'Talvez eu morra esta noite', diz jovem palestina ao narrar bombardeios em Gaza

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

'É a região que eu moro. Não consigo parar de chorar', twittou Farah Baker, 16, sobre a ofensiva israelense na Faixa de Gaza

Uma adolescente palestina tem usado as redes sociais para relatar a situação assustadora que ela e sua família vivem na Faixa de Gaza por causa da ofensiva israelense.

Hoje: Bombardeios israelenses atingem usina e deixam Gaza sem energia elétrica

Reprodução/Twitter
Farah Baker, 16, mora ao lado do hospital Al-Shifa, em Gaza, e pede o fim dos conflitos pelas redes sociais


Saiba mais: Hamas: da primeira Intifada ao conflito com Israel

Bombas iluminando o céu as 3h da manhã, o ruído ensurdecedor de explosões intermináveis ​​e a casa balançando constantemente sob o impacto de foguetes são apenas algumas das experiências que Farah Baker, 16, tem documentado pelo Twitter. Ela mora ao lado do hospital Al-Shifa, de acordo com o Daily Mail.

A adolescente conta que não pode comer sem o barulho de uma bomba perturbar sua refeição e queimar carros na frente de sua porta. Seu pai, que é neurocirurgião, mostrou a ela "um fragmento do cérebro de uma criança de 9 anos de idade". Ela teme a morte diariamente.

Na segunda (28), um foguete caiu em um parque ao lado do hospital matando dez palestinos, nove deles crianças.

Reprodução/Twitter
Farah Baker tem relatado suas experiências assustadoras com a ofensiva israelense em Gaza

"Essa é a região que eu moro. Não consigo parar de chorar. Talvez eu morra esta noite #Gaza #GazaUnderAttack #ICC4Israel #AJAGAZA", ela escreveu na rede social.

Ontem: Israel diz que solução para conflito exige desmilitarização de palestinos

As semanas de conflitos acabaram com a vida de 1.115 palestinos, 53 soldados israelenses e três civis - dois de Israel e um trabalhador tailandês, de acordo com autoridades palestinas.

"Eles estão bombardeando pesadamente a região onde moro. É a pior noite desta guerra. Só quero que você saiba que eu poderia ser morta a qualquer momento #Gaza", ela escreveu no Twitter.

Este é apenas um dos milhares de incidentes terríveis que Farah e sua irmã de 6 anos de idade sofreram ao longo de suas jovens vidas. A casa da família já ficou no meio de uma zona de conflitos três vezes. As janelas de seus quartos são constantemente destruídas por ataques.

Violência: Explosão mata ao menos nove crianças em Gaza; Israel nega envolvimento

Durante três semanas, Farah contou como ela tem sido obrigada a ficar dentro de casa por causa dos ataques sobre Gaza. A dolescente é muitas vezes impedida de fazer coisas simples, como sair de casa para visitar um amigo de escola.

Reprodução/Twitter
Farah Baker fotografa bombardeio através de sua janela em Gaza

"Estamos sentados na escuridão porque a torre de energia foi desligada, feixes de luz iluminam o céu como se fosse meio dia, nós só ouvimos bombas, drones e caças#Gaza", escreveu ela na segunda-feira.

"Não é só minha região que tem sofrido esta noite. Todas as partes da Faixa de Gaza podem ouvir bombas e luzes. Não temos abrigo", acrescentou.

Mais cedo: Israel volta a atacar Gaza após relativa diminuição da hostilidade

Durante o breve cessar-fogo do dia 25, Farah postou sua alegria em poder sair de sua casa com menos risco de ser morta.

"25 de julho. Há um cessar-fogo de 12hrs hoje. Vou pegar a 2ª rua e continuar caminhando a pé até ficar exausta e sentir falta de casa # Gaza # AJAGAZA". Farah tem recebido o apoio de milhares de pessoas ao redor do mundo.

Trégua: ONU pede 'cessar-fogo humanitário imediato e incondicional' em Gaza

"Quando você precisa de centenas de protestos apenas para dizer ao mundo que BOMBARDEAR CRIANÇAS NÃO É CERTO é que você entende que a humanidade MORREU [sic]# Gaza", twittou ela.

Apesar de sua situação dolorosa, relatada por meio da janela do quarto da jovem e de sua irmã mais nova - "ela está tremendo", já twittou Farah sobre a menina - tweets, vídeos e blogs da adolescente continuam sendo atualizados frequentemente enquanto ela exorta ao resto do mundo por ajuda para sua cidade e sua gente.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas