A mãe da pequena Shimah tinha sido morta em ataque a míssil contra prédio; ela tinha 50% de chance de viver, disse médico

BBC

Morreu nesta quarta-feira (30) a bebê que havia sido retirada viva de dentro do cadáver de sua mãe na Faixa de Gaza.

Hoje: ONU acusa Israel de ignorar alertas e atacar escola com refugiados em Gaza

A pequena Shimah nasceu após uma cesariana de emergência
Reprodução/BBC
A pequena Shimah nasceu após uma cesariana de emergência


Ontem: Israel intensifica ataques em Gaza; ao menos 1.156 palestinos foram mortos

A pequena Shimah nasceu após uma cesariana de emergência na sexta-feira, horas depois de um ataque aéreo israelense ter destruído a casa de sua família.

O corpo da mãe foi encontrado sob os escombros da casa, e médicos disseram que a bebê tinha 50% de chances de sobreviver. Shimah, que foi batizada com o nome da mãe, nascera prematura. Ela sobreviveu cinco dias e foi enterrada ao lado da mãe nesta quarta-feira.

Nas últimas semanas, o conflito em Gaza já matou pelo menos 1,2 mil palestinos e 55 israelenses. A maioria das mortes do lado palestino foi de civis. Israel divulgou nota lamentando a morte de inocentes, mas afirma que vem lançando ataques em resposta a morteiros disparados das "imediações" em que moram civis.

Relato: 'Talvez eu morra esta noite', diz jovem palestina ao narrar bombardeios em Gaza

Apesar dos apelos das Nações Unidas contra ataques a abrigos da ONU para refugiados na Faixa de Gaza, os bombardeios continuam.

No mais recente, 15 pessoas morreram após um ataque a uma escola palestina. O porta-voz da ONU Chris Gunness descreveu o ataque como "uma vergonha para o mundo"

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.