival de Erdogan nas pesquisas, o ex-chefe da Organização da Cooperação Islâmica, Ekmeleddin Ihsanoglu, foi ao Twitter zombar de Arinc. "Precisamos ouvir o riso das mulheres felizes", escreveu ele.

Páginas na internet contrárias a Erdogan responderam com ainda mais raiva. Um usuário do Twitter comentou: "Pare de nos dar lições de moral e, ao invés disso, conte todo o dinheiro que você roubou", referindo-se as denúncias de corrupção contra Erdogan e seu círculo que surgiram no ano passado.

Um muçulmano devoto que não bebe e cuja esposa usa hijab, Erdogan sempre negou qualquer desejo de minar os princípios seculares da Turquia.

Leia tudo sobre: vice premie turcoturquiaarincerdoganmachismo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas